Renault pode fechar as portas se não receber ajuda do governo francês

Governo irá emprestar R$ 30 bilhões à Renault para auxiliar reestruturação após a pandemia e manter empregos na França

renault
Renault Espace pode sair de linha Crédito: Renault/Divulgação

A crise causada pela pandemia do novo coronavírus vem afetando diversas montadoras ao redor do mundo. Entre elas, a Renault enfrenta sérios problemas na França e poderia quebrar e encerrar suas atividades se não tiver ajuda para se reestruturar após a crise. Até uma reestatização da empresa chegou a ser cogitada.

Inscreva-se no canal do Jornal do Carro no YouTube

Veja vídeos de testes de carros e motos, lançamentos, panoramas, análises, entrevistas e o que acontece no mundo automotivo em outros países!

Inscrever-se

A afirmativa é do próprio Ministro de Finanças da França, Bruno Le Maire, em entrevista à rádio Europe 1. O ministro afirmou que a Renault deve evitar o fechamento de fábricas e salvar o maior número de empregos na França. “Sim, a Renault poderia desaparecer”, declarou Le Maire.

A Renault deve apresentar um plano de corte de custos para economizar até 2 bilhões de euros (R$ 12 bilhões) nos próximos dois anos. A crise fez a marca vender 36% a menos apenas entre janeiro e março na Europa. Os lucros caíram 19%.

Renault tem plano de contenção

Entre as medidas para conter gastos, a Renault considera fechar fábricas de componentes, bem como encerrar a produção de modelos de menor volume. Carros como a minivan Espace e o sedã médio-grande Talisman podem sair de linha, ao menos temporariamente. O esportivo Alpine também pode ser descontinuado.

A Renault deve receber um empréstimo de 5 bilhões de euros (R$ 30 bilhões) da União Europeia. O valor já foi aprovado, mas o governo francês ainda irá sancionar o empréstimo.

O governo, no entanto, pedirá algumas garantias para conceder as ajudas financeiras. O ministro disse ainda que poderá exigir que as montadoras invistam em carros elétricos, melhores condições de trabalho para empregados terceirizados e que montem seus centros tecnológicos na França.

Procurada, a Renault brasileira não quis comentar as declarações do ministro francês.

Ofertas exclusivas

Veja todas as condições especiais

Notícias relacionadas


Ofertas 0KM

Mais ofertas

Mais ofertas exclusivas

Veja todas as condições especiais