Você está lendo...
Projeto de lei prevê bafômetro obrigatório para dar partida no motor
Notícias

Projeto de lei prevê bafômetro obrigatório para dar partida no motor

De acordo com o PL 1437/2020, do deputado federal Bosco Costa (PL-SE), instalação do bafômetro visa evitar acidentes causados por embriaguez ao volante; frota nacional seria equipada gradualmente

Vagner Aquino

14 de out, 2020 · 4 minutos de leitura.

Detran-SP
Busca por empresas credenciadas pode ser feita no aplicativo do Poupatempo Digital
Crédito:Epitácio Pessoa/Estadão

O Projeto de Lei 1437/20, de autoria do deputado federal Bosco Costa (PL-SE), objetiva tornar obrigatória a instalação de bafômetro em todos os veículos vendidos no Brasil. A medida, que altera a Lei nº 9.503, de 1997, do Código de Trânsito Brasileiro (CTB), vincula o aparelho ao sistema de ignição do veículo. Isso impossibilita a partida do motor caso o motorista esteja embriagado.

O dispositivo, sensível ao consumo de bebida alcoólica, funciona a partir da respiração do condutor. Isso já é visto em países como França, por exemplo. Segundo o texto, que segue em tramitação na Câmara dos Deputados, o Conselho Nacional de Trânsito (Contran) ficaria responsável por regulamentar a medida, que deverá ser implantada progressivamente.

Quando chega o bafômetro individual?

A ideia do PL é, primeiramente, obrigar novos projetos de carros zero quilômetro a saírem de fábrica com o dispositivo. Depois de quatro a cinco anos, seria obrigatória a instalação em toda a frota que circula no País.


Hoje, o mercado oferece equipamentos semelhantes. O sistema já é adotado, inclusive, por empresas de transportes no Brasil. O objetivo é controlar as condições dos motoristas.

Vale lembrar que dirigir embriagado é infração gravíssima. De acordo com o artigo 165 do CTB, quem dirigir sob influência de álcool (ou de outras substâncias com efeito psicoativo) leva multa de R$ 2.934,70. Na infração está previsto o fator multiplicador 10. Além disso, rende sete pontos no prontuário do motorista e suspensão do direito de dirigir por 12 meses. Após o prazo, é necessário passar pelo Curso de Reciclagem.

?Continuamos a ver, diariamente, a morte de inúmeras pessoas em decorrência de motoristas que dirigem embriagados. A proposta deve ser encarada como instrumento de preservação de vidas?, afirmou Costa.


E você, concorda com o deputado ou acredita que esta é apenas mais uma lei que cairá por terra? Um exemplo forte disso foi a obrigatoriedade do kit de primeiros socorros, no fim da década de 1990. Por um lado, o PL 1437/20 é eficaz, mas nada foi especificado. No texto, não há detalhamento sobre tecnologias e, principalmente, como evitar fraudes. A polêmica está lançada.

O Jornal do Carro está no Youtube

Inscreva-se

Deixe sua opinião