Legislação

Bolsonaro tem até 14 de julho para aprovar teto de R$ 140 mil para isenção de IPI no Carro PCD

Após tramitação no Congresso Nacional, medida provisória que pode reestabelecer a isenção de IPI no carro PCD está nas mãos de Jair Bolsonaro

Emily Nery, Especial para o Jornal do Carro

29 de jun, 2021 · 8 minutos de leitura.

Volkswagen T-Cross Sense carro PCD" >
Volkswagen T-Cross Sense era versão PCD, mas agora é vendido a qualquer pessoa por custar mais de R$ 70 mil
Crédito:Divulgação/Volkswagen

Após pouco mais de três meses em tramitação na Câmara dos Deputados e no Senado Federal, a MP 1.034/2021 está prestes a ter um desfecho. No site da Câmara, consta o novo e derradeiro prazo para a assinatura da medida provisória pelo presidente da República, Jair Bolsonaro: 14 de julho. Até este dia, Bolsonaro terá de decidir se sanciona ou veta a proposta que, dentre vários temas, eleva de R$ 70 mil para R$ 140 mil o teto para isenção do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para o carro PCD.

Mas não é só. A MP 1.034/2021 também propõe reduzir de quatro para três anos o prazo para a troca do veículo adquirido com isenções pelo público PCD. Esses ajustes pretendem corrigir sobretudo o teto para obtenção do benefício, que era isento de limite até março deste ano, quando Bolsonaro assinou a medida provisória. A partir de então, ficou estabelecido que o IPI deve seguir o mesmo valor limite exigido para o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), que é de R$ 70 mil.

O problema é que esse novo teto acabou com a oferta de veículos PCD, uma vez que não existem mais modelos com câmbio automático abaixo de R$ 70 mil. Para se ter uma ideia, com a escalada dos preços dos carros novos desde o início da pandemia da Covid-19, o Volkswagen Gol com transmissão automática já chega a R$ 83 mil. Portanto, tal como revelamos aqui no Jornal do Carro, acabaram os carros PCD. Mas, esse mercado, que teve volumes recordes em 2019 e 2020, pode voltar.

O que acontece agora?

A decisão sobre sancionar ou não a MP 1.034/2021 está desde o dia 24 de junho nas mãos do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Ele pode simplesmente assinar o texto original, bem como pode aprovar apenas o trecho que estabelece as novas regras para a isenção do IPI nos carros PCD. Da mesma maneira, Bolsonaro pode vetar os ajustes feitos pelos deputados e senadores. Entretanto, neste caso, quando retornar ao Congresso, o veto presidencial poderá ser derrubado, já que o tema teve amplo debate.

Especialistas do setor, como Rodrigo Rosso, presidente da Abridef (Associação Brasileira da Indústria, Comércio e Serviços de Tecnologia Assistiva), acreditam que o projeto será sancionado com o novo teto de R$ 140 mil para o abono do IPI, e o prazo de três anos para a troca do veículo com isenção do imposto. Em uma reviravolta, caso a revisão seja recusada, o teto permanecerá em R$ 70 mil, e o prazo para o dono vender o veículo passa, então, aos quatro anos da MP publicada em março.

Toyota-Etios-Sedan-cambio
Hoje em dia, mercado não vende nenhum carro com câmbio automático abaixo dos R$ 70 mil

Mudanças previstas na MP

Conforme reportamos no Jornal do Carro, a Câmara dos Deputados aprovou no início de junho a MP 1.034/2021 que, além de aumentar o limite de preço para isenção do IPI, também incluiu pessoas com deficiência auditiva como parte do grupo. Além disso, o texto estipula que o prazo para troca do carro PCD passa a ser de três anos, e não mais quatro anos, como previsto.

Na última terça-feira (22), o Senado discutiu a MP e derrubou o limite de preço de R$ 140 mil. Assim, entendeu que qualquer veículo adquirido por PCD possa obter a isenção.

Contudo, na quarta-feira (23) o texto retornou à Câmara. E o deputado relator, Moses Rodrigues (MDB-SP), vetou as modificações e manteve o teto. A medida tinha até o dia 28 de junho para ser encaminhada à sanção presidencial. Mas já no dia 24 foi enviada pela Câmara dos Deputados ao presidente Bolsonaro.

IPVA
Versão do Renegade para PCD parou de ser vendida no final do ano passado devido ao preço ser dispare ao oferecido nas outras versões Divulgação/Jeep

Proposta discutia somente a isenção do IPI

Há até pouco tempo, o cliente PCD que comprava um carro, poderia receber até duas isenções: do IPI e ICMS. O segundo imposto é de ordem estadual e sua alíquota varia conforme a unidade federativa. Atualmente, ele segue o teto de até R$ 70 mil e foi postergado para até março de 2022, mas sem revisão no limite de preço.

Entretanto, esse valor é extremamente defasado. O Confaz estabeleceu o limite de R$ 70 mil para isenção do ICMS em 2009. Desde então, o governo não revisou esse teto. Bem como explicamos, desde então, o Índice Geral de Preços Mercado (IGP?M) aponta que a inflação acumula alta de 106,5%. Caso o governo aplicasse apenas a correção monetária no valor do limite, o atual teto ultrapassaria os R$ 145 mil.

No entanto, hoje em dia não existe nenhum modelo com câmbio automático no mercado abaixo dos R$ 70 mil. Assim, a venda de carros PCD no momento está temporariamente suspensa, até que a legislação torne o cenário mais favorável. A volta da isenção do IPI para qualquer carro PCD pode reaquecer as vendas da área, mesmo que o teto para ICMS ainda esteja sem revisão.

Ainda sob aprovação da Câmara, está o Projeto de Lei que prorroga até 2026 da isenção do IPI na compra de automóveis por PCD. Pela regra vigente, o benefício terminará no dia 31 de dezembro de 2021.


Continua depois do anúncio

O Jornal do Carro está no Youtube

Inscreva-se
Mitsubishi Eclipse Cross GLS
Oferta exclusiva

Mitsubishi Eclipse Cross GLS