Blog do Boris Boris Feldman

25/02/2019 - 7 minutos de leitura.

Ford fecha fábrica. E as peças para o Fiesta?

Ao contrário do que muitos pensam, não tem lei nenhuma para resguardar o consumidor e obrigar os fabricantes a fornecerem peças por determinado tempo

Câmbio Poweshift
Câmbio Poweshift Crédito: Caixa tem problemas que a Ford não estava conseguindo resolver, mas foi mantida no novo Fiesta

Se o cidadão compra hoje ou comprou recentemente um Ford Fiesta ou outro carro que deixa de ser produzido ou importado, durante quantos anos pode contar com a existência de peças de reposição no mercado, de forma a garantir sua manutenção?

Há uma discordância a respeito deste prazo: há quem diga ser de oito anos, há os que afirmam que a obrigatoriedade é de 10 anos.

Controvérsia inócua onde ninguém tem razão pois não há prazo estipulado pela legislação brasileira.

Código de Defesa do Consumidor, artigo 32:

“Os fabricantes e importadores deverão assegurar a oferta de componentes e peças de reposição enquanto não cessar a fabricação ou importação do produto”.

Parágrafo único. Cessadas a produção ou importação, a oferta deverá ser mantida por período razoável de tempo, na forma da lei.” (grifo é meu)

Assim é a lei. Texto já contestado e submetido a pareceres jurídicos vários, mas ainda não se estabeleceu sequer uma jurisprudência sobre o tema. “Na forma da lei” não quer dizer nada. Período “razoável”, menos ainda, pois cada um o interpreta como bem entender.

E o consumidor, como fica nessa? Sem peças de reposição?

Depende. Lei nenhuma pode obrigar uma empresa a fabricar (e outras a manterem em estoque) um componente que não tenha demanda mínima. O que prevalece é a regra que funciona para qualquer outro produto: se tem freguês para comprar, tem em estoque. Caso contrário… É prejuízo na certa.

Há uma série de carros que deixam de ser importados ou fabricados, mas com um respeitável número de unidades em circulação. Neste caso, a lei se torna desnecessária, pois é vantajoso manter componentes de reposição em estoque. A Volkswagen (e seus fornecedores de peças), por acaso, não tem interesse em abastecer o mercado com componentes de reposição para o Fusca ou a Kombi? A GM fabrica até hoje peças para Corsa, Monza e Opala.

Entretanto, quem assumiria o prejuízo de manter estoque de peças para um carro que foi fracasso de vendas, com poucos rodando no país? Neste caso, o freguês terá de contar com a sorte de o mesmo modelo ter sido fabricado em outro país e existir estoque de peças disponível pela internet. É só encomendar e pagar com cartão que chega em uma semana! Caso contrário, é apelar para algum artesão capaz de reproduzir a peça com um mínimo de qualidade. E pagar por ela uma pequena fortuna, às vezes mais que o valor do carro. Mesmo assim, algumas são impossíveis de se reproduzir, e pneu é uma delas.

‘Terceirização’ de responsabilidade

Mas o código de proteção ao consumidor falha em outros itens e há umas tantas outras questões mal explicadas. A “terceirização” de responsabilidade, por exemplo. O cidadão compra um automóvel e, ainda no período de garantia, pifa um componente fornecido por terceiros. Apresentado o problema na concessionária, a recomendação é de procurar diretamente o fabricante do produto. Isso vale para muitos deles, equipamento de som, bateria ou pneu entre eles.

Mas, quem dá à fábrica o direito de negar responsabilidade sobre um item fornecido por terceiros? Qual artigo do código permite à GM encaminhar seu cliente para uma loja da Pirelli, pois o pneu apresentou desgaste exagerado? E o pior: o técnico da Pirelli manda o cliente de volta à concessionária alegando que a causa do problema não está no pneu, mas num defeito da suspensão!

Um jogo de empurra em que o dono do carro acaba pagando o pato sem ter a menor responsabilidade. Ou por acaso ele comprou o automóvel sem pneus e foi dele a decisão de equipá-lo com pneus Pirelli?

Se a moda pega e sabendo-se que um automóvel se utiliza de milhares de componentes produzidos por terceiros (por isso há quem diga ser a empresa uma “montadora”), qualquer dia a fábrica não vai se responsabilizar por mais nada…

Mais artigos
GLA
 Mercedes nasceu há 120 anos, numa derrapada de Herr Daimler

Ofertas 0KM

Mais ofertas

Mais ofertas exclusivas

Veja todas as condições especiais