Mercado

Ford terá de se explicar sobre câmbio

Em investigação, Ministério Público pede que Ford responda questões sobre defeitos do câmbio Powershift

04 de jun, 2016 · 6 minutos de leitura.

Ford terá de se explicar sobre câmbio
Crédito:Em investigação, Ministério Público pede que Ford responda questões sobre defeitos do câmbio Powershift
A Ford oferece o câmbio automatizado Powershift nos modelos Fiesta, EcoSport e Focus

O Ministério Público de Minas Gerais enviou uma requisição para que a Ford responda a 88 questões sobre problemas relacionados ao câmbio automatizado Powershift, que equipa os modelos Fiesta, EcoSport e Focus.

A solicitação é parte de uma investigação instaurada pelo Procon (que, em Minas Gerais, é ligado ao Ministério Público), com o objetivo de apurar se a montadora de São Bernardo do Campo está colocando no mercado veículos defeituosos, se está pondo em risco a saúde e a segurança dos consumidores e se a empresa, por meio de sua rede autorizada, está efetivamente resolvendo os problemas ocorridos.

As perguntas foram elaboradas com base não somente em queixas feitas ao Procon-MG, mas também em depoimentos colhidos em audiência pública feita durante a investigação e em documentos que o órgão obteve junto a concessionárias da marca. Elas versam sobre aspectos técnicos da transmissão, a assistência das concessionárias aos consumidores afetados e a eventual extensão da garantia pela fábrica.

Entre outras questões, o órgão pergunta se a Ford reconhece a existência de vício de produto (defeito de fábrica recorrente), se os manuais dos veículos alertam os consumidores sobre o comportamento do câmbio e se os frequentes relatos de panes e travamentos súbitos não seriam suficientes para a convocação de um recall. A Ford tem até o dia 29 de junho para enviar as respostas.

O órgão de defesa do consumidor decidiu agir depois de ter recebido uma grande quantidade de reclamações de proprietários de veículos equipados com o câmbio Powershift. Os relatos descrevem sintomas como trepidação excessiva, patinação, demora na retomada da marcha, falta de resposta do carro e superaquecimento. As panes e travamentos inesperados chegam a colocar os consumidores em risco, em situações como ultrapassagens, trechos rodoviários ermos e mesmo cruzamentos urbanos.

Esses problemas já são velhos conhecidos de quem acompanha o Jornal do Carro. A coluna Defenda-se, que publica queixas contra montadoras, tem mostrado várias reclamações de leitores que passam por maus bocados com seus exemplares de Fiesta e EcoSport - entre 2014 e 2015, a coluna recebeu, em média, um novo relato nesse sentido a cada 23 dias. Isso motivou a publicação de uma matéria em 9 de dezembro de 2015.

À época, procurada pela nossa reportagem, a Ford emitiu uma nota dizendo que estenderia a garantia de fábrica, de três para cinco anos, dos conjuntos automatizados Powershift - mas apenas nos veículos que tivessem sido fabricados até agosto de 2013. Na investigação feita pelo Ministério Público, uma das perguntas questiona, inclusive, os critérios da marca para limitar esse benefício a apenas um grupo de unidades produzidas.

Chegou a se especular que a Ford estaria preparando um recall mais amplo para a correção dessas falhas, mas isso não se concretizou até hoje. Enquanto isso, novas queixas continuam chegando à coluna Defenda-se e, em alguns desses casos, panes e travamentos ocorrem mesmo após a substituição do kit de embreagem pela montadora.

Mesmo com todos esses percalços, porém, tudo indica que a Ford continuará renovando suas apostas no câmbio Powershift. A maior prova disso é que o novo motor Ecoboost 1.0 turbo de 125 cv, que equipará o hatch Fiesta dentro de algumas semanas, será oferecido ao público unicamente com a transmissão automatizada.


A Ford oferece o câmbio automatizado Powershift nos modelos Fiesta, EcoSport e Focus

O Ministério Público de Minas Gerais enviou uma requisição para que a Ford responda a 88 questões sobre problemas relacionados ao câmbio automatizado Powershift, que equipa os modelos Fiesta, EcoSport e Focus.

A solicitação é parte de uma investigação instaurada pelo Procon (que, em Minas Gerais, é ligado ao Ministério Público), com o objetivo de apurar se a montadora de São Bernardo do Campo está colocando no mercado veículos defeituosos, se está pondo em risco a saúde e a segurança dos consumidores e se a empresa, por meio de sua rede autorizada, está efetivamente resolvendo os problemas ocorridos.

As perguntas foram elaboradas com base não somente em queixas feitas ao Procon-MG, mas também em depoimentos colhidos em audiência pública feita durante a investigação e em documentos que o órgão obteve junto a concessionárias da marca. Elas versam sobre aspectos técnicos da transmissão, a assistência das concessionárias aos consumidores afetados e a eventual extensão da garantia pela fábrica.

Entre outras questões, o órgão pergunta se a Ford reconhece a existência de vício de produto (defeito de fábrica recorrente), se os manuais dos veículos alertam os consumidores sobre o comportamento do câmbio e se os frequentes relatos de panes e travamentos súbitos não seriam suficientes para a convocação de um recall. A Ford tem até o dia 29 de junho para enviar as respostas.

O órgão de defesa do consumidor decidiu agir depois de ter recebido uma grande quantidade de reclamações de proprietários de veículos equipados com o câmbio Powershift. Os relatos descrevem sintomas como trepidação excessiva, patinação, demora na retomada da marcha, falta de resposta do carro e superaquecimento. As panes e travamentos inesperados chegam a colocar os consumidores em risco, em situações como ultrapassagens, trechos rodoviários ermos e mesmo cruzamentos urbanos.

Esses problemas já são velhos conhecidos de quem acompanha o Jornal do Carro. A coluna Defenda-se, que publica queixas contra montadoras, tem mostrado várias reclamações de leitores que passam por maus bocados com seus exemplares de Fiesta e EcoSport - entre 2014 e 2015, a coluna recebeu, em média, um novo relato nesse sentido a cada 23 dias. Isso motivou a publicação de uma matéria em 9 de dezembro de 2015.

À época, procurada pela nossa reportagem, a Ford emitiu uma nota dizendo que estenderia a garantia de fábrica, de três para cinco anos, dos conjuntos automatizados Powershift - mas apenas nos veículos que tivessem sido fabricados até agosto de 2013. Na investigação feita pelo Ministério Público, uma das perguntas questiona, inclusive, os critérios da marca para limitar esse benefício a apenas um grupo de unidades produzidas.

Chegou a se especular que a Ford estaria preparando um recall mais amplo para a correção dessas falhas, mas isso não se concretizou até hoje. Enquanto isso, novas queixas continuam chegando à coluna Defenda-se e, em alguns desses casos, panes e travamentos ocorrem mesmo após a substituição do kit de embreagem pela montadora.

Mesmo com todos esses percalços, porém, tudo indica que a Ford continuará renovando suas apostas no câmbio Powershift. A maior prova disso é que o novo motor Ecoboost 1.0 turbo de 125 cv, que equipará o hatch Fiesta dentro de algumas semanas, será oferecido ao público unicamente com a transmissão automatizada.