Ford Mustang 1973 conquistou o seu dono com o tempo

O empresário Marcos Rabinovich só tinha olhos para os Ford Mustang da década de 60. Porém, Mach 1 conseguiu fazê-lo mudar de ideia

Ford Mustang 1973
O Mustang 1973 do colecionador Marcos Rabinovich tem direção hidráulica, ar-condicionado, vidros elétricos e freios a disco. Foto: Tiago Queiroz/Estadão

Se as paixões surgem de forma arrebatadora, o amor precisa de tempo. E a relação mais duradoura pode se concretizar com alguém que estava completamente fora do radar. O empresário Marcos Rabinovich sonhava com um Ford Mustang da década de 1960. No entanto, descobriu a felicidade a bordo de um exemplar da versão Mach 1 fabricado em 1973.

“Minha ideia era comprar um modelo ‘hard top’ (teto rígido) da primeira geração, mas estava caro demais. Este aqui não era o carro que eu queria”, conta. “Mas meu amigo conhecia o vendedor, e o cara aceitou um Volkswagen SP2 e um Puma conversível que eu queria vender na troca.”

INSCREVA-SE NO CANAL DO JORNAL DO CARRO NO YOUTUBE

Depois de passar pelas mãos de dois proprietários, o Ford ficou sujo no canto de uma garagem por 25 anos, suspenso em um cavalete. Com borrachas ressecadas e portas que não abriam, não estava exatamente pronto para seduzir. Mas Rabinovich resolveu dar uma chance a ele e fechou negócio.

“Fui cuidando, embelezando e, aos poucos, o Mustang ganhou um dono. Hoje, só de dar a partida, já sei se ele tem algum problema. A gente começa a ficar íntimo do carro”, diz.

Com o tempo, ele viu que o Ford de 1973 tinha predicados que ele não levava em conta até então. E deixou de procurar um exemplar da década anterior.

Cheio de equipamentos

“Os exemplares dos anos 60 são pobres. Não têm ar-condicionado, direção hidráulica ou vidros elétricos e os freios são a tambor nas quatro rodas. O meu tem todos esses itens de conforto e uma suspensão macia como a de um Galaxie”, ele explica.

“Eu não prestava atenção aos detalhes, motorização, nada. Pensava ‘Mustang é Mustang’, queria aquele modelo clássico e pronto. Hoje, já tenho uma noção diferente. Gosto tanto do meu carro que, se aparecer um mais antigo, vou pensar duas vezes antes de comprar.”

Semanalmente, Rabinovich põe para funcionar o V8 de 5,7 litros, em trajetos por Perdizes, na zona oeste paulistana. Trata-se de um dos derradeiros “motorzões” de sua época. “Com a crise do petróleo, em 1973, a Ford passou a usar propulsores menores e mais econômicos, com quatro ou seis cilindros”, comenta o colecionador.

Além de bater cartão nos encontros mensais de antigos na Estação da Luz, no centro da cidade, o esportivo é figurinha fácil nos eventos do Mustang Clube de São Paulo, onde exerce um papel importante. “Quando precisam compor uma apresentação com todas as fases do modelo, meu carro é sempre requisitado, porque é o único dessa safra por aqui”, diz o dono.

Dirigir o Ford exige destreza. “A dianteira dele é comprida como uma mesa de pingue-pongue. É preciso saber o momento certo de acelerar, frear e fazer as curvas”, afirma Rabinovich.


Ofertas 0KM

Mais ofertas

Mais ofertas exclusivas

Veja todas as condições especiais


Notícias relacionadas