Mini, Cooper S, lançamento
Divulgação/Mini

Aceleramos: novo Mini Cooper S é bom de dirigir e admirar

Quarta geração do Mini Cooper S é um carro divertido de dirigir e enche os olhos com um design minimalista e novos elementos de sofisticação

Por Thiago Vinholes 10 de jul, 2024 · 10m de leitura.

O tempo passa, mas o Mini Cooper mantém seu poder de persuasão. A versão S, com apelo esportivo, é possivelmente a mais interessante do modelo da marca britânica. Cada nova reformulação do compacto potencializa essas características. A atual, da quarta geração, é muito moderna. O Jornal do Carro foi a Campos do Jordão (SP) acelerar a novidade, que está à venda no Brasil em duas versões: Exclusive, tabelada a R$ 239.990, e Top, a R$ 269.990.

Embora tenha avançado uma geração, o Mini Cooper S ainda mantém algumas lembranças do modelo anterior. Por exemplo, a plataforma é a mesma, a UKL1, assim como o propulsor quatro cilindros 2.0 turbo a gasolina. Este motor, no entanto, ficou mais forte: a potência aumentou de 192 cv para 204 cv e o torque máximo passou de 28,5 mkgf para 30,6 mkgf. O carro também manteve a transmissão automatizada de sete marchas e dupla embreagem.

Mini, Cooper S, lançamento
Divulgação/Mini

Outra característica que não muda no Cooper S é o “go-kart feeling”. Esse slogan da Mini faz referência ao estilo de condução com reações diretas do volante, como um kart. No entanto, a marca cometeu um “pecado” neste novo projeto ao não incluir paddle-shifts ou uma alavanca sequencial para trocas de marcha manuais. Esse recurso faz falta e acaba exigindo mais dos freios, especialmente para quem gosta de andar mais rápido.

Design icônico reformulado

Construído sobre a mesma plataforma da gama anterior, o novo Mini Cooper S mantém praticamente as mesmas dimensões da terceira geração. A distância entre-eixos permanece em 2,49 metros. O compacto mede 3,87 metros de comprimento (cinco centímetros a mais), 1,74 metros de largura (mais dois centímetros) e 1,43 metros de altura (mais dois centímetros). Porém, a despeito desse crescimento, ele continua com aspecto “mini”.

Mini, lançamento
Divulgação/Mini

O visual do carro mudou bastante, mas mantém o estilo indefectível da montadora britânica. A quarta geração do Mini Cooper tem formas suavizadas. O modelo anterior parecia mais “musculoso”, especialmente na parte dianteira. Nesta seção, nota-se a ausência da entrada de ar acima do capô e dos vincos nas extremidades do para-choque dianteiro, que direcionavam a ventilação para os freios. Em compensação, o compacto reformulado possui uma grade frontal ligeiramente ampliada.

A traseira também apresenta grandes mudanças. Agora, as lanternas, antes ovais, adotaram um formato triangular com pontas abauladas. Além disso, a Mini “escondeu” os canos de escapamento, que não são mais aparentes. Na terceira geração do Cooper S, o escape ficava no centro do para-choque traseiro, detalhe que conferia uma aparência mais esportiva ao carro.

Mini, lançamento
Divulgação/Mini

O novo Cooper S disponível no mercado brasileiro vêm com rodas aro 18”, mas com desenhos diferentes em cada versão do carro.

Interior tem acabamento de tecido

Assim como a nova geração do Mini Countryman, o novo Cooper S possui o interior decorado com superfícies têxteis. Segundo o fabricante, esse tecido é feito de poliéster reciclado. Ele cobre todo o painel e partes do acabamento interno das portas, tornando a cabine um ambiente mais aconchegante.

Lançamento, Mini
Divulgação/Mini

Os bancos revestidos em couro, disponíveis em branco ou preto, possuem grandes abas laterais, essenciais em carros esportivos. O design dos assentos é notável, com apoios de cabeça que parecem flutuar sobre os encostos. Além disso, a posição de dirigir, próxima ao assoalho, é ideal para um carro dessa estirpe. Como não poderia ser diferente num Mini com carroceria duas portas, o espaço traseiro continua apertado – o Mini Cooper quatro portas é melhor nesse ponto, mas ele ainda não está disponível no Brasil.

Repetindo o exemplo do novo Countryman, a quarta geração do Mini Cooper S substituiu o painel de instrumentos atrás do volante por um head-up display. Esse recurso projeta no para-brisa o velocímetro, conta-giros e dados de navegação. Além disso, essas informações estão disponíveis na tela redonda de alta definição no centro do painel, que utiliza tecnologia OLED.

Lançamento, Mini
Divulgação/Mini

Novo Mini Cooper S é um foguetinho

Os carros da Mini sempre foram máquinas interessantes de guiar. A nova geração do Cooper S não foge a essa regra e traz elementos que aprimoram sua performance dinâmica. A suspensão foi ajustada para ser mais suave sem comprometer a estabilidade, mantendo o espírito de um kart. Além disso, essa é a configuração mais adequada para rodar em ruas e estradas irregulares do Brasil. Vale ainda o destaque para o ponto de ancoragem da suspensão traseira, localizada quase na parte central do carro e que ajuda a dissipar melhor as imperfeições do solo.

Com 12 cv de potência extras em relação ao modelo anterior, o novo Cooper S ficou mais esperto. De acordo com dados da Mini, o modelo acelera de 0 a 100 km/h em 6,6 segundos e alcança velocidade máxima de 240 km/h. Ou seja, ele é 0,2 s mais veloz na prova de aceleração e 5 km/h mais rápido que seu antecessor. Porém, apesar desse vigor adicional, o ronco do motor é um tanto sóbrio.

Mini
Divulgação/Mini

Entretanto, por ser um carro com câmbio de dupla embreagem, faltam paddle-shifts atrás do volante para trocar as marchas. O sistema de controle da transmissão reduz as marchas nas frenagens, mas a sensação transmitida ao motorista deixa a desejar. Isso pode ser minimizado no modo de condução Sport, mas ainda não entrega ao motorista o comando total de seleção das marchas. É uma ausência lamentável, especialmente considerando que este pode ser um dos últimos carros esportivos da Mini com motor a combustão.

Prós – Conjunto mecânico

Modelo mantem os mesmos motor e câmbio da geração anterior, mas com novos ajustes, que garantiram mais potência e melhores respostas.

Contras – Trocas de marcha no volante

Embora seja esportiva, versão S não traz borboletas no volante para trocas manuais de marcha, que garantem retomadas de velocidade mais rápidas.


Ficha Técnica

Mini Cooper S 2025

  • Motor: 2.0 litros, quatro cilindros, turbo
  • Potência: 204 cv a 6.000 rpm
  • Torque: 30,6 mkgf entre 1.600 e 4.600 rpm
  • Câmbio: Automática de dupla embreagem com 7 velocidades
  • Comprimento: 3,87 metros
  • Largura: 1,74 metros
  • Altura: 1,43 metros
  • Entre-eixos: 2,49 metros
  • Porta-malas: 211 litros (731 litros com bancos traseiros rebatidos)
  • Peso: 1.285 kg (vazio)
  • Preços: R$ 239.990 (Exclusive) e R$ 269.990 (Top)

Siga o Jornal do Carro no Instagram!

O Jornal do Carro está no Youtube

Inscreva-se
Newsletter Jornal do Carro

Complete seu cadastro para receber as últimas notícias do Jornal do Carro diretamente no seu e-mail.

Campo obrigatório
Tudo certo!

Seu cadastro foi enviado. Em breve você receberá as últimas notícias do Jornal do Carro diretamente no seu e-mail.