Placa Amarela Roberto Bascchera

O encanto de um furgão Fiat 1958

Restaurado, 1100 T2 reina em garagem portuguesa

Furgao1 Crédito:

Ele não é só raro: encanta à primeira vista. Bem guardado na ampla garagem de um pequeno empresário na periferia de Coimbra, o Fiat 1100 T2 saia-e-blusa bege e azul, em estado impecável após a restauração, é daquelas coisas que um colecionador fanático não mediria esforços para levar para casa. “Só existe outro exemplar desse modelo em Portugal, mas não está rodando”, diz, orgulhoso, o filho do empresário.

Interior com muitos itens originais

O blog teve o privilégio de ver de perto essa joia, fabricada em 1958 e que ainda preserva itens originais como volante preto de três raios, painel com instrumentos em um nicho único, grade externa e emblemas cromados, calotas com o logotipo da Fiat em baixo relevo e lanternas traseiras bicolores.

Portas duplas e lanternas bicolores

O motor, dianteiro, a gasolina, é alinhado entre os dois bancos dianteiros. Descrito na literatura como sendo robusto e confiável, ele é capaz de deslocar seus próprios 2.500 quilos mais uma tonelada de carga, apesar dos parcos 1221 centímetros cúbicos de cilindrada e 45 cavalos. A velocidade final é 90 km/h, apesar de velocímetro chegar aos 110 km/h. O salão é amplo e alto, com uma fileira de bancos para passageiros e acesso por duas portas traseiras. Com seu amplo para-brisa e formato de pão de forma, lembra a Kombi.

Grade dianteira e emblemas originais. Fotos: Roberto Bascchera / Estadão

Um detalhe marcante é que o modelo, lançado em 1957, era o primeiro comercial leve da marca não derivado de um carro de passeio, e com possibilidade de diversas configurações, tanto para transporte de cargas como de passageiros. Seu antecessor, o Fiat 1100 F, tinha mais cara de carro de rua adaptado para carregar carga. A versão T2 ficou em linha até 1971, sendo que, em 1962, ganhou versão com motor a diesel.


Ofertas 0KM

Mais ofertas

Mais ofertas exclusivas

Veja todas as condições especiais


Mais artigos