Você está lendo...
Aceleramos: BYD Han EV arranca como esportivo e é luxuoso por R$ 540 mil
Avaliação

Aceleramos: BYD Han EV arranca como esportivo e é luxuoso por R$ 540 mil

Com dois motores elétricos e muitos recursos avançados, BYD Han EV tem visual atraente e moderno, 494 cv de potência e autonomia para 500 km

Diogo de Oliveira

29 de abr, 2022 · 10 minutos de leitura.

BYD Han
BYD Han tem o nome de uma das mais importantes dinastias da China e chega para ser o carro elétrico mais caro da marca
Crédito:BYD/Divulgação

A BYD é uma montadora bem jovem. Tem apenas 20 anos de existência - foi fundada em 2002. A Tesla, do bilionário Elon Musk, agora dono do Twitter, também surgiu na mesma época. O que as duas marcas têm em comum? Elas vendem carros elétricos de última geração. A norte-americana já lidera esse mercado globalmente, e a chinesa não fica muito atrás. Ao menos é o que mostra o Han EV, sedã elétrico que acaba de desembarcar no Brasil.

O modelo é o segundo carro de passeio da BYD à venda no País. Por aqui, a chinesa acabou de chegar de forma oficial. Nesta semana, inaugurou - com o grupo Eurobike - sua primeira concessionária, localizada na Av. Cidade Jardim, um dos endereços mais glamurosos de São Paulo. Por ora, a marca tem na sua gama apenas carros alimentados por baterias e com preços bem altos. O Han EV, por exemplo, chega em versão única com tabela de R$ 539.990.


BYD Han
BYD/Divulgação

Moderno e belo

O mercado chinês é o maior do mundo para os carros elétricos, e o Han EV já apresenta números de vendas robustos por lá. Segundo a BYD, o sedã soma mais de 120 mil unidades emplacadas no país asiático desde 2020, quando estreou. Aqui, a marca vai oferecer apenas 50 exemplares neste primeiro lote vindo do oriente. Um dos motivos é que os SUVs tomaram conta do mercado. Por isso, a aposta maior no SUV de 7 lugares Tan EV, que custa R$ 487.590.

Mas isso não tira do Han EV o posto de carro mais caro da marca. E, talvez, o mais belo. Se a primeira impressão é a que fica, o sedã elétrico chinês se revela atraente, com visual moderno e elegante, que entrega até mais luxo que o rival Tesla Model 3. Com praticamente 5 metros de comprimento e 2,92 metros de entre-eixos, o Han é enorme e baixinho, com 1,49 m de altura. Esse entre-eixos garante um interior próximo ao de uma limusine.


BYD/Divulgação

O mesmo pode se dizer do nível tecnológico e de requinte a bordo. Por fora, o sedã elétrico tem faróis e lanternas com LEDs dinâmicos que dão movimento às luzes de seta e fazem uma assinatura marcante. Por dentro, os bancos traseiros são reclináveis e há uma tela de controle que permite ajustar climatização, iluminação da cabine com múltiplas cores, bem como a distância do banco dianteiro do lado direito. Há farto revestimento em couro e materiais nobres.



Multimídia de 15,6"

O nível elevado de conforto e silêncio nos bancos traseiros impressiona a bordo do Han EV, mas nada choca mais que o painel frontal. Ele traz duas telas de alta resolução, uma atrás do volante, com 12,3 polegadas, outra central que tem o tamanho de um notebook médio. São 15,6 polegadas com rotação elétrica, ou seja, pode ficar em posição horizontal ou vertical. Ela ocupa todo o meio do painel e permite ajustar dezenas de configurações do veículo.


BYD Han
BYD/Divulgação

Entretanto, vale dizer que, neste primeiro contato, o sistema da BYD não estava totalmente em português brasileiro, e não tinha, por exemplo, conexão com Android Auto e Apple Carplay. Mas a marca garante que estes recursos estarão disponíveis em breve. Também não foi informado nada sobre internet a bordo ou qual operadora de telefonia fornecerá os serviços conectados. Mas é certo que o sedã terá conexão com internet e atualizações remotas.

BYD/Divulgação

Um item muito interessante é o sistema de câmeras de alta resolução. Pela tela central, há a visão 360º do sedã, com gráficos realistas em 3D, e câmera interna com modo gravação e função selfie. Ou seja, é possível gravar vídeos a bordo. Outro recurso inusitado é o modo Karaokê, que tem até microfones. É algo que surgiu nos últimos anos na China, e tem feito sucesso. Os passageiros podem cantar a bordo, mas o catálogo ainda estava em chinês.

BYD Han
BYD/Divulgação

Mecânica de esportivo alemão

Embora apele mais ao luxo que à esportividade, o BYD Han EV tem desempenho digno de esportivo alemão clássico, como um BMW M3. O modelo chinês usa dois motores, um em cada eixo, o que lhe garante tração integral. São 494 cv de potência máxima e um torque vigoroso de 69,3 mkgf entregue de forma instantânea. Como resultado, a marca informa aceleração de zero a 100 km/h em apenas 3,9 segundos, e velocidade máxima de 186 km/h.


Em nosso breve contato com o sedã, na cidade do Rio de Janeiro, impressionou a rapidez com que o ele acelera. No único trecho que nos permitiu pisar mais fundo, o empuxe foi realmente forte e até exigiu cuidado com a direção. A tração nas quatro rodas ajuda a manter um controle dinâmico, mas a entrega imediata do torque faz o modelo disparar. Não por acaso, o sedã de 2,17 toneladas traz de série sistema de freios de alta performance da italiana Brembo.

BYD Han
BYD/Divulgação

Autonomia de 500 km

Ao mesmo tempo em que acelera forte, o BYD Han EV entrega uma das maiores autonomias dentre os carros elétricos já disponíveis no Brasil. São até 500 km com a carga completa pelo ciclo europeu NEDC. O sedã traz um pacote robusto de 76,9 kWh das baterias Blade, exclusivas da BYD e consideradas atualmente uma das mais seguras e avançadas da indústria. O nome vem do formato das células, que lembram lâminas de barbear.


O carregamento das baterias também promete ser rápido. Em estações de alta potência (50 kW ou mais, ainda raras no Brasil), é possível repor até 80% da carga em cerca de 25 minutos. Além disso, segundo a BYD, em apenas 10 minutos é possível obter energia para rodar aproximadamente 135 km em carregadores de corrente direta com até 100 kW. Já em estações de parede, como os Wallboxes residenciais, com 7 kW, a carga completa leva 12 horas.

BYD/Divulgação

Vale a compra?

O Han EV é apenas o segundo modelo da BYD no Brasil, e impressiona pelo luxo e desempenho, pelas tecnologias e pelo preço. É um modelo completíssimo, com recursos semiautônomos avançados e muita tecnologia embarcada para justificar o valor da etiqueta. Ele transmite essa modernidade no visual e se revelou poderoso nas acelerações. O desafio é convencer os brasileiros mais endinheirados a escolherem o sedã elétrico em vez de esportivos e SUVs das marcas premium tradicionais.


O Jornal do Carro está no Youtube

Inscreva-se