Vagner Aquino

12/01/2021 - 4 minutos de leitura.

Agência dos EUA diz que aceleração repentina dos Tesla é barbeiragem

Órgão que regula a segurança viária nos EUA negou pedido de recall de modelos da Tesla; NHTSA descarta problemas mecânicos e afirma falha humana

tesla
TESLA MODEL S PLAID É O MAIS POTENTE JÁ PRODUZIDO Crédito: TESLA
Carro

Vai comprar um 0km? Nós te ajudamos a escolher.

A National Highway Traffic Safety Administration (NHTSA, órgão que regula a segurança viária nos EUA), negou um pedido de recall de 662 mil carros da Tesla após motoristas terem reportado aceleração inesperada e repentina. Segundo a investigação do órgão, os incidentes foram causados por “uso incorreto do pedal”. Pois não foram encontradas evidências de falha nos carros da gigante dos modelos elétricos.

O órgão começou a investigar as reclamações em janeiro do ano passado. A petição, de dezembro de 2019, citou 232 reclamações referentes aos carros Model S, Model X e Model 3, fabricados a partir de 2013. A promessa era analisar o caso e, dependendo dos resultados, investigar a empresa.



Casos envolvendo modelos Tesla

Segundo o documento, o defeito teria causado, ao menos, 110 batidas. Total de 53 feridos. De acordo com os relatos, tem desde destruições de portões de garagens até avanços sobre calçadas e colisões em muros.

Em uma das reclamações, aliás, um motorista da Califórnia afirmou que seu Model S acelerou repentinamente mesmo estando fechado e estacionado. O veículo parou somente após colidir com outro carro estacionado.

Entre as várias alegações de aceleração repentina não intencional envolvendo veículos Tesla que tonaram-se públicas ao longo dos anos, uma delas, inclusive, afirmou que um Model X acelerou sozinho dentro da garagem.

Tesla
Tesla/Divulgação

Considerações finais

Após a realização da investigação independente, a NHTSA, contudo, apresentou um relatório com as considerações finais. “Não houve descoberta de dados que suportassem a acusação do mau funcionamento do veículo”, revela o material. Além disso, o documento vai além. “Não houve provas de mau funcionamento dos pedais”. Assim, foi concluído que o problema é estritamente humano.

Em síntese, cabe salientar que a possibilidade desta conclusão se deve à tecnologia avançada dos veículos. Os modelos vem equipados, no entanto, com itens que vão de câmeras a sensores que analisam as pressões exercidas nos pedais. Foi, justamente, a tecnologia abundante que ajudou a gigante a desvendar o caso. A Tesla não se pronunciou sobre o assunto.

Inscreva-se no canal do Jornal do Carro no YouTube

Veja vídeos de testes de carros e motos, lançamentos, panoramas, análises, entrevistas e o que acontece no mundo automotivo em outros países!

Inscrever-se

Notícias relacionadas


Ofertas 0KM

Mais ofertas

Mais ofertas exclusivas

Veja todas as condições especiais