Avaliação

Impressões: Novo Hyundai Creta tem bom fôlego com motor 1.0 turbo flex

Novo Creta adota motor 1.0 turbo do HB20 com 120 cv e 17,5 mkgf de torque, que é entregue cedo e rende agilidade ao SUV com câmbio automático

Vagner Aquino, especial para o Jornal do Carro

29 de ago, 2021 · 9 minutos de leitura.

ranking
Novo Hyundai Creta enfim adota o motor 1.0 turbo flexível de 120 cv da família HB20
Crédito:Vagner Aquino/Estadão

Foi em 2017 que a Hyundai resolveu apostar no segmento mais rentável do Brasil: o de SUVs. Para isso, readequou a fábrica de Piracicaba (SP) e passou a montar o Creta ao lado do HB20. O utilitário logo se tornou um sucesso e, já em 2018, foi o SUV compacto mais emplacado, superando Honda HR-V e Jeep Renegade, que, até então, eram os mais vendidos.

Agora, o Creta finalmente chega à segunda geração no Brasil, com algum atraso, como de costume, já que, na Ásia, o SUV é vendido nesta nova linha desde 2019. Mas, apesar de a Hyundai chamar de uma nova geração, o modelo mantém a plataforma utilizada desde 2017. A arquitetura é a mesma do sedã médio Elantra, e traz apenas aprimoramentos, tal como foi feito na renovação do HB20, também em 2019.

A base do Elantra garantiu, por exemplo, a oferta o motor 2.0 16V naturalmente aspirado, que continua em linha no novo Creta - e até ganhou uma reforma, entregando agora 167 cv. Por outro lado, o SUV compacto, em termos de acabamento e estilo, estava mais para um HB20. Ou seja, faltava um pouco mais de requinte a bordo.

Hyundai Creta
Vagner Aquino/Estadão

Agora, a proposta é outra, até porque o Creta subiu de nível - e de preços, com tabela de R$ 107 mil até R$ 147 mil. Por isso, a nova geração do SUV da marca sul-coreana aposta justamente na sofisticação, entregando lista de equipamentos de alta tecnologia, além de conteúdos modernos, como a multimídia de 10 polegadas conectada à internet e o serviço BlueLink.

Outro ponto importante no novo Creta é o visual exterior. O modelo mantém o estilo das versões asiáticas, com algumas exclusividades para o Brasil. O design é arrojado e tem forte personalidade. Os faróis - divididos em duas partes - e as lanternas traseiras, com quatro pontos de iluminação, são os destaques. Mas o design divide opiniões.

Na pista

Se o estilo pode ser de gosto duvidoso, a mecânica promete agradar. Ela traz o motor 1.0 turbo de três cilindros, que, enfim, chega ao Creta. Assim como no HB20, o propulsor gera 120 cv de potência. Para provar do que o SUV é capaz, a Hyundai convidou a imprensa para um primeiro test-drive em pista fechada, no interior de São Paulo. Sobre o asfalto cheio de curvas e subidas, dá para dizer que o utilitário foi bem.

Hyundai Creta
Vagner Aquino/Estadão

Embora estejamos falando de uma pista (ou seja, asfalto com boa qualidade), em termos de suspensão, o Creta se mostrou confortável. Nem macio demais, nem rústico. Como em todo SUV, por ser mais alto, a carroceria joga um pouco nas curvas. Mas está longe de transmitir insegurança. Nesse sentido, aliás, atuam os controles de estabilidade e de tração, para conter qualquer escapada.

Direção

A direção elétrica tem leveza na medida certa. Seu comportamento, aliás, pode ser modificado. Basta pressionar um botão no console que os modos Sport, Normal, Smart e Eco se encarregam de adequar as características "ao gosto do freguês". Mudam, assim, aceleração e ajustes do câmbio. Por falar nisso, a transmissão automática de seis velocidades (única opção, independente da motorização do Creta) fez um bom casamento com o motor 1.0 turbo. As trocas são suaves.

Entretanto, quando há abuso do acelerador, o giro sobe e o berro é alto. Afinal, como já deu para notar, esportividade não é a proposta do Creta, mesmo com o volante de base reta.

Creta
Hyundai/Divulgação

Com 17,5 mkgf de torque, o Creta entrega força total a breves 1.500 rpm. É esperto o suficiente para bater o antigo 1.6 - que, aliás, se mantém no modelo atual, ainda disponível na versão 2022 como opção de entrada por R$ 96.490. Ainda em desempenho, o motor enche rápido, graças aos méritos do downsizing. Por outro lado, o tricilíndrico é mais vibrante. Para complicar, o Creta sequer tem manta acústica na tampa do motor.

Dentre os equipamentos, destaque para o painel de instrumentos com tela digital de 7 polegadas. Nela, são exibidas imagens externas quando a seta é acionada. No mais, o novo Creta traz a central multimídia com tela de 10,25" (levemente voltada ao motorista), freio de estacionamento por botão, teto solar panorâmico elétrico (item inédito no SUV) e a ventilação para o banco do motorista. Pelo conjunto, a Hyundai pede R$ 135.490.

Hyundai Creta
Vagner Aquino/Estadão
Continua depois do anúncio

Degrau acima

Aos consumidores que ainda torcem o nariz para os motores menores, a Hyundai mantém o propulsor 2.0 flexível na gama, mas a versão deve ter apenas 10% da clientela. O aspirado equipa a versão topo de linha (Ultimate, de R$ 146.990) e foi recalibrado, gerando, agora, 1 cv a mais. No total, desenvolve 167 cv de potência.

De acordo com a engenharia da marca, são 8% a mais de economia quando comparado à versão anterior. O torque é farto (20,6 mkgf), mas entregue mais tarde - aos 4.700 giros. Isso embaralha o momento da retomada, com uma corrida contra o tempo para encaixar a melhor marcha. Isso, porque, durante o test-drive, estávamos com o carro vazio.

Em termos de desempenho, tem mais potência que os modelos topo de gama de outras marcas. Por exemplo, o T-Cross 1.4 turbo tem 150 cv e o Chevrolet Tracker 1.2 turbo gera até 132 cv quando bebe etanol. Por outro lado, é mais pesado, tem tecnologia antiga e bebe mais. Em comparação aos 1.0 e 1.2 turbo, o 2.0 aspirado do Creta é 30 km mais pesado.

Novo Hyundai Creta
Hyundai/Divulgação

Sem contar que, de acordo com a marca, são 190 km/h de velocidade máxima e 0 a 100 km/h feito em 9,3 segundos. Ou seja, pouca vantagem frente ao 1.0 turbo, que chega aos 180 km/h e vai de zero a 100 km/h em 11,5 segundos.

Mais equipada, a versão topo de linha do Creta tem como atrativo os sistemas de frenagem autônoma e de permanência e correção em faixa. No mais, controle de cruzeiro adaptativo, faróis (em LEDs) adaptativos, detector de fadiga e sensor de obstáculos dianteiro fazem parte do pacote. Em relação à estética, destaque para as rodas de liga leve com 18" (17" no Platinum 1.0 turbo) e, da porta para dentro, o acabamento bicolor.

O Jornal do Carro está no Youtube

Inscreva-se

Prós

  • Agilidade do motor turbo
  • Vasta lista de equipamentos
  • Espaço maior que a geração anterior

Contras

  • Porta-malas perdeu 9 litros em relação ao antigo
  • Acabamento é bom, mas tem grande porcentagem de plástico
  • Direção semiautônoma só na versão 2.0

Ficha Técnica

Hyundai Creta Platinum 1.0 turbo flex

Motor

1.0 litro, 3 cilindros, turbo, Flex

Potência

120 (g/e) a 6.000 rpm

Torque

17,5 (g/e) a 1.500 rpm

Câmbio

Automático com 6 marchas

Comprimento

4,30 m

Largura

1,79 m

Altura

1,64 m

Entre-eixos

2,61 m

Porta-malas

422 litros

Peso (ordem de marcha)

1.270 kg

Aceleração 0-100 km/h

11,5 segundos

Velocidade máxima

180 km/h

Preço

R$ 135.490