Blog do Boris Boris Feldman

02/03/2021 - 7 minutos de leitura.

Motorista em picape sem ESC morre ao desviar de cachorro

Brasileiro despreza controle de estabilidade “pois não ando como louco na estrada”. Mas pode capotar a menos de 70 km/h

acidente_quesia Crédito:

O título da notícia veiculada semana passada não tinha o “sem ESC”. Eu o acrescentei para enfatizar que centenas de acidentes de trânsito no Brasil poderiam ter sido evitados pelos equipamentos de segurança.

ESC são as iniciais (em inglês) de Sistema Eletrônico de Estabilidade. Dizem os especialistas ser o segundo mais importante dispositivo de segurança veicular depois do cinto.

Brasileiro não se preocupa com estes equipamentos pois “acidente só acontece com os outros”. Uma vez, quando explicava o ESC para um motorista, ouvi: “Para mim é jogar dinheiro no lixo, pois só precisam dele os que saem acelerando como loucos no asfalto”.

Manobra brusca

A notícia: “Uma mulher de 25 anos morreu depois de perder o controle da picape que dirigia e capotar na rodovia MT-170 a cerca de 900 km de Cuiabá”. Era Quésia Berger Amaral, morava em Rondônia, tinha duas filhas e dirigia um Fiat Strada. No asfalto, um cachorro morto indicava que ela tentou se desviar dele ainda vivo ou já estirado na pista.

Existe um teste que simula exatamente essa situação, o “Teste do Alce”. Assim chamado depois que reprovou, em 1997, o Mercedes Classe A testado por uma revista na Suécia, onde é comum alces atravessando a rodovia.

VEJA TAMBÉM:

Cones na pista obrigam o motorista a se desviar para a faixa da esquerda e voltar rapidamente para a direita a uma velocidade de 68 km/h. A Mercedes, depois do teste, fez um recall do Classe A (o mesmo também fabricado em Juiz de Fora) para equipá-lo com o ESC.

O “Teste do Alce” prova que o equipamento não é necessário apenas em curvas mas também em linha reta e em velocidade moderada. Se surge um animal, buraco ou outro automóvel, o motorista é obrigado a virar bruscamente o volante em sequencia para os dois lados. Sem o ESC, a probabilidade de um acidente é elevada.

Segurança, só no imaginário

Infelizmente, todas as evidências indicam que segurança veicular só existe no imaginário do brasileiro. Prova disso é que a Bosch, fabricante de equipamentos eletrônicos de segurança em todo o mundo, fez uma pesquisa no Brasil entre proprietários de veículos. A maioria disse se preocupar com eles ao adquirir um carro.https://d68862b401c8239fcddd2f5bb93f0318.safeframe.googlesyndication.com/safeframe/1-0-37/html/container.html

Mas, segundo a Bosch, a preocupação não vai além do momento da pesquisa, pois fez uma outra em concessionárias. Para ouvir dos vendedores e gerentes ser fato raro alguém se preocupar com equipamentos de segurança ao adquirir um novo ou usado.

A obrigatoriedade do ESC no Brasil seria em 2022, mas foi adiada para 2024 pois os fabricantes alegaram atrasos – pela pandemia – no desenvolvimento dos projetos.

Ele já é obrigatório há tempos em outros países. Aqui, existe na maioria dos modelos maiores e mais sofisticados e em alguns compactos. Mas nem todos os SUVs o oferecem como equipamento padrão, apesar de serem, por seu peso e altura, os mais sujeitos a escorregar ou capotar numa manobra brusca.

Como funciona o controle de estabilidade?

O controle de estabilidade percebe, através de sensores, a tendência do carro a escorregar a traseira ou capotar em duas situações:

  1. Nas curvas mais fechadas da estrada, em velocidades elevadas;
  2.  Nas manobras bruscas do motorista para se safar de um obstáculo na pista, mesmo em velocidades moderadas.

sistema eletrônico evita então o acidente, aplicando estrategicamente o freio em determinadas rodas.

Não se pode afirmar que o ESC seja um “santo remédio” pois é impossível ignorar as leis da física. Se o motorista for irresponsável e exceder exageradamente a velocidade adequada para a curva ou na manobra brusca, equipamento algum será capaz de evitar o acidente.

Aliás, o perigo é que alguns pensam que estes dispositivos são milagrosos e que tornam o carro à prova de qualquer estupidez ao volante. Ledo engano….

É possível afirmar que a Quésia não teria deixado duas filhas órfãs se sua picape estivesse equipada com o ESC?

Claro que não, mas as chances seriam enormes, a julgar pelas pesquisas e estatísticas dos principais institutos de segurança do mundo. Todas sinalizam que a grande maioria de acidentes fatais como este teriam sido evitados com a interferência dos sistemas eletrônicos.

Mas não são necessários no Brasil, onde “acidente só acontece com os outros”.

Mais artigos
 Mercedes nasceu há 120 anos, numa derrapada de Herr Daimler
 Mais 10 trapalhadas: leitores (e Camus) enriqueceram a lista
 As 10 trapalhadas mais habituais do motorista

Ofertas 0KM

Mais ofertas

Mais ofertas exclusivas

Veja todas as condições especiais