Sandero 2020 encara Onix e HB20 em versões de topo

Variantes mais caras custam cerca de R$ 66 mil e vêm recheadas de itens de série. Sandero muda antes de novas gerações de Onix e HB20 chegarem

sandero
Sandero mudou de visual e ganhou mais equipamentos em linha 2020 Crédito: Foto: Felipe Rau/Estadão

No apagar das luzes das atuais gerações de HB20 e Onix, a Renault apresentou mais uma mudança para a linha 2020 do Sandero. O modelo ganhou mais equipamentos e mudanças no visual para se manter competitivo. No comparativo entre as versões mais caras dos três hatches, o Sandero melhorou, mas ainda não conseguiu superar o Hyundai HB20. Já o Onix não disfarça mais o peso da idade e, apesar de ter um conjunto equilibrado, fica aquém dos rivais.

INSCREVA-SE NO CANAL DO JORNAL DO CARRO NO YOUTUBE

Mesmo mais barato e mais espaçoso, o Sandero ainda fica atrás em quesitos relacionados à dirigibilidade e acabamento. O HB20 leva a melhor por ser mais gostoso de guiar, ter revisões mais baratas e ser mais confortável que os rivais.

3º – Chevrolet Onix LTZ

Veterano entre os compactos, o Onix consegue justificar ser um fenômeno nas vendas nas versões mais baratas. A LTZ, a R$ 66.290 com câmbio automático, tem mais dificuldades em fazer valer o preço cobrado. A versão de topo tem itens importantes como central multimídia, câmera de ré e um visual mais “arrumadinho” do que as versões mais simples. Mas deve equipamentos presentes nos rivais como air bags laterais (Sandero e HB20) e o ESP que equipa o Sandero Intense CVT. A pá de cal foi ele ainda ser mais caro do que o Renault.

Além disso, o 1.4 é o mais fraco do trio, com só 106 cv. O câmbio de seis marchas é bom, com trocas suaves, mas fica rendido à força limitada do motor. O Onix não é lento, mas pede pé embaixo para entregar alguma agilidade. O propulsor ainda é ruidoso em rotações mais altas, justamente na faixa onde entrega melhor desempenho.

A ergonomia também merece melhorias, principalmente na posição de dirigir. O ajuste de altura do banco movimenta apenas o assento e não ajuda muito a encontrar a melhor posição. E mesmo no ponto mais baixo, o assento ainda é muito elevado, o que pode trazer problemas para motoristas com mais de 1,80 metro de altura.

2º – Renault Sandero Intense

As melhorias fizeram bem ao Sandero, que ficou mais equipado e ganhou um câmbio muito superior ao antiquado automatizado de embreagem simples. O Sandero tem air bags laterais e ESP de série nas versões automáticas, central multimídia mais moderna e um visual mais alinhado aos Renault europeus. Se a vitória fosse baseada apenas na lista de itens de série, o hatch feito em São José dos Pinhais (PR) ganharia sem dificuldades só pelos itens de segurança.

No entanto, embora melhor que antes, o Sandero mantém a placidez conhecida. A suspensão macia desencoraja qualquer condução mais animada, até mais que o Onix, e o CVT arremata um conjunto coeso, mas pra lá de sem sal. A nova transmissão cumpre a função, e o hatch é até ágil. Na cidade, o tom murmurante do CVT é menos perceptível, mas basta acelerar mais numa via de maior velocidade para as rotações subirem de forma constante, e sem emoção. Ainda é possível simular seis marchas pelo modo manual da transmissão, mas o recurso não agita muito a vida a bordo do Sandero.

Ao menos, o Sandero de topo é o mais barato do trio, a R$ 65.490.

1º – Hyundai HB20 Premium

Mesmo com seis anos de mercado, o HB20 1.6 consegue continuar sendo um carro cativante. O hatch levou a melhor no comparativo basicamente por ser o melhor de guiar e o mais barato de manter. A diferença poderia ter sido maior se ele não fosse tão caro, a R$ 68.990.

Mas o hatch feito em Piracicaba (SP) compensa ao ser mais confortável, melhor acabado e bem mais gostoso de guiar do que os rivais. O 1.6 de 128 cv quase sobra no pequeno hatch. O câmbio automático de seis marchas é dos melhores e está sempre disposto a atender aos anseios do pé direito do motorista.

O tamanho, porém, é um dos poucos calcanhares de Aquiles do HB20. O HB20 é baixo e o entre-eixos curto não ajuda muito na hora de levar passageiros. O porta-malas, ao menos, consegue ser maior do que o do Onix e leva 300 litros.

Opinião

A hora da virada

Onix e HB20 estão prestes a ganhar novas gerações, bem mais modernas e superiores às atuais. Por isso, esta provavelmente é a última vez que esses modelos se juntarão nas formas atuais, já que os dois campeões de venda irão mudar completamente. Podemos esperar motores turbinados, interiores mais elaborados e mais tecnologia para “as massas”. Isso, no entanto, não desmerece a importância de Onix e HB20 no mercado brasileiro. Eles quebraram a hegemonia de décadas dividida por Volkswagen e Fiat e fizeram todas as fabricantes se mexerem. Resta saber se a evolução ficará à altura.

Ficha técnica

Hyundai HB20 Premium
Preço: R$ 68.990
Motor: 1.6, 4 cil., 16V, flexível
Potência (cv): 128 a 6.000 rpm
Torque (mkgf): 16,5 a 5.000 rpm
Câmbio: Automático, 6 marchas
Comprimento: 3,92 metros
Entre-eixos: 2,50 metros
Porta-malas: 300 litros

Chevrolet Onix LTZ
Preço: R$ 66.290
Motor: 1.4, 4 cil., 8V, flexível
Potência (cv): 106 a 6.000 rpm
Torque (mkgf): 13,9 a 4.800 rpm
Câmbio: Automático, 6 marchas
Comprimento: 3,93 metros
Entre-eixos: 2,52 metros
Porta-malas: 280 litros

Renault Sandero Intense:
Preço: R$ 65.490
Motor: 1.6, 4 cil., 16V, flexível
Potência (cv): 118 a 5.500 rpm
Torque (mkgf): 16 mkgf a 4.000 rpm
Câmbio: Automático, CVT
Comprimento: 4,07 metros
Entre-eixos: 2,59 metros
Porta-malas: 320 litros

O que eles oferecem:
HB20
Central multimídia: Série
ESP: Não disponível
Bancos de couro: Série

Sandero
Central multimídia: Série
ESP: Série
Bancos de couro: Não disponível

Onix
Central multimídia: Série
ESP: Não disponível
Bancos de couro: Não disponível

Revisões:

HB20
10.000 km: R$ 227,18
20.000 km: R$ 485,37
30.000 km: R$ 472,62

Onix
10.000 km: R$ 256
20.000 km: R$ 512
30.000 km: R$ 672

Sandero
10.000 km: R$ 459
20.000 km: R$ 459
30.000 km: R$ 459

 

 


Ofertas 0KM

Mais ofertas

Mais ofertas exclusivas

Veja todas as condições especiais


Notícias relacionadas