Onboard Diego Ortiz

O futuro incerto do Fiat Mobi

Mobi não vingou no mercado como outros projetos novos da Fiat e tem futuro um tanto indefinido, sem previsão concreta de nova geração

Mobi
Fiat Mobi Crédito: Fiat/Divulgação

Quando o Fiat Mobi foi lançado em abril de 2016, ele foi apresentado pela marca como um projeto de mobilidade para as cidades, que incluiria o carro e outras plataformas. Mobi, inclusive, é abreviação de mobilidade. Pela festa de lançamento feita, quantidade de celebridades presentes e teor da apresentação, o sucesso era uma certeza. Mas a Fiat esqueceu de combinar com o russos.

O carro não foi um sucesso de crítica, não caiu nas graças do consumidor e não apresentou a plataforma de mobilidade revolucionária que prometia. Resultado: no ano passado, foi apenas o décimo segundo carro mais vendido do Brasil com 49.491 unidades entregues. Ficou atrás até do Argo, que custa o dobro e foi parar em 63.011 garagens.

+ A verdade sobre o lucro das montadoras
+ Sandero e Logan reestilizados chegam em maio

Justamente por isso, não se fala nada até agora de uma nova geração do carro. Há algumas informações de que um novo Mobi poderia ser lançado só em 2024, usando a plataforma MP1, a do Argo. Isso, por si só, já mostra que o subcompacto viraria outra coisa. E mesmo assim, oito anos depois de sua primeira aparição, o que é um tempo muito elevado.

É bastante curioso pensar em como a Fiat acertou ao fazer a Toro, Argo e Cronos, e errou tanto com o Mobi. Não só no produto, mas na estratégia de chegada de motores – o 1.0 três cilindros chegou seis meses depois em só uma versão -, sistemas multimídia oferecidos e por aí vai.

Não há muita salvação para o Mobi, que seguirá na Fiat como o Fox segue hoje na Volkswagen e o Fiesta na Ford. Um carro meio sem propósito, que está lá apenas para cumprir tabela e porque o projeto já foi pago.

Veja mais: Marcas que já saíram do Brasil


Ofertas 0KM

Mais ofertas

Mais ofertas exclusivas

Veja todas as condições especiais


Mais artigos