Você está lendo...
Seguro de carro no Rio pode custar até 150% mais do que em São Paulo
Notícias

Seguro de carro no Rio pode custar até 150% mais do que em São Paulo

Levantamento mostra que o seguro de um Jeep Compass custa em média 8.594 no Rio, ou 2,5 vezes mais do que os R$ 3.445 verificados em São Paulo

Hairton Ponciano Voz

02 de set, 2019 · 7 minutos de leitura.

Publicidade

Jeep Compass
O mesmo Jeep Compass que tem preço de seguro na faixa de R$ 3.500 em São Paulo pode ter a cotação elevada para R$ 8.594 no Rio
Crédito:Jeep/Divulgação

O preço de seguro de automóveis no Rio de Janeiro pode custar até 150% a mais do que em São Paulo. É o que revela a pesquisa feita pela Bidu, plataforma online de comparação e venda de seguros. Com base em pesquisa feita com diversas seguradoras, a empresa verificou que há grandes distorções de preços cobrados nas duas capitais. A diferença está relacionada à violência urbana. O levantamento foi feito com as seguradoras Allianz, Azul, Bradesco Seguros, HDI, Porto Seguro e Tokio Marine.

Um dos exemplos que mais chamam atenção é o do Jeep Compass. Na média, enquanto em São Paulo o prêmio de seguro para o modelo custa R$ 3.445, no Rio de Janeiro o preço salta para R$ 8.594. A diferença é 150%.

INSCREVA-SE NO CANAL DO JORNAL DO CARRO NO YOUTUBE

Publicidade


+ Tecnologia não deve reduzir preço de seguro

Na pesquisa da Bidu, feita em agosto, o modelo da Jeep é o que aponta a maior diferença entre as duas capitais. A discrepância de valores, porém, aparece também em outros automóveis estudados.


Pesquisa compara dez modelos

A pesquisa mensal da empresa compara os preços dos dez veículos mais vendidos do País. No caso do Toyota Corolla, o seguro contratado na capital fluminense é o dobro do cobrado na capital paulista. De acordo com o estudo, no Rio de Janeiro o preço cobrado pelo seguro do Corolla seria de R$ 6.283. Em São Paulo, o custo ficaria em R$ 3.136.

Diferença de preço de seguro é alta em todos os modelos

Em maior ou menor proporção, o estudo mostra diferença em todos os dez modelos. No caso do Ford Ka, o preço ficou em R$ 2.536 no Rio e R$ 1.597 em São Paulo, discrepância de 59%.


A empresa informa que utilizou os preços das versões de entrada de cada modelo. Além disso, definiu um perfil padrão para o segurado fictício. O estudo é feito com homens e mulheres de 35 anos, casados, sem filhos, com garagem em casa e no trabalho. E que estão contratando o seguro pela primeira vez.

A Bidu reforça, no entanto, que diversos fatores influenciam no cálculo do prêmio a ser pago. A empresa informa que uma simples alteração no CEP do segurado pode representar "alteração sensível" no preço do seguro.


Mulher carioca também paga mais que a paulista

O estudo da Bidu constata também que na média mulheres pagam menos do que homens tanto em São Paulo como no Rio. Porém, da mesma forma como no sexo masculino, o preço é mais alto para mulheres no Rio do que na capital paulista.

Tomando-se como exemplo o Hyundai HB20, no Rio uma mulher paga na média R$ 3.023. Em São Paulo, o preço seria de R$ 1.862 para uma pessoa do sexo feminino. A divergência é de 62%.

Menor diferença é a do Gol

Dos dez modelos pesquisados pela Bidu, o que apresenta a menor diferença entre os preços de seguro nas duas capitais é o Volkswagen Gol (29%). Mas isso deve-se ao fato de que, historicamente, o modelo da Volkswagen tem seguro acima da média em São Paulo. Mesmo assim, enquanto na capital bandeirante o modelo tem preço médio de R$ 2.691 para homens, no Rio ele custa R$ 3.485.


Carioca vende carro por causa do seguro

No início deste ano, o assistente editorial Renan Castro decidiu vender seu Citroën C3 1.4 2013. E, entre os motivos que o levaram a se desfazer do carro, o preço do seguro "foi preponderante". Ele diz que pagava cerca de R$ 3 mil por ano de seguro, preço muito alto para o carro. Castro diz que o modelo estava cotado em cerca de R$ 20 mil, e que acabou fechando negócio por R$ 15 mil.

Castro diz que o local onde mora, Inhaúma, na zona norte da cidade, certamente foi um fator responsável pela alta na cotação do seguro. Assim, como ele usava o veículo mais nos fins de semana, decidiu que não compensava mantê-lo. "Eu gostava do carro, mas era um luxo."


O casal de psicólogos carioca Mariana Uchôa e Gustavo Francisco pagou R$ 6.640 no seguro do Honda Fit 2014 da família. Na média, o valor equivale a quase 20% do preço do carro. Na versão DX com câmbio manual, ele está avaliado em cerca de R$ 35 mil.

Além de São Paulo e Rio, a pesquisa da Bidu é feita também em outras capitais, como Brasília, Porto Alegre e Fortaleza.

Deixe sua opinião