‘Fordeiro’ curte paixão pelo Escort XR3

O analista de sistemas Luiz Fernando Cruz exibe um belo exemplar de 1989 da versão conversível do modelo


Escort foi vendido de 1983 a 2003. Do conversível, peças de reposição são raras

O analista de sistemas Luiz Fernando Cruz era uma criança na década de 1980, quando o Escort XR3 despertava paixões. Ele já cobiçava o Ford com apelo esportivo, mas só conseguiu colocar um na garagem bem mais tarde, já adulto. Sua paixão pelo hatch só cresceu com o tempo: hoje, tem dois exemplares do XR3 e uma perua Escort.

Antes de encontrar o conversível desta reportagem, Cruz comprou outro, que havia sido abandonado em um sítio. Mas constatou que a restauração era economicamente inviável e resolveu vendê-lo. “Eu queria um exemplar mais íntegro, que pudesse receber a placa preta. Continuei procurando até achar este aqui, pela internet.”

O carro, fabricado em 1989, estava em Lins. Cruz pôs no bolso um cheque de R$ 11.500 e embarcou em um ônibus noturno para a cidade, a 430 km da capital. “Fui com a cara e a coragem, sem saber o que me esperava”, ele lembra. “Mas foi amor à primeira vista: o carro tinha 36 mil km rodados e precisava de poucos reparos. Voltei dirigindo com a capota abaixada, feliz.”

Para ficar tinindo, o Ford ganhou rodas e capota novas. A lataria carregava as marcas de uma chuva de granizo e foi reparada com martelinho de ouro, para não comprometer a originalidade da pintura. “Eu queria um exemplar de 1989, pois foi o último ano com o motor CHT 1.6, da Ford (de 83 cv)”. Em 1990, foi adotado o AP 1.8, da Volks. “Sou ‘fordeiro’, meu coração bate pela marca”, diz Cruz.

O analista de sistemas guarda o XR3 para os fins de semana, quando viaja para o litoral ou o interior do Estado, sempre com a capota abaixada. “Ele é meio fraco para um esportivo, a vocação dele é mais de lazer. É um carro para curtir na praia, com os cabelos ao vento”, define.


Precavido, Cruz mantém em casa um estoque de peças mecânicas e de acabamento. “Tenho o que você imaginar, até câmbio e cabeçote. Garimpo pela internet e em ferros-velhos. Quando acho um Escort, já vejo o que posso aproveitar. Peças exclusivas do conversível, como as lanternas traseiras, são raras.”

A esposa Patrícia também gosta do Escort e viaja com ele à procura de mais exemplares. “Fomos a Santa Catarina para ver outro conversível, mas ele não estava em bom estado. Agora quero um XR3 com capota fixa, que seja anterior à reestilização de 1987.”

HISTÓRIA
O Ford Escort foi lançado no Brasil em 1983, para substituir o Corcel II. Baseado na terceira geração do modelo europeu, tinha quatro versões: L (básica), GL (intermediária), Ghia (de luxo) e XR3 (esportiva). A opção XR3 conversível surgiu em 1985.

A segunda geração do Escort brasileiro chegou no final de 1992. Foi substituída em 1997 pela derradeira, que saiu de cena em 2003, para dar lugar ao Focus.


Ofertas 0KM

Mais ofertas

Ofertas Carros 0km

Ofertas com condições especiais


Notícias relacionadas