Você está lendo...
Argentina em dia com modelos europeus
Mercado

Argentina em dia com modelos europeus

Rafaela Borges, de Buenos Aires, Argentina As ruas argentinas estão ficando cada vez mais europeias, e essa é uma característica... leia mais

23 de jun, 2013 · 8 minutos de leitura.

 Argentina em dia com modelos europeus


Rafaela Borges, de Buenos Aires, Argentina

As ruas argentinas estão ficando cada vez mais europeias, e essa é uma característica que se projeta nos estandes da sexta edição do Salão de Buenos Aires, que abriu as portas ao público na quinta-feira e vai até o próximo domingo. Enquanto no Brasil há ainda carros defasados, ou desenvolvidos apenas para a América Latina, pela capital portenha circula uma grande diversidade de importados em dia com os da Europa.


Um bom exemplo disso é o Clio, que chega à quarta geração, a mesma vendida aos europeus. No Brasil, o Renault é o de segunda geração e não muda desde 1999 - recebeu apenas algumas reestilizações.

?A Argentina é mais ligada à Europa que o Brasil. E os impostos para carros importados aqui são mais baixos do que lá (no Brasil, onde os estrangeiros pagam 30 pontos porcentuais de IPI adicional)?, diz o diretor de produto da Renault América Latina, Dominique Musset.

?Além disso, é mais fácil adaptar os veículos europeus ao mercado argentino que ao brasileiro?, afirma. Ele se refere, por exemplo, ao combustível usado no Brasil, que recebe uma mistura de 22% de etanol.


Segundo Jaime Ardila, presidente da GM América do Sul, o mercado argentino atravessa seu melhor momento. ?No ano passado, as vendas superaram as 800 mil unidades e, para este ano, a expectativa é passar de um milhão.? A montadora optou por levar à Argentina modelos idênticos aos que estão nas ruas da Europa, em vez de importá-los do Brasil.

É o caso do Cruze - o exposto na feira foi trazido da Ásia, embora tenha versão feita em São Caetano do Sul (SP). ?Sai mais barato (importar da Coreia do Sul)?, diz Ardila.

O executivo admite que seria difícil vender carros brasileiros na Argentina, pois a maior parte da produção do País é absorvida pelo mercado interno. ?Felizmente, estamos em boa situação no mercado nacional.?


No estande da Fiat, há lançamentos fabricados em países europeus - nenhum deles com perspectiva de venda no Brasil. Entre eles está o 500 L (embora a produção e venda no País não estejam descartadas) e o Panda 4×4. O Doblò exposto veio da Turquia, onde é feita uma geração mais avançada que a fabricada em Betim (MG).

Feira está repleta de estreias que logo virão ao Brasil
O salão portenho reúne várias estreias voltadas ao Brasil, principal mercado consumidor dos carros feitos na Argentina. O português, aliás, é uma língua tão presente quanto o espanhol nos estandes do Centro de Exposições La Rural, em Palermo.

A Citroën, por exemplo, lança na feira o C4 Lounge, modelo inspirado no C4 L europeu, mas com características inéditas, segundo informa o presidente da filial da empresa no Brasil, Francesco Abruzzesi. Sucessor do C4 Pallas, o sedã médio chega aqui em setembro com motor 2.0 flexível de até 151 cv e 1.6 turbo a gasolina de 165 cv. O câmbio é automático de seis marchas.


Outro argentino que estará em breve no Brasil é o Ford Focus. De terceira geração, idêntica à europeia, virá nas versões hatch e sedã a partir de outubro.

A opção de entrada terá motor 1.6 Sigma de até 130 cv e câmbio automatizado de dupla embreagem e seis marchas. Executivos da marca dizem que haverá novidades mecânicas na versão de topo, mas não revelaram detalhes.

Dos carros nacionais, um dos destaques é o novo Logan. O Renault feito no Paraná recebeu uma grande reforma visual - ficou igual ao europeu - e chegará ao País no início de 2014.


Já o Golf 7, que estará à venda em outubro, virá da Alemanha com motor 2.0 turbo de 211 cv e tabela acima dos R$ 70 mil. Em janeiro chega a opção esportiva GTi, de 240 cv. As duas conviverão até 2015 com o hatch de quarta geração feito aqui pela VW.

Outro europeu é o Peugeot 208 GTI. Importado da França, virá em 2014 com motor 1.6 turbo, mas a marca não revelou se em versão de 165 ou 200 cv.

Da GM, a atração é o Tracker, que chega ao mercado argentino em agosto. Segundo porta-vozes da empresa, a confirmação da vinda ou não do utilitário-esportivo ao País sairá em cerca de 30 dias. Com o mesmo motor 1.8 flexível do Cruze, o jipinho poderia brigar com o Ford EcoSport.


(Confira a fan page do Jornal do Carro no Facebook: https://www.facebook.com/JornaldoCarro)

Fiat Pulse Drive 1.0 Turbo 200
Oferta exclusiva

Fiat Pulse Drive 1.0 Turbo 200