Onboard Diego Ortiz

O preço do carro brasileiro sem imposto

Se a alíquota brasileira imposta sobre a indústria automotiva fosse igual a dos Estados Unidos, e não a maior do mundo, as vendas poderiam dobrar no País

imposto
Renault Kwid é um dos carros mais baratos do Brasil Crédito: Renault/Divulgação

Recentemente, o secretário da Receita Federal, Marcos Cintra, falou sobre a criação de um novo imposto sobre movimentações financeiras que reteria 0,9% de todas as transações. O presidente Jair Bolsonaro logo rechaçou. A verdade é que o Brasil não aguenta mais impostos. Nossa carga tributária é muito grande, e a que recai sobre os automóveis é uma das maiores do País. A maior do mundo no segmento.

No ano passado, o anuário da Anfavea, a associação das montadoras, informou que a carga tributária sobre os automóveis é de 30,4%. Nos Estados Unidos, o mundo ideal em termos de imposto, o taxa automotiva é de 7%.

Com isso em mente, basta fazer os cálculos para ver a diferença. Um Chevrolet Onix básico, por exemplo, teria o valor de cerca de R$ 35 mil com o imposto norte-americano já colocado. Hoje, ele custa R$ 47.490. Já o Renault Kwid, um dos carros mais baratos do Brasil, sairia por R$ 24.400, contra os R$ 32.790 atuais.

Compass vale um Onix a menos sem imposto

O Jeep Compass, o SUV mais desejado do Brasil, que hoje é vendido por um preço inicial de R$ 113.990, sairia das lojas por R$ 85 mil. Um preço ainda alto, mas R$ 29 mil menor. Valor que daria para levar quase o Onix de brinde.

Os valores poderiam ser ainda menores se toda a escala de produção também não pagasse os altos tributos. Se fosse o caso, seguramente, o valor do carro zero quilômetro seria perto da metade. Um sonho que dificilmente se tornará realidade no Brasil, já que o governo mal consegue pagar suas contas com a arrecadação que já tem. Imagina com essa perda tributária gigantesca.

Melhores usados de até R$ 100 mil


Ofertas 0KM

Mais ofertas

Mais ofertas exclusivas

Veja todas as condições especiais


Mais artigos