BYD Seal preços
BYD/Divulgação

BYD reajusta preços de Dolphin, Yuan Plus e Seal; veja tabela

BYD encareceu os valores dos veículos eletrificados após um novo aumento na alíquota de importação para carros elétricos e híbrido no Brasil

Por Adrielle Farias 10 de jul, 2024 · 5m de leitura.

Somente no primeiro semestre de 2024, a BYD trouxe ao Brasil cerca de 60 mil carros híbridos e elétricos. Entre os veículos que chegaram ao País nos navios da própria chinesa estão o sedã híbrido King e o SUV Song Pro. Contudo, esta ação da BYD fez parte de uma estratégia para driblar o aumento da alíquota do imposto de importação sobre veículos eletrificados, já que no dia 1º de julho houve outro reajuste.

Tal como o Jornal do Carro antecipou, alguns veículos já iriam ficar mais caros, como é o caso do Dolphin Plus e do Yuan Plus, por exemplo. Desta vez, uma tabela com novos valores de veículos da BYD vazou nas redes sociais e mostra todos os modelos que sofreram aumento. A informação foi revelada pelo site Mobiauto.

BYD encarece veículos após aumento de imposto

Com este aumento, o BYD Dolphin está até R$ 10 mil caro, passando de R$ 149.800 para R$ 159.800 na sua versão de entrada GS, enquanto a versão Plus agora custa R$ 184.800. Já o SUV Yuan Plus saiu de R$ 229.800 para R$ 235.800. Por fim, o sedã Seal também ficou R$ 3 mil mais caro e agora está R$ 299.800. Outra novidade é que o Dolphin Mini terá uma versão de cinco lugares disponível, conforme o JC detalhou nesta publicação. Esta nova versão terá o preço de R$ 119.800.


BYD Dolphin mais econômicos elétrico
Alex Silva/Estadão

Imposto para veículos elétricos e híbridos? Entenda

O governo federal retomouimposto de importação no dia 1º de janeiro deste ano. Assim, esta não é uma taxação direta aos chineses, como a feita nos EUA e na Europa, porque a tarifa aqui incide sobre todos os importados, de qualquer origem. No decreto de janeiro, os carros elétricos, livres de imposto de importação desde 2016, voltaram a pagar 10% de taxa. Contudo, a alíquota voltou a subir no dia 1º de julho, para 18%. No caso dos híbridos (HEV e MHEV), o imposto era de até 4%, passou para 15% em janeiro e, agora, chega a 25%.

Desta forma, gradualmente, vai subir até voltar à alíquota integral de 35%, em 1º julho de 2026 – daqui a dois anos. Ainda sim, a Anfavea quer que o governo retome o percentual máximo do imposto de importação antes de 2026. Além disso, a associação pede um teto anual médio de 4.800 carros importados por marca. Isso sob a condição de preservar os investimentos anunciados pelas marcas associadas, com aportes que somam R$ 130 bilhões até o fim da década no País.


Confira os novos valores

  • Dolphin Plus – de R$ 179.800 para R$ 184.800 (+ R$ 5 mil)
  • Dolphin GS – de R$ 149.800 para R$ 159.800 (+ R$ 10 mil)
  • Seal – de R$ 296.800 para R$ 299.800 (+ R$ 3 mil)
  • Yuan Plus – de R$ 229.800 par R$ 235.800 (+ R$ 6 mil)
  • Tan – de R$ 529.890 para R$ 536.800 (+ R$ 6.910)
  • Song Plus – de R$ 229.800 para R$ 239.800 (+ R$ 10 mil)

O Jornal do Carro também está no Instagram!

O Jornal do Carro está no Youtube

Inscreva-se
Ford Bronco Wildtrak é super jipe de 334 cv sem medo da lama

Newsletter Jornal do Carro

Complete seu cadastro para receber as últimas notícias do Jornal do Carro diretamente no seu e-mail.

Campo obrigatório
Tudo certo!

Seu cadastro foi enviado. Em breve você receberá as últimas notícias do Jornal do Carro diretamente no seu e-mail.