Você está lendo...
As infrações mais cometidas nas estradas em 2016
Notícias

As infrações mais cometidas nas estradas em 2016

Levantamento feito pela Polícia Rodoviária Federal em rodovias federais paulistas aponta o excesso de velocidade como o grande vilão

31 de dez, 2016 · 6 minutos de leitura.

 As infrações mais cometidas nas estradas em 2016


Se a estrada está cheia, tenha paciência: usar o acostamento como atalho é infração gravíssima

Com a temporada de festas e o verão, as estradas lotadas recebem uma grande quantidade de motoristas que não têm o hábito de dirigir em rodovias ao longo do ano. E, na ânsia de chegar rapidamente ao destino para curtir com a família e os amigos, muitos acabam deixando a cautela de lado e embarcando em condutas imprudentes. Se acidentes ocorrem apenas em casos mais extremos, outro aborrecimento é bem mais comum: as multas.


Um levantamento feito pela Polícia Rodoviária Federal a pedido do Jornal do Carro apurou quais foram as infrações mais cometidas pelos motoristas nas rodovias federais do Estado de São Paulo, de janeiro até o início de dezembro. Os resultados mostram que a quantidade de apressadinhos de plantão é grande, o que só reforça que é preciso ter cuidado redobrado ao trafegar por rodovias.

A infração que figurou em primeiro lugar no ranking, com larga vantagem, foi transitar em velocidade superior à máxima permitida em até 20% - houve 600.818 autuações nesse sentido. Isso possivelmente inclui muitos condutores que até costumam rodar dentro da lei, mas, por um descuido, às vezes deixam a velocidade do carro exceder os limites permitidos. Uma boa dica para evitar esse tipo de multa é acionar o controle de velocidade de cruzeiro, nos veículos equipados com esse item.

A seguir, figura na lista novamente o excesso de velocidade, mas acima de 20% e abaixo de 50%. Nesse caso, a infração passa de média (4 pontos na carteira de habilitação e multa de R$ 130,16) para grave (5 pontos e R$ 195,23). Foram verificadas 84.358 ocorrências nesse sentido nas rodovias federais paulistas no período.


Em terceiro lugar, vem o descumprimento de uma obrigação que passou a ser exigida recentemente, a partir de 8 de julho de 2016: manter os faróis baixos acesos, mesmo durante o dia. Muitos motoristas ainda não se familiarizaram com a nova lei, que rendeu 23.803 autuações. Vale lembrar que essa exigência vale inclusive nos trechos em que a rodovia corta o perímetro urbano.

A quarta infração mais comum foi novamente o excesso de velocidade, desta vez mais de 50% acima do limite, com 9.725 casos constatados. Neste caso, não há justificativa aceitável para o deslize, que é punido de forma severa: além de uma multa de R$ 880,41 (o valor da infração gravíssima multiplicado por três), o motorista está sujeito a ter sua CNH apreendida e o direito de dirigir suspenso imediatamente.

Em quinto lugar na lista elaborada pela Polícia Rodoviária Federal, aparece outra infração gravíssima ligada aos motoristas apressadinhos: transitar com o veículo em acostamentos. Foram 7.528 autuações nesse sentido. Nunca é demais lembrar que o acostamento é um espaço destinado apenas a paradas de emergência e jamais deve ser usado como um atalho para driblar os engarrafamentos.


O ranking prossegue com a falta do uso de cinto de segurança, com 5.607 infrações, o estacionamento em locais e/ou horários proibidos, com 5.054 multas, e a ultrapassagem em trecho proibido, em vias de pista simples sinalizadas com faixa amarela contínua, com 4.254 registros.

A ultrapassagem em local proibido é responsável por grande parte das colisões frontais mais graves, com vítimas, e a falta de cinto de segurança, em qualquer caso potencializa o risco de ferimentos sérios ou mesmo fatais em caso de acidente. Fique ligado, dirija com prudência, proteja-se e cuide também daqueles que estão ao seu redor.