Você está lendo...
Inmetro reduz autonomia dos carros elétricos declarada pelas marcas
Mercado

Inmetro reduz autonomia dos carros elétricos declarada pelas marcas

Nova metodologia do Inmetro quer fornecer dados de autonomia com cálculo mais realista; pelo órgão, elétricos perderão 30% do alcance atual

Vagner Aquino, especial para o Jornal do Carro

27 de jan, 2023 · 5 minutos de leitura.

Publicidade

elétricos
Volvo XC40 tem autonomia reduzida de 420 km para 231 km
Crédito:Volvo/Divulgação

Quando se fala em autonomia de veículos, sabe-se que tal número é relativo. Seja para motores a combustão, ou para elétricos, o valor declarado de alcance sofre variações pela forma de dirigir de cada motorista, pelas condições de pista ou até mesmo pelo clima. Ultimamente, com o avanço dos carros alimentados por baterias, passou-se a falar ainda mais sobre a autonomia. Mas até agora não havia um padrão brasileiro de aferição desse alcance.

elétricos
BMW/Divulgação

Pois o Inmetro começou a mensurar e "corrigir" os dados declarados de autonomia dos veículos elétricos. Até agora, era comum usar números no padrão europeu WLTP. Ou no EPA, utilizado pelos norte-americanos. Ou ainda no padrão NDEC, dos chineses. Pois a medição brasileira vem trazer esses números mais para perto da realidade daqui.

Publicidade


Ao site Use Elétrico, especializado em veículos a baterias (BEVs), o presidente da Associação Brasileira do Veículo Elétrico (ABVE), Adalberto Maluf, afirmou que a nova metodologia chegará em breve a todas as montadoras. E que isso vai alterar os números declarados até então.



30% menor

De acordo com Maluf, o novo método propõe aferição mais conservadora. Ou seja, os veículos elétricos terão autonomia divulgada cerca de 30% menor que a aferida em laboratório. O executivo fala que, se um modelo elétrico ou híbrido alcançar 100 quilômetros de autonomia no teste de laboratório para o Programa Nacional de Etiquetagem Veicular (PBEV), a informação oficial deste veículo quanto à autonomia será de 70 quilômetros.

De acordo com a reportagem do Use Elétrico, o índice de correção "explica porque alguns modelos tiveram redução expressiva na autonomia". É o caso, por exemplo, do Volvo XC40, que terá o alcance declarado reduzido de 420 km para 231 km, um corte de 45% do total. Segundo o texto, "15% da redução está na diferença dos testes do ciclo WLTP e do PBEV. E os outros 30% são do 'pênalti' determinado pelo Inmetro".


elétricos
Vagner Aquino/Jornal do Carro

Maluf aponta que, para os consumidores, os novos valores serão muito mais condizentes com a prática. "Vale para todos os fabricantes e todos os modelos híbridos e elétricos. É igual para todo mundo", resume. O Nissan Leaf é outro modelo que já baixou o alcance de 272 km (ciclo EPA) para 192 km, conforme o novo padrão do Inmetro.

Por fim, o presidente da ABVE acredita que haverá uma padronização para a autonomia declarada dos modelos. Isso vai permitir uma real comparação entre os concorrentes. Afinal, até aqui, cada fabricante utilizava o método de sua conveniência (WLTP, EPA e NEDC).


Além disso, vale reforçar que mesmo as montadoras que já usam o padrão nacional, como BYD e Caoa Chery, precisam rever seus conceitos. Isso porque em ambas as marcas a autonomia dos carros elétricos também terá queda de 30%.

O Jornal do Carro está no Youtube

Inscreva-se
Deixe sua opinião