Por que os carros dão choque no inverno

Levar choque no veículo é comum em época de tempo seco. Saiba como evitar o desconforto


Usar roupas de tecido sintético favorece a ocorrência de choques

Quem nunca se surpreendeu ao levar um choque ao abrir ou fechar a porta do carro? O fenômeno, um efeito da eletricidade estática, é especialmente comum nesta época do ano e, apesar de incômodo, não oferece riscos.

Engana-se quem pensa que o problema tenha a ver com a parte elétrica do veículo. De acordo com o físico Mauro Andreassa, membro da Sociedade de Engenheiros da Mobilidade (SAE Brasil), uma das causas é o atrito do corpo dos passageiros com o estofamento.

“Quando a roupa do motorista entra em atrito com o banco, esse movimento provoca a perda ou o ganho de elétrons (partículas de energia de carga negativa), o que nós chamamos de eletricidade estática”, explica o físico. “Se ele sai do carro e encosta em uma superfície neutra, opera-se um fluxo de cargas elétricas e o choque é sentido.”

A descarga pode atingir valores de até 3 mil Volts, mas, segundo Andreassa, não faz mal à saúde. “A tensão é alta, mas a corrente é baixa. Portanto, gera apenas um desconforto.”

É senso comum acreditar que a maior incidência de choques no carro ocorre no inverno por causa do tempo frio. Porém, na verdade o fenômeno está relacionado à baixa umidade. Isso explica por que os choques se tornaram mais frequentes nas últimas semanas, que foram mais secas.

“Nessas condições, os elétrons ficam mais concentrados, o que permite que sejam descarregados de forma súbita”, diz o físico.

Por essa mesma razão, o uso de ar-condicionado pode aumentar a possibilidade de choques, já que o ar da cabine do veículo fica ainda mais seco.

Variações. Nem todo mundo é suscetível à eletricidade estática da mesma maneira. A composição corporal, em especial o teor de água no organismo, pode influir no fenômeno. Os tipos de roupa e calçado que são usados também fazem diferença.

“Materiais sintéticos nas roupas e sapatos isolantes, com sola de borracha, podem potencializar o fenômeno. Por outro lado, os tecidos naturais não acumulam cargas eletrostáticas”, conta Andreassa.

O presidente da Associação de Engenharia Automotiva (AEA), Edson Orikassa, acrescenta que os bancos de couro são menos propensos a provocar eletricidade estática. “O atrito é maior nos bancos de tecido”, diz. Leia abaixo algumas dicas que podem ajudar a diminuir a ocorrência desses choques.

DICAS

NA CABINE

Alguns minutos antes de chegar a seu destino, desligue o ar-condicionado e abra os vidros. Com isso, o ar ficará menos seco, amenizando a possibilidade de choques.

NO CORPO

Prefira roupas feitas com tecidos naturais, como algodão, que não acumulam cargas eletrostáticas. Evite as feitas com fibras sintéticas, como poliéster, acrílico e viscose, cujo atrito gera mais energia.

TÉCNICA

Ao abrir a porta, coloque a maior área possível da palma da mão em contato com a superfície. Se houver transferência de eletricidade, o incômodo será menor do que se fossem usados só os dedos.

Ofertas exclusivas

Veja todas as condições especiais


Ofertas 0KM

Mais ofertas

Mais ofertas exclusivas

Veja todas as condições especiais


Notícias relacionadas