Blog do Boris Boris Feldman

Dez macetes que (quase) nenhum motorista conhece

Dez macetes que (quase) nenhum motorista conhece, mas o AutoPapo os compilou. Alguns podem te tirar de uma fria

calçados
Calçados inadequados podem gerar riscos ao volante Crédito: Foto: JF Diorio/Estadão

Dez macetes que (quase) nenhum motorista conhece, mas o Blog do Boris as compilou. Algumas podem te tirar de uma fria.

Subir de ré

Carro com tração dianteira (quase todos os nacionais) se nega a subir uma rampa molhada – para sair da garage subterrânea, por exemplo – pois as rodas dianteiras (motrizes) deslisam em falso no piso.

Motivo? Falta de atrito do pneu pois o centro de gravidade se desloca para a traseira. Solução? Inverter o carro e subir de marcha-ré, pois o peso vai se concentrar nas rodas motrizes (agora lá atrás), aumentar o atrito e voltar a tracionar o carro.

No caso de o carro não conseguir vencer uma ladeira muito íngreme por falta de potência, a solução é também colocá-lo para subir de ré. Neste caso, porque a relação da marcha-ré (quase sempre) é mais reduzida que a primeira e melhora o desempenho do carro nesta situação.

Braços cruzados

O choque frontal é inevitável: o carro se aproxima da traseira do veículo à frente sem chances de o motorista evitar a batida. E sua reação é, em geral, a pior possível: esticar os braços e segurar firme o volante. Errado: o impacto frontal será transmitido aos braços e destes para os ombros, provocando lesões consideráveis. A postura correta, nestes casos, é de cruzar os braços sobre o peito, como fazem os pilotos de competição.

Ar quente

O líquido do radiador ferveu? Um um bom “quebra-galho” até chegar à oficina é ligar o sistema de calefação (ar quente) do carro. Primeiro, porquê o líquido (água+aditivo) que estava inativa se integra ao circuito de refrigeração. Segundo, porque estava frio e, ao se misturar, reduz a temperatura do que estava fervendo.

“Dedo duro”

A bateria descarrega e ninguém descobre o motivo. Mas alguém imagina que alguma lâmpada oculta, no porta-malas ou porta-luvas, não esteja se desligando. Porém, como saber se ela apaga (ou não) ao fechar a tampa?

No porta-malas ainda seria possível entrar para verificar, mas e no porta-luvas? A solução? Acionar a função “vídeo” do celular, colocá-lo no interior do compartimento e fechar a tampa. Voltar a abrí-la e conferir no celular se a lampada apagou…

ABS ‘de pobre’

O carro é mais antigo e não tem freios ABS. Se, numa freada de emergência as rodas começam a deslizar no asfalto, basta apertar e soltar o pedal do freio repetidas vezes, o mais rápido possível, para evitar o bloqueio. Como faz o ABS, só que mecanicamente…

“Família”

Poucos conhecem as “famílias” de carros. Modelos de marcas diferentes podem compartilhar mecânica pois pertencem a um mesmo grupo empresarial.

Peças mecânicas de carros “primos” podem estar nas concessionárias das duas marcas, facilitando obtê-las. Ou comprá-las por preço inferior. Exemplos: Kia/Hyundai; Citroen/Peugeot; Volks/Audi; Fiat/Jeep/ e outras.

Freios molhados

Ufa! O carro atravessou incólume o trecho alagado, mas o problema veio logo depois: no semáforo vermelho o motorista freia e… bate no carro parado à frente pois os freios, molhados, não funcionaram. A dica é: depois de um trecho alagado, engrene uma marcha forte (segunda ou terceira) e pise simultaneamente no freio e acelerador. O atrito e calor gerado entre pastilhas e discos, lonas e tambores vai secá-los e o freio volta a funcionar.

“Linguetinha”

Acabou a bateria do controle remoto da porta. E agora? Agora, ainda tem motorista que não sabe da “linguetinha”, uma chavinha sem cabo embutida no controle remoto. E, na maçaneta da porta uma tampinha que, removida, permite abrir a porta com a bendita linguetinha…

“Encaixotado”

O carro ficou “imprensado” entre outros dois na vaga, sem chance de manobrar para sair. Se for tração dianteira (maioria dos nacionais), vire completamente o volante, puxe o freio de estacionamento, engrene uma primeira e acelere….que o carro vai girar sobre as rodas traseiras e sair da vaga!

Choque

O motorista sai do carro e, ao encostar na porta para fechá-la, toma um choque. Não é defeito elétrico, apenas eletricidade estática que se acumulou no corpo. Para evitá-lo, mantenha a mão encostada na porta (ou carroceria) ao descer do carro, para descarregar a eletricidade que se acumulou.

(Tem mais: dez outras dicas na próxima coluna, semana que vem…)

 


Ofertas 0KM

Mais ofertas

Mais ofertas exclusivas

Veja todas as condições especiais


Mais artigos