26/07/2014 - 8 minutos de leitura.

Marcas devem conter produção, diz Ford

Vendas de veículos novos no Brasil mostram queda de 8,5% no acumulado do ano

Carro

Vai comprar um 0km? Nós te ajudamos a escolher.


No primeiro semestre, as vendas de veículos novos no Brasil caíram 7,6%

As montadoras de veículos instaladas no Brasil devem continuar promovendo ajustes para conter produção, pressionadas por estoques elevados e vendas ainda apontando para baixo, afirmou um executivo de alto escalão da Ford. Segundo o vice-presidente de assuntos corporativos da Ford para a América do Sul, Rogélio Golfarb, as vendas de veículos novos no Brasil em julho até a última quinta-feira mostram queda de 14,7% sobre o mesmo período do ano passado, mesmo após o governo ter adiado para o fim do ano aumento da carga tributária do setor. Com isso, no acumulado de janeiro até quinta-feira, as vendas de veículos novos no Brasil mostram queda de 8,5% sobre o mesmo período de 2013.

++ Siga o Jornal do Carro no Facebook

++ Roubo de veículos cresce no último trimestre

++ Fiat Palio é o carro mais vendido de junho

++ Saiba o preço do novo Ford Ka

“Até o momento, não há uma clara indicação de retomada, a média diária está em 12.300 a 12.500”, afirmou o executivo após evento em que exibiu a nova versão do compacto Ka que pode ser equipada com sistema de pedido de socorro aos ocupantes, em caso de acidente com o veículo. Em maio, por exemplo, a média de vendas por dia útil foi de cerca de 13,7 mil veículos.

No primeiro semestre, as vendas de veículos novos no Brasil caíram 7,6%, enquanto a produção recuou 17%. Apenas no segundo trimestre, as vendas tombaram 12% sobre um ano antes e a produção desabou 24%. Apesar da forte queda na produção, gerada por férias coletivas, turnos de trabalho menores e suspensão de contratos de trabalhadores, a indústria terminou junho com estoque praticamente estável sobre maio, a 395,4 mil unidades. Na avaliação de Golfarb, é justamente o estoque ainda elevado após o ajuste de produção do setor que preocupa. “Apesar das medidas de ajuste de produção, não se conseguiu baixar os estoques (…) O grande desafio é esse ritmo de vendas com uma indústria muito estocada, incluindo distribuidores”, afirmou o executivo.

A associação que representa as montadoras, Anfavea, já havia informado no início deste mês, quando cortou suas previsões para o restante do ano, que esperava ver certa recuperação nas vendas do segundo semestre em relação à fraca primeira metade de 2014, mas que os licenciamentos do período ficariam abaixo de um ano antes. Golfarb concorda com a tese, citando como motivo para algum otimismo nos próximos meses a tendência sazonal de vendas maiores que nos primeiros seis meses de cada ano, além do fim dos “feriados” gerados pelos jogos da Copa do Mundo no país.

O executivo comentou ainda que a decisão do Banco Central de alterar regras do recolhimento compulsório sobre recursos a prazo e à vista, anunciada nesta sexta-feira, é positiva para o setor, porém é cedo para estimar o real impacto na oferta de crédito para a compra de veículos. Sobre a Argentina, principal mercado para os veículos produzidos no Brasil, o executivo afirmou que as exportações melhoraram após a negociação do acordo automotivo entre os dois países, em junho. Porém, o mercado interno argentino segue deprimido, acumulando queda de 33% no primeiro semestre sobre um ano antes, disse Golfarb.

Novo Ka. Falando sobre a Ford, o executivo avalia que o início das vendas do novo Ka no Brasil, em setembro, deve ajudar o desempenho da companhia no país, com ganho de participação de mercado para a empresa. Até junho, a fatia da Ford no segmento de carros e comerciais leves era de 9,04%, segundo dados da associação de concessionários, Fenabrave. “Vai ser um reforço para nossas vendas”, afirmou o executivo referindo-se ao novo Ka.

Para enfrentar o cenário de queda das vendas da indústria, a montadora tem promovido “promoções agressivas” em toda a linha de veículos, disse ele, acrescentando que a Ford, até o momento, não está negociando suspensão de contratos de trabalho com sindicatos. Na véspera, o sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, afirmou que a General Motors comunicou a entidade de intenção de suspender contratos de 1.000 dos cerca de 5.200 trabalhadores da fábrica da companhia na cidade do interior paulista.

Notícias relacionadas


Ofertas 0KM

Mais ofertas

Mais ofertas exclusivas

Veja todas as condições especiais