De olho no retoque

Reparar a pintura é mais indicado para danos leves e peças plásticas; partes estruturais pedem troca de todo o componente

Repintura bem feita tem de manter mesma tonalidade do resto da carroceria. Foto: André Lessa/Estadão

Que atire a primeira pedra quem nunca deu uma “raladinha” no carro num estacionamento apertado, por exemplo. A cena comum em grandes cidades leva à necessidade de reparos na pintura, que pedem alguns cuidados na hora de serem feitos, já que nem todas as peças valem a pena ser reparadas.

Segundo o proprietário da WTC Express, especializada em pintura e funilaria na zona sul da capital, Alexandre de Barros, só os para-choques podem ser reparados com sucesso, sem que a peça fique manchada ou marcada. Esses casos de reparos pequenos têm preço inicial de R$ 300 na loja. Já repintar todo o componente parte de R$ 500.

Em partes da lataria, o processo de repintura é mais complexo e um reparo pode ficar pior do que o dano inicial – por isso, não é indicado pelos especialistas. O melhor é repintar a peça inteira ou trocá-la.
Isso ocorre porque a pintura de um carro já usado costuma envelhecer e apresentar diferenças quando uma tinta nova é aplicada. Isso dificulta bastante a equiparação de uma parte consertada com o restante do veículo.

O processo de acertar a cor é mais fácil quando se pinta a peça inteira, mesmo que a parte afetada seja pequena. Ainda assim, diferenças de tonalidade podem ocorrer.

Barros também alerta para o reparo de amassados em peças estruturais do carro. “Partes que possuem travessas devem ser trocadas por motivos de segurança”, explica. O veículo pode perder rigidez estrutural. Por isso, o recomendável é a troca de todo o componente.

Revenda. O proprietário da oficina Motorfast, também na zona sul, Bruno Tinoco, confirma as questões de segurança e aponta seu reflexo no valor de revenda do carro. “Mais importante que o reparo é a qualidade dele.”

Se o conserto usar massa em excesso ou a cor não for correspondente com o restante da carroceria, será facilmente detectado numa inspeção e poderá diminuir o valor de mercado do carro no caso de revenda.

Retoque
Os especialistas consultados explicam que o retoque só é indicado para para-choques e em danos simples, como riscos e ralados leves. Técnica não tem bons resultados em amassados mais graves.

Repintura completa
Indicada para peças de lataria, como portas, para-lamas, capô ou tampa do porta malas. Evita manchas localizadas na pintura e, se bem feita, não reduz valor de revenda do veículo.<MC1>

Troca de peça
Melhor quando o dano é mais profundo, com amassados, vincos ou cortes na lataria. Também é o mais indicado quando há danos maiores em peças que têm travessas, como nas portas do carro.


Ofertas 0KM

Mais ofertas

Ofertas Carros 0km

Ofertas com condições especiais


Notícias relacionadas