Entenda por que os SUVs vendem tanto

Os utilitários esportivos dominaram o mercado e se tornaram objeto de desejo global. SUVs acabaram dizimando segmentos como sedãs e hatches médios

suvs
Jeep Renegade é o SUV mais vendido do País até agosto desse ano Crédito: Foto: Rafael Arbex/Estadão

O mundo é dos utilitários esportivos e, por enquanto, não há o que se possa fazer. Os SUVs combinam a valentia de um 4X4 com o conforto de um carro de passeio e a versatilidade de uma perua ou minivan, com mais espaço interno. Por isso, caíram nas graças do público ao redor do mundo e hoje já vendem mais do que carros de passeio em vários mercados.

INSCREVA-SE NO CANAL DO JORNAL DO CARRO NO YOUTUBE

A dominação, no entanto, não foi do dia para a noite. O título de primeiro SUV é atribuído ao Jeep Cherokee original, de 1984, quando o conceito de jipe para o dia a dia ganhou forma e preços mais atraentes. Até então, modelos 4X4 mais confortáveis eram apenas de luxo como os Range Rover e o Grand Wagoneer, da própria Jeep. Caros, eles não cabiam nos bolsos de todos, até a chegada do Cherokee.

Sergio Castro/Estadão

Nas décadas seguintes, modelos mais acessíveis como o Ford Explorer, Chevrolet Blazer e vários outros pavimentaram o caminho e fizeram a popularidade dos SUVs subir ainda mais. O desejo por SUVs explodiu de vez com a chegada dos SUVs comapctos. No Brasil, o pioneiro foi o Ford EcoSport, lançado em 2003. O modelo ficou sozinho no mercado nacional até a chegada do Renault Duster em 2011.

Quando o primeiro EcoSport foi lançado no Brasil, as minivans eram as “queridinhas” do mercado. Renault, Citroën e Chevrolet vendiam quantidades respeitáveis de Scenic, Xsara Picasso e Zafira, respectivamente. Elas já vinham tomando o espaço, com menos voracidade, de sedãs e hatches. Mas o panorama foi mudando aos poucos, com o próprio EcoSport fazendo frente a esses modelos.

suvs
Sergio Castro/Estadão

Enquanto as minivans davam mais espaço interno e versatilidade do que sedãs e hatches, os SUVs adicionaram o componente que faltava, a valentia do conjunto. A maior altura do solo, e consequente posição de dirigir mais elevada, dá confiança para quem vai ao volante. O jeitão de “pau pra toda obra”, com pneus parrudos e alegada maior resistência também caiu como uma luva para despertar o desejo por um SUV. O assim como o status conferido por um carro supostamente maior foi o tiro de misericórdia.

A premissa de mais espaço interno, no entanto, nem sempre se confirma. Há muito SUV compacto mais apertado e com menor porta-malas do que um hatch médio de preço equivalente. Sem contar a dirigibilidade sensivelmente pior. Com centro de gravidade mais alto, um SUV dificilmente vai ter comportamento parecido com o de um hatch ou sedã, ou ainda de uma perua.

SUVs canibalizaram mercado

O problema foi que, com essa ascenção, o segmento roubou a clientela justamente dos tipos que carro que combinou. Peruas, minivans, sedãs e até hatches médios. Por aqui, onde as station wagons nunca foram campeãs de venda, os SUVs asfixiaram o mercado de modelos como VW SpaceFox, Renault Megane Grand Tour e Toyota Fielder. Hoje, nem mesmo as importadas conseguem fatia relevante no mercado. Seus preços se aproximam justamente dos SUVs de luxo, tidos como melhores e capazes.

suvs
Cláudio Teixeira/Estadão

As peruas, aliás, já vinham sendo trocadas pelas minivans, que também acabaram engolidas pelos SUVs. Por isso, não tivemos novas gerações de Chevrolet Zafira e Meriva e Renault Scenic. A Citroën bem que deu sequência ao segmento com duas gerações da C4 Picasso. Mas recentemente tirou o projeto da tomada e cancelou as importações do monovolume.

Mercado aquecido

No lugar de todos esses modelos, SUVs como Honda HR-V e os Jeep Compass viraram “queridinhos” do mercado nos últimos anos. Eles tiraram vendas de sedãs médios e praticamente acabaram também com os hatches médios.

suvs
Felipe Rau/Estadão

Até agosto desse ano, o SUV líder de mercado é o Renegade, com 44.024 unidades emplacadas. É mais do que o sedã médio mais vendido, o Toyota Corolla, que teve 36.640 unidades vendidas no mesmo período. O Corolla em si é um fenômeno, já que o segundo colocado entre os sedãs é o Honda Civic, com apenas 17.720 unidades emplacadas em 2019. Já os SUVs se “embolam” com vários modelos disputando o topo do ranking, com mais de 30 mil unidades emplacadas neste ano.

Os hatches médios, a despeito de todas as suas qualidades, também já vinham perdendo mercado há tempos. O único remanescente foi o Chevrolet Cruze hatch, que vendeu só 3.414 unidades em 2019. VW Golf, Ford Focus e Peugeot 308 saíram de cena nos últimos meses. Todos têm novas gerações pipocando em outros mercados, que não deverão ser lançadas por aqui.


Ofertas 0KM

Mais ofertas

Mais ofertas exclusivas

Veja todas as condições especiais


Notícias relacionadas