Carlos Ghosn é solto de novo após pagar fiança de R$ 17 milhões

Ex-executivo da aliança Renault-Nissan-Mitsubishi foi solto da cadeia novamente sob fiança, mas com permissões ainda mais restritas

ghosn
CARLOS GHOSN ENQUANTO ERA LIBERADO DO CENTRO DE DETENÇÃO Crédito: Kyodo News via AP

O ex-executivo da aliança Renault-Nissan-Mitsubishi, Carlos Ghosn, foi solto mais uma vez da cadeia no Japão. Ele responde a acusações de fraude por supostamente ter feito uso impróprio de valores da Nissan em seu benefício, ocultado valores de seus rendimentos e transferido perdas pessoais a companhia.

Dessa vez ele pagou uma fiança de US$ 4,5 milhões, cerca de R$ 17 milhões, e foi obrigado a não manter contato com sua esposa, Carole, sem permissão prévia. Da primeira vez que foi solto sob fiança, o valor foi de US$ 8,9 milhões, cerca de R$ 34 milhões na cotação da época.

Os promotores tentaram apelar contra a fiança e a liberação de Ghosn, mas o pedido foi rejeitado. Dessa vez ele estava preso desde o dia 4 de abril e agora deve aguardar em liberdade por seu julgamento.

A corte de Tóquio afirma que, além do restrito acesso a sua esposa, Ghosn terá movimentações e comunicações “restritas e monitoradas de perto”, para previnir que ele saia do país ou que suma com evidências.

Ghosn, em um vídeo pré-gravado antes de ser preso novamente, afirmou que era inocente e que era vítima de um complô do quadro de diretores da Nissan. Sem dizer nomes, ele acusou executivos de alto escalão da marca japonesa de terem “esfaqueado-o” pelas costas. Tudo, segundo Ghosn, para desestabilizar a possível fusão que ele programava entre Renault e Nissan, criando assim o maior grupo automotivo do mundo.

VÍDEO DA SEMANA:

PICAPES MAIS VENDIDAS DE MARÇO DE 2019:


Ofertas 0KM

Mais ofertas

Mais ofertas exclusivas

Veja todas as condições especiais


Notícias relacionadas