Blog do HP Hairton Ponciano

A Ford e a escolha de Sofia

A Ford teve de tomar uma decisão difícil: como renovar o Ka e o Fiesta com orçamento reduzido e o mercado em crise? Resolveu investir no Ka e deixar o Fiesta em marcha lenta

Ford Ka
O compacto Ka é o modelo mais vendido da Ford, e o terceiro mais emplacado do Brasil. Por isso, vai receber todas as atenções da montadora em 2018. Foto: José Patrício/Estadão

O dilema da Ford era o seguinte: não havia dinheiro em caixa suficiente para fazer todas as mudanças na linha de automóveis que ela e os clientes certamente queriam. Afinal, o mercado ainda está em crise, e as vendas continuam baixas. Mas também não poderia ficar parada, porque a concorrência está no calcanhar. O que fazer?

Trazer a nova geração do Fiesta, que já roda na Europa? Seria ótimo, mas sobraria dinheiro para mexer no Ka? O modelo compacto é a galinha dos ovos de ouro da marca, e a Ford não poderia deixá-lo sem novidades.

Diante da encruzilhada, a Ford aparentemente teve de fazer a escolha de Sofia, decidir entre duas opções difíceis. A conclusão, já sabemos. A montadora acabou economizando no Fiesta para poder gastar mais no Ka.

Foi uma decisão fria, baseada em números: a empresa decidiu investir no carro que tem muito mais potencial de vendas. Afinal, enquanto o Ka está na terceira posição do ranking (87 mil unidades vendidas até novembro), o Fiesta acumula 17.380 veículos emplacados no mesmo período.

Por isso, como já antecipamos, as atenções em 2018 irão para o Ka (a notícia está aqui). Lá para março ou abril o modelo deve ser lançado com o conjunto motor-câmbio que estreou no EcoSport este ano. Trata-se de um moderno 1.5 de três cilindros e 137 cv (no SUV), que trabalha em sintonia com um câmbio automático convencional de seis marchas.

Já imaginou um compacto como o Ka com um motor de 137 cv? Abre várias possibilidades para o modelo, incluindo versão com desempenho realmente esportivo.

Além de suprir uma deficiência do Ka (a ausência de transmissão automática), com essa jogada a montadora pode evitar que a Hyundai a ultrapasse. Afinal, no acumulado até novembro, a Ford tem 9,53% de participação no segmento de carros de passeio e comerciais leves. E a Hyundai está colada, com 9,30%.

E por que a montadora não utilizou o mesmo conjunto no Fiesta 2018, que acaba de ser lançado? Porque não há dinheiro para fazer tudo o que é necessário.

E como fica o Fiesta? Continua um carro de dirigibilidade exemplar e estilo agradável, apesar de ser praticamente o mesmo carro lançado no Brasil em 2013.

Manteve o câmbio de dupla embreagem. A Ford garante que fez tudo o que era preciso fazer no sistema: reforçou o material de atrito da embreagem, trocou retentores, reprogramou o módulo eletrônico e desapareceu com o nome Powershift. Com isso, diz que a trepidação do sistema, motivada pelo aumento de temperatura, não ocorre mais.

Andei com o carro e comprovei que ele continua agradável. Bom de curvas, silencioso e com boas respostas ao acelerador.

Mesmo assim, precisamos ver como o comprador vai reagir. A onda de problemas criou um estigma para o carro. Tanto que no EcoSport a caixa foi trocada.

O Fiesta está vivendo o que o Polo viveu há cerca de uma década. Na época, a Volkswagen passou a investir no Gol, e foi deixando o Polo de lado. A ideia era a de que aos poucos o Fox herdasse o lugar do até então “compacto premium”.

Enquanto na Europa o Polo estava na quinta geração, no Brasil a montadora alemã desligou os aparelhos do Polo em 2015. Agora, o modelo volta com tudo, na sexta geração.

Quem trocou o Polo pelo Fiesta há coisa de quatro, cinco anos, fez muito bem. Agora, é hora de destrocar. É o ciclo da vida.

Seminovos

Confira as melhores ofertas do Autoline.com.br


Ofertas 0KM

Mais ofertas

Mais ofertas exclusivas

Veja todas as condições especiais


Mais artigos
Volvo XC40
BMW 740e híbrido
Trânsito em São Paulo
Volkswagen Tiguan
Tesla Modelo S