Blog do HP Hairton Ponciano

Que tal montar o motor de seu próprio carro?

O comprador do Corvette Z06 pode passar um dia na fábrica, nos EUA, montando o motor de seu próprio carro. Um bom programa de fidelização de cliente

Chevrolet Corvette
O comprador do Corvette Z06 pode pessoalmente montar o motor de seu futuro carro. Foto: Chevrolet

 

Você toparia passar um dia inteiro dentro de uma fábrica, montando o motor de seu futuro carro, e ainda pagar US$ 5 mil (cerca de R$ 16 mil) pela experiência? Se você respondeu “sim”, certamente gosta – muito – de carros. E, claro, tem algum dinheiro sobrando.

Pois o exclusivo programa existe. E não é para qualquer motor. A Chevrolet oferece a possibilidade de o comprador de Corvette montar o 6.2 V8 de 650 hp que irá equipar seu próprio carro.

É uma daquelas experiências que entram para o rol de coisas inesquecíveis que a pessoa faz na vida. Seria o equivalente a colher as uvas do vinho que a pessoa depois poderá beber (isso é possível), ou preparar ao lado do chef o prato que você irá degustar no restaurante (isso não existe).

O programa denominado Engine Build Experience (algo como experiência de montagem do motor) é dedicado a compradores do Corvette Z06, que nos Estados Unidos custa US$ 80 mil (R$ 258 mil).

A lógica por trás do programa é a seguinte: quem compra um esportivo como o Corvette gosta de carro, adora dirigir, entende de automóvel e não perde a chance de aumentar seus conhecimentos sobre mecânica. Então, por que não participar da construção de seu próprio motor?

É isso que leva o futuro dono de Z06 a passar o dia na fábrica de motores do carro, o Performance Build Center, localizada em Bowling Green, estado de Kentucky. Terminada a montagem, o motor recebe uma placa com o nome do proprietário, a exemplo do que ocorre nos motores da AMG (preparadora da Mercedes). A diferença é que o nome que estará ali é o do dono do carro.

Vejo isso como uma oportunidade ímpar de fidelização de cliente. Provavelmente é o tipo de programa que aumenta a interação entre homem e marca, ou homem e máquina. O cara vai entender mais sobre seu carro, e vai usá-lo melhor.

Muita gente valoriza isso. Mas é claro que tem um público que não quer nem saber onde fica o motor do carro, contanto que ele o leve do ponto A para o B.

Essa parcela de público nunca compraria um esportivo. Mas talvez comprasse um modelo como o finado Audi A2. Produzido entre 1999 e 2005, o A2 era um carro à frente de seu tempo. Não era bonito (longe disso, aliás), mas tinha carroceria de alumínio e foi pensado para quem não tinha a menor curiosidade sobre as partes íntimas do veículo.

Tanto que o modelo possuía na frente apenas uma pequena abertura para verificação periódica de água e óleo. Abrir o capô era coisa para a oficina. É esse carro aí das fotos.

O A2 não viveu para ver a chegada dos semiautônomos, muito menos o lançamento do A8 (mostrado esta semana), que já faz quase tudo sozinho (anda a até 60 km/h sem motorista). É o sedã da foto inferior.

O legal é que a indústria automotiva tem opções para todos os gostos. Atende a quem não quer nem saber o que faz o carro se mover, e também a quem deseja entender a função de cada parafuso de seu carro. E há quem diga que o carro vai acabar…


Ofertas 0KM

Mais ofertas

Ofertas Carros 0km

Ofertas com condições especiais


Mais artigos
Volkswagen Tiguan
Volkswagen Polo 1.0 TSI
Painel do Jeep Renegade
Fábrica da Chrysler FCA nos Estados Unidos
acidente envolvendo caminhão e moto em São Paulo
Renault Kwid