Blog do HP Hairton Ponciano

E quem vai pagar pela carga do carro elétrico?

Já há em São Paulo alguns locais para recarga de carros elétricos, mas, à medida que as vendas desse tipo de veículo aumentarem, pode ter certeza de que o “almoço grátis” vai acabar. Nos EUA é assim.

BMW 740e híbrido
Nos EUA, a maior parte dos pontos de recarga é liberada por meio de aplicativos de celular. Foto: Hairton Ponciano/Estadão

A ideia parece boa: deixar de gastar dinheiro no posto de combustível e “encher o tanque” na tomada. Aos poucos, é isso o que está acontecendo com os carros elétricos, seja na Europa, no Japão, nos Estados Unidos e até mesmo no Brasil – em um nível muito menor, claro. Mas quem paga o “abastecimento”?

No Brasil, temos a (falsa) ideia de que no mundo desenvolvido (onde os elétricos e os híbridos plug-in são vistos com facilidade nas ruas) podem ser recarregados em qualquer lugar. Mas não é bem assim.

Para começar, prioritariamente as baterias estão sendo recarregadas em casa. A ideia é que o dono utilize o veículo durante o dia e realize a recarga durante a noite. Nos EUA, a tarifa elétrica é menor durante a madrugada, para desestimular o uso nos horários de pico, normalmente no final da tarde e início da noite.

Em linhas gerais, recarregar a bateria é mais barato do que encher o tanque de gasolina (mesmo nos EUA, onde o combustível é muito mais barato do que aqui). Como comparação, na Califórnia um litro de gasolina é mais barato que um litro de etanol no Brasil, e, obviamente, rende mais. Mas o consenso é que o dono do carro pague pela recarga. Também nesse caso “não há almoço grátis”. Nem eletricidade.

Ninguém deve achar que irá deixar o carro carregando no estacionamento do trabalho. Pode ser que no início foi assim nos países mais desenvolvidos, mas pode ter certeza de que as tomadas foram retiradas dos estacionamentos à medida que vários funcionários passaram a ir trabalhar de carros elétricos.

Eles não gastam um absurdo para serem recarregados, mas gastam. De acordo com a Porsche, um Panamera Hybrid plug-in (à venda no Brasil desde o final do ano passado) conectado na tomada “puxa” o equivalente a um chuveiro elétrico (mais informações sobre o carro aqui).  Nenhum patrão vai querer pagar essa conta.

Tomadas pagas

Por causa disso, os postos de recarga pagos foram se alastrando nos países onde a demanda é grande. Dirigi um BMW híbrido, 740e, pela Califórnia, e nas minhas andanças encontrei apenas um hotel com ponto gratuito de recarga, e ele ficava no local mais improvável do roteiro: em Barstow, uma pequena cidade encravada no meio do deserto do Mojave.

O que se vê, na maioria dos casos, são os pontos de recarga pagos. E, o que é pior, para usá-los, não basta passar o cartão de crédito: é preciso ter um aplicativo no smartphone. Mas ele só está disponível nas lojas virtuais (como Apple Store e Google Play) dos EUA. Por isso, apesar dos pontos à disposição em locais de grande movimento, entre os quais outlets e parques da Disney, não foi possível carregar o carro.

O que já acontece nesses países vai chegar ao Brasil em questão de tempo. Já há alguns pontos de recarga em alguns postos de serviço, e outros estão sendo implantados. A própria BMW é parceira de um projeto que prevê a criação de um “corredor” de recarga na via Dutra, que liga São Paulo e Rio de Janeiro.

Mas vamos precisar de mais tomadas. Porque os elétricos vêm aí.

Seminovos

Confira as melhores ofertas do Autoline.com.br


Ofertas 0KM

Mais ofertas

Mais ofertas exclusivas

Veja todas as condições especiais


Mais artigos
Volvo XC40
Trânsito em São Paulo
Volkswagen Tiguan
Tesla Modelo S
Ford Ka