21/10/2012 - 4 minutos de leitura.

Carro do Leitor: Romi-Isetta é paixão de engenheiro

Engenheiro mantém impecável um exemplar 1959 do carrinho e já conseguiu até ‘tombá-lo’. O incidente ocorreu por causa de uma manobra brusca

Carro

Vai comprar um 0km? Nós te ajudamos a escolher.


BELISA FRANGIONE

Há muita discussão sobre qual foi o primeiro carro fabricado no Brasil. Uns dizem que foi o Volkswagen Fusca, outros, a Romi-Isetta. O que é consenso é que o pequenino, que foi produzido aqui no município paulista de Santa Bárbara D’Oeste, é o primeiro subcompacto nacional. Como o belo exemplar 1959 que pertence ao engenheiro João Carlos Bajesteiro.

(Confira a fan page do Jornal do Carro no Facebook: https://www.facebook.com/JornaldoCarro)

“Consegui tombar esse carro. Não como um patrimônio histórico, mas literalmente”, diz Bajesteiro. O incidente ocorreu por causa de uma manobra brusca.

O episódio é raro. Afinal, a Romi-Isetta tem apenas 350 quilos distribuídos em 2,25 metros de comprimento por 1,34 metro de largura e 1,32 metro de altura.

A alavanca do câmbio, manual de quatro marchas, está na lateral esquerda, onde fica a porta do motorista nos carros convencionais. Não há painel de instrumentos nem porta-malas. E, ao contrário do que alguns imaginam, há quatro rodas – as traseiras ficam bem próximas.

Também ‘compacta’ é a mecânica. O motor, quatro-tempos, tem um cilindro, gera 13 cv a 5.200 rpm e pode levar o carrinho a 85 km/h. Na cidade o modelo roda 25 km com um litro de gasolina, segundo a fabricante.

O engenheiro comprou este exemplar há 30 anos pensando em dar início a uma coleção. O caro foi, então, totalmente restaurado. “Ela até que estava conservada, mas resolvi desmontá-la e colocar peças de época.”

Antes disso, Bajestiero teve outras cinco. Destas, uma veio dos EUA e outra, da Alemanha. Em seu escritório, a paixão pela Romi-Isetta está materializada em mais de 50 miniaturas do modelo expostas em uma vitrine.

História – O protótipo da Romi-Isetta surgiu em 1952, na Itália, com uma só roda traseira. A ideia surgiu de Ermenegildo Preti e foi “abraçada” por Renzo Rivolta, diretor da Iso, fabricante de refrigeradores e motonetas. Um ano depois, o carrinho chegou às ruas do país com duas rodas no eixo traseiro.

A produção italiana foi encerrada em 1954. Mas a BMW se encarregou de ressuscitar o modelo na Alemanha.

Na mesma época, a fábrica de máquinas agrícolas Romi iniciou a produção no Brasil. A linha de montagem nacional parou em 1959.

Notícias relacionadas


Ofertas 0KM

Mais ofertas

Mais ofertas exclusivas

Veja todas as condições especiais