Blog do HP Hairton Ponciano

Kwid é uma espécie de ratatouille da Renault

Ele é simples, despretensioso, traz bons trunfos relativos à segurança e ainda tem preço inferior ao dos concorrentes

Renault Kwid
Renault Kwid tem estilo agradável por fora, acabamento simples por dentro e preço mais baixo que o da concorrência: sob medida para os tempos de crise. Foto: Rodolfo Buhrer/Renault

A Renault parece ter acertado na receita ao lançar o hatch (sub)compacto Kwid. Claro, ainda é cedo para saber se o modelo será um sucesso. Durante a apresentação do carro, os executivos da marca não falaram em perspectiva de volume de vendas. Aparentemente, estão contendo a euforia e evitando o clima de “já ganhou”. Mas algo me diz que fizeram uma leitura correta do mercado.

O carro é simples demais. A avaliação que fiz com ele está aqui, para quem quiser mais detalhes. No blog, quero falar mais de estratégia.

Se for possível fazer uma analogia com comida francesa, a receita da Renault seria uma espécie de ratatouille automotivo. Ratatouille é aquele prato rústico francês, à base de legumes. É barato, simples de fazer e saboroso. Na essência, o Kwid é isso, um “mata-fome”: acessível e sem luxo, mas correto em sua proposta.

O modelo da Renault cumpre bem as necessidades básicas, principalmente as relacionadas à segurança, com seus quatro air bags. Além disso, o visual agrada, graças ao jeitinho de SUV (tem molduras nas caixas de roda, faixas laterais, suspensão um pouco elevada, etc.).

No “teste das ruas”, o carro foi aprovado. Andando com ele por São Paulo, foi possível perceber que pedestres e outros motoristas notavam o carro com certa facilidade. Ok, é difícil passar despercebido com essa pintura ocre de lançamento, mas no mesmo tipo de teste o Mobi foi pouco notado em público.

A Renault também adotou preço agressivo de venda, bem abaixo de seus maiores concorrentes (Fiat Mobi e VW Up!). É o carro sob medida para a época de crise. Os salários estão achatados, há muito desemprego, então nada mais adequado a tempos difíceis.

E nada que a Renault não tenha feito antes. Quando lançou o Logan no Brasil, há dez anos, o sedã de origem Dacia (marca de baixo custo da Renault localizada na Romênia) era extremamente simples. Quando o mercado melhorou, já nesta década, a empresa aprimorou visual e acabamento do modelo.

O Kwid foi desenvolvido sob a mesma ótica pragmática do Logan, como o acabamento simples, sob medida para tempos de crise. Caso a economia melhore, é fácil aprimorar a qualidade, trocando materiais de acabamento, por exemplo.

Como disse, durante o lançamento os executivos da Renault se esquivaram de perguntas sobre expectativa de volume de vendas do Kwid. Mas já colocaram a fábrica de São José dos Pinhais, no Paraná, para funcionar em três turnos. Só faz isso quem está confiante.


Ofertas 0KM

Mais ofertas

Ofertas Carros 0km

Ofertas com condições especiais


Mais artigos
Fábrica da Chrysler FCA nos Estados Unidos
acidente envolvendo caminhão e moto em São Paulo
Ford EcoSport 2018
Honda WR-V
Chevrolet Corvette
Audi A5 Sportback