Avaliação

R8 muda e fica mais ‘na mão’

Superesportivo da Audi ganha reestilização, potência e ajustes para melhorar a estabilidade; R8 agora tem 620 cv extraídos de V10 aspirado

Rafaela Borges, de Ronda, Espanha

22 de nov, 2018 · 6 minutos de leitura.

r8" >
Audi R8 passou por mudanças discretas no visual
Crédito:Foto: Audi/Divulgação
r8

A segunda geração do Audi R8 passou por boas mudanças. A versão renovada, que chega ao Brasil em 2019 (ainda sem preço definido) traz reestilização e algumas alterações mecânicas.

O motor da versão a ser vendida no Brasil, a de topo, chamada agora de Performance, ganhou 10 cv e 2 mkgf. Agora, o 5.2 V10 aspirado gera 620 cv e 59,3 mkgf. O câmbio automatizado de sete marchas e duas embreagens não mudou. A tração é nas quatro rodas.

De acordo com informações da Audi, o R8 vai de 0 a 100 km/h em 3,1 segundos na versão que foi avaliada no Ascari Race Resort, no sul da Espanha, a cupê. Há também a configuração conversível.

Os 10 cv não fizeram uma diferença sensível nas acelerações e retomadas do carro. Ele é muito rápido, e o motor V10 grita alto quando o motorista pisa fundo no pedal do acelerador. O R8 recebeu uma nova saída de escape oval, que amplifica ainda mais a “melodia”.

No entanto, outras mudanças deixaram o R8 muito mais na mão do motorista. A direção dinâmica, com assistência elétrica, tem respostas bem mais diretas que a do modelo anterior.

Isso ajuda a deixar o carro mais equilibrado nas entradas e saídas de curva, nas quais ele se mantém grudado no chão e traciona com extrema velocidade. Além disso, o R8 traz um novo sistema eletrônico de estabilidade.

Esse ESP ajuda a manter a trajetória das rodas de uma maneira mais discreta que o do modelo anterior. O motorista mal percebe a atuação do sistema.

Além disso, contribuiu para redução na distância de frenagem em 1,5 metro até a imobilidade, quando o carro está a 100 km/h. De 200 km/h a zero, a distância foi reduzida em 5 metros.

Os freios têm discos ventilados de carbono cerâmica nas quatro rodas, maior e mais leve (11 kg) que o do modelo anterior. Isso também contribui para redução na distância de frenagem.

O R8 ganhou ainda três novos modos de adaptação de seus componentes (câmbio, suspensão, etc), definidos conforme as condições climáticas. Há preparação para piso seco, molhado e para neve.

VISUAL

A grade do radiador tem um novo formato e ficou mais larga, dando um aspecto ainda mais esportivo ao carro. Além disso, os faróis a laser ficaram mais finos.

Na lateral, a Audi aplicou novas saias laterais ao R8, passando a impressão de que o carro ficou mais baixo.

Atrás, há também grandes entradas para o motor central traseiro, que são novas. Por dentro, couro de altíssima qualidade, alumínio e muita fibra de carbono, material também usado em abundância na carroceria do carro.

Os bancos esportivos oferecem ótimo suporte lateral para o corpo, deixando os dois ocupantes bastante seguros em curvas. Porém, a posição de guiar poderia ser um pouco mais inclinada. Além disso, só há ajuste de altura e profundidade. O encosto tem posição fixa, o que dificulta a missão de encontrar a posição ideal de guiar.

O painel é virtual e totalmente configurável. Quando o motorista opta por deixar o quadro com os instrumentos tradicionais, é o conta-giros que fica no meio.

Continua depois do anúncio

PRÓS
Segurança
R8 ficou mais fácil de dirigir com as mudanças nos sistemas de direção, estabilidade e freios.

CONTRAS
Posição de guiar
Poderia ser mais inclinada, para ressaltar a esportividade. Além disso, não há ajuste para posição do encosto.

FICHA TÉCNICA

Motor – 5.2, V10, 40V, aspirado
Potência – 620 cv a 7.900 rpm
Torque – 59,3 mkgf a 6.500 rpm
Câmbio – Automatizado, 7 marchas
Tração – integral
0 a 100 km/h – 3,1 segundos
Velocidade máxima – 329 km/h
Peso – 1.587 kg

Fonte: Audi