Plymouth 1949 é resgatado do ostracismo e recuperado com capricho

O engenheiro químico aposentado Jorge La Porta fez questão de recuperar sozinho peças de acabamento de seu Plymouth Special DeLuxe 1949

Plymouth
O Plymouth 1949 Special De Luxe de Jorge La Porta tem até um "filhinho" em miniatura Crédito: Hélvio Romero/Estadão

O engenheiro químico aposentado Jorge La Porta é um homem de relacionamentos longos. Ele mantém na garagem um sedã Mercury, uma van Veraneio e uma perua Caravan há 27 anos, e um hatch Passat há 37 anos. A história com o Plymouth Special Deluxe 1949 desta reportagem é mais recente: começou há oito anos. Mas não deve terminar tão cedo. “Sou um cara que tem dificuldade em vender os carros”, reconhece.

INSCREVA-SE NO CANAL DO JORNAL DO CARRO NO YOU TUBE

A relíquia foi encontrada pelo veterinário que vacina os cães de La Porta em Miguel Pereira, na serra fluminense, em 2010. Ele comprou o veículo, que estava muito deteriorado após décadas de abandono. Um ano depois, os dois se reencontraram e, como o veterinário não havia dado início ao plano de reformar o Plymouth, o aposentado acabou ficando com o carro.

A partir daí, foram sete anos de restauração, dividida em três etapas. Primeiro, a parte mecânica foi refeita em Miguel Pereira. Em 2014, o carro foi levado para a capital paulista, para os serviços de funilaria e pintura.

No ano seguinte, o aposentado passou a cuidar ele próprio da montagem. Isso incluiu recuperar a máxima quantidade possível de peças de acabamento, como as lanternas de plástico. “Você olha e acha que são peças novas. Procurei aproveitar tudo. Só desprezei um para-sol que estava condenado – e com muita tristeza”.

Ele poderia ter recorrido a oficinas especializadas e, com isso, concluído a restauração em menos tempo – o carro só ficou pronto no final de 2017. Mas, além de fugir dos custos elevados, ele diz que preferiu manter o total controle do processo, mesmo com as eventuais dificuldades do caminho, que não o fizeram desanimar.

“Com paciência, consegui resolver todos os problemas pendentes, e usando só as peças do próprio carro. Não pode ter pressa. A única coisa que não tem jeito é a morte. Aprendi isso com o Plymouth”, ele filosofa.

Setentão, Plymouth exige certos rituais

Antes de cada passeio com o carro, é preciso cumprir alguns rituais. La Porta confere a calibragem dos pneus e checa se há vazamento de óleo além do trivial. Depois, completa o reservatório do radiador com um litro de água – medida fundamental para evitar que o motor superaqueça em engarrafamentos. Por fim, dá a partida no motor, sempre atento a barulhos fora do normal.

São cuidados necessários para garantir que esse setentão continue cumprindo sua função sem sustos. O dono garante que o Plymouth ainda tem muita lenha para queimar.

“Ele é confortável, tem mecânica simples e confiável e uma suspensão boa para a época dele. Tem tudo o que um modelo moderno tem, só que com tecnologia de 1949”, relativiza. “O motor de seis cilindros e 3,6 litros cravou 6,5 km/l de gasolina na Rodovia Castello Branco. É uma média de consumo que muitos motorzões mais novos não conseguem.”

+ Leia outras matérias de Antigos na seção Carro do Leitor

Ao contrário do que se pode imaginar, a manutenção do Plymouth é relativamente fácil e barata. La Porta diz que obtém peças mecânicas nos Estados Unidos e adapta itens de acabamento. “Instalei um limpador de para-brisa elétrico nele e gastei apenas R$ 300. Já um retrovisor sai de US$ 100 para baixo. É muito menos que o preço da peça para o Ford Fusion, meu carro de uso diário”, ele pondera.

Modelo não é dos mais assediados

Na rua, o Plymouth invariavelmente chama a atenção. Mas são poucos os que sabem de que modelo se trata. “Muitos disparam: ‘que Chevrolet bonito!’. Outros dizem ‘meu avô teve um carro desses’. E eu respondo: ‘pô, você está me chamando de velho?!’, em tom de brincadeira”, conta o engenheiro.

Já as abordagens com propostas de compra, que donos de certos modelos antigos ouvem com frequência, não acontecem no caso do Plymouth. La Porta arrisca uma explicação.

“O que leva uma pessoa a querer comprar um antigo é a memória. Hoje a procura é por Opala, Passat, modelos que marcaram a infância da molecada. Os caras da minha idade, na faixa dos 60 anos, já têm seus carros. Um dia eles vão partir, e esses carros vão terminar em leilões ou museus, porque são modelos que não têm liquidez no mercado”, acredita.


Ofertas 0KM

Mais ofertas

Mais ofertas exclusivas

Veja todas as condições especiais


Notícias relacionadas