Mercado

Strada, HB20 e Renegade no topo: veja os 50 carros mais vendidos de 2021

Fiat Strada fecha 2021 isolada na liderança, HB20 leva a melhor sobre o Argo e Renegade é o SUV campeão; ranking traz os carros mais vendidos

Jady Peroni, especial para o Jornal do Carro

06 de jan, 2022 · 9 minutos de leitura.

Fiat Strada ranking
Fiat Strada encerra o ano em primeiro lugar com cerca de 110 mil unidades emplacadas
Crédito:Fiat/Divulgação

A escassez de semicondutores mudou o mercado brasileiro em 2021. Após sete anos de domínio da Chevrolet e do hatch compacto Onix, temos novos campeões entre os carros mais vendidos. A liderança geral já era conhecida antes mesmo do fim do ano: a Fiat Strada não deu chances aos rivais e ficou isolada no topo do ranking com quase 110 mil unidades emplacadas, uma diferença de mais de 30 mil em relação à picape Toro. Por outro lado, a briga pelo segundo lugar foi definida nos últimos dias de dezembro, com o Hyundai HB20 e Fiat Argo em uma disputa acirrada.

Com uma distância mínima, mas decisiva, o hatch da marca sul-coreana foi, pela primeira vez, o automóvel mais emplacado do País, com um total de 86.455 entregas. Uma vitória memorável para o hatchback feito em Piracicaba (SP), que sempre foi vice do Chevrolet Onix. Dessa forma, o Fiat Argo ficou com o terceiro lugar geral, com 84.644 unidades vendidas. Mas é importante dizer que isso só foi possível porque o Onix ficou por quase seis meses fora de produção por falta de chips. Ainda assim, o hatch da Chevrolet ficou entre os cinco modelos mais vendidos de 2021.

ranking
Divulgação/Hyundai

Entre os SUVs, a história se repete. O Jeep Renegade começou o ano passado atrás de Chevrolet Tracker e Volkswagen T-Cross. Entretanto, as duas marcas foram as mais afetadas pela falta de componentes eletrônicos. Por isso, os SUVs tiveram suas produções paralisadas e perderam fôlego. Então, o modelo da Jeep aproveitou a situação para se isolar entre os SUVs mais vendidos. Assim, conseguiu conquistar o primeiro lugar no segmento e a quarta posição no ranking geral, com 73.913 unidades.

Corrida na recuperação

Com a falta de chips, a Chevrolet sofreu um duro golpe no Brasil. Durante seis meses, a General Motors parou a fábrica de Gravataí, no Rio Grande do Sul. Assim, o Chevrolet Onix e o sedã Onix Plus saíram de produção e começaram a faltar nas lojas. O que, consequentemente, fez com que as vendas despencassem de forma drástica. Contudo, a GM chegou a recuperar algumas vendas com o retorno das operações e, de forma impressionante, o Onix fechou 2021 na quinta colocação geral.

Já a Volkswagen, que também fez longas pausas na produção, não conseguiu recuperar o ritmo. Para se ter uma ideia, o único modelo da marca que aparece no top 10 é o hatch Gol, que sairá de linha em definitivo até o fim deste ano. O popular chegou a desbancar o segundo colocado, Argo, em novembro, mas sem grandes expectativas.

vendidos
Vagner Aquino/Jornal do Carro

Outro modelo popular que surpreendeu foi o Mobi. O subcompacto da Fiat chegou a liderar o ranking dos mais vendidos, mas ficou em nono lugar, sua melhor posição desde a estreia em 2016. No entanto, mesmo caindo bastante, o hatch ficou à frente do Hyundai Creta, que chegou a liderar a categoria de SUVs em novembro, e ficou em décimo lugar.

Os 10 carros mais vendidos de 2021

  • 1°) Fiat Strada - 109.107
  • 2°) Hyundai HB20 - 86.455
  • 3°) Fiat Argo - 84.644
  • 4°) Jeep Renegade - 73.13
  • 5°) Chevrolet Onix - 73.623
  • 6°) Jeep Compass - 70.906
  • 7°) Fiat Toro - 70.890
  • 8°) Volkswagen Gol - 66.228
  • 9°) Fiat Mobi - 65.847
  • 10°) Hyundai Creta - 64.759


Acumulado sofreu grandes mudanças

Embora o cenário esteja melhorando, a crise balançou as estruturas do setor automotivo em diversos sentidos. Alta do dólar, crise dos chips, supervalorização dos carros usados, por exemplo, influenciaram as vendas e metas das montadoras. E mesmo depois do top 10, o ranking continua a surpreender em comparação aos outros anos.

Nós chegamos a falar do Volkswagen T-Cross, uma das apostas principais da marca no setor de SUVs, que nesse ano ficou em 11° lugar. Saltando ainda mais na lista, um modelo que chocou bastante foi o Toyota Corola Cross, que estreou em março e fez grande sucesso, mas acabou encerrando o ano na 21ª posição.

No mais, vários modelos que saíram de produção perderam posições no ranking. São os casos, por exemplo, de Fiat Uno, VW Fox e Honda Civic, que só fazem presença na lista a partir do 30° lugar. Nesse sentido, vale citar a Ford, que fechou suas fábricas no País em 2021. A marca só aparece no top 50 com a picape Ranger, com teve 20.499 unidades.

Continua depois do anúncio
0-km
Honda/Divulgação

Ranking: os 50 carros mais vendidos de 2021

  • 11°) Volkswagen T-Cross - 62.307
  • 12°) Chevrolet Onix Plus - 54.707
  • 13°) Renault Kwid - 52.916
  • 14°) Chevrolet Tracker - 50.757
  • 15°) Toyota Hilux - 45.893
  • 16°) Toyota Corolla sedã - 41.891
  • 17°) Honda HR-V - 38.406
  • 18°) Volkswagen Nivus - 36.664
  • 19°) Nissan Kicks - 36.524
  • 20°) Chevrolet S10 - 35.045
  • 21°) Toyota Corolla Cross - 34.249
  • 22°) Volkswagen Voyage - 28.593
  • 23°) Fiat Cronos - 27.887
  • 24°) Volkswagen Saveiro - 26.751
  • 25°) Hyundai HB20S - 25.568
  • 26°) Renault Duster - 22.457
  • 27°) Toyota Yaris HB - 21.126
  • 28°) Fiat Fiorino - 20.602
  • 29°) Volkswagen Virtus - 20.563
  • 30°) Fiat Uno - 20.555
  • 31°) Ford Ranger - 20.499
  • 32°) Nissan C4 Cactus - 19.552
  • 33°) Volkswagen Polo - 19.196
  • 34°) Honda Civic - 18.949
  • 35°) Volkswagen Fox - 17.946
  • 36°) Peugeot 208 - 16.342
  • 37°) Fiat Siena - 15.355
  • 38°) Toyota SW4 - 13.641
  • 39°) Mitsubishi L200 - 13.157
  • 40°) Chevrolet Spin - 13.005
  • 41°) Caoa Cherry Tiggo 5x - 12.555
  • 42°) Renault Sandero - 12.442
  • 43°) Toyota Yaris sedã - 12.436
  • 44°) Renault Oroch - 12.133
  • 45°) Nissan Frontier - 11.816
  • 46°) Nissan Versa - 11.107
  • 47°) Caoa Cherry Tiggo 8 - 10.462
  • 48°) Honda WR-V - 10.329
  • 49°) Renault Master - 9.672
  • 50°) Renault Logan - 9.478
ranking

Mercado retoma força

De acordo com a Fenabrave (Federação Nacional de Distribuição de Veículos Automotores), o mês de dezembro de 2021 teve uma alta de 13,99% em relação a novembro no mercado geral. E na categoria de automóveis e comerciais leves, a variação de emplacamentos no acumulado foi positiva, com uma taxa 1,21% maior do que 2020.

Mesmo com números relativamente fracos, terminar o ano superando o anterior é um bom sinal de recuperação. Além disso, com base nas pesquisas, o órgão também divulgou algumas projeções para 2022 e, se continuar nesse ritmo crescente, a previsão é de que o setor automotivo tenha uma alta de 5,2%.

''Nossos estudos apontam para o crescimento de todos os segmentos automotivos neste ano. Mas, é claro que situações conjunturais podem afetar essas estimativas, considerando que a indústria ainda sofre com a falta de insumos e componentes eletrônicos, que estamos diante de uma economia ainda turbulenta e iniciando um ano em que teremos Eleições, que costumam criar um cenário de incertezas'', afirmou o Presidente da Fenabrave, José Maurício Andreta Júnior.

O Jornal do Carro está no Youtube

Inscreva-se