Você está lendo...
Revenda abandonada da Renault guarda carros antigos; veja o vídeo
Antigos

Revenda abandonada da Renault guarda carros antigos; veja o vídeo

Localizada na Bélgica, a loja da Renault possui diversos modelos conhecidos pelos brasileiros, como o sedã Laguna, e possui até uma casa no andar de cima

Jady Peroni, especial para o Jornal do Carro

21 de dez, 2021 · 6 minutos de leitura.

Renault
Loja de revenda contém equipamentos, ferramentas e até peças de automóveis
Crédito:Reprodução

Em algum lugar remoto na Bélgica, um grupo de exploradores encontrou uma antiga revenda da Renault completamente abandonada. O prédio, descoberto por integrantes do canal do Youtube, Forgotten Buildings, que na tradução literal significa ''prédios esquecidos'', mostrou ser muito mais do que se esperava. E trouxe algumas surpresas, como veículos antigos e até documentos de clientes que nunca saíram do local.

O vídeo começa mostrando imagens da fachada, que já apresenta cores e estilos que revelam a marca do tempo. Sem muito esforço, a equipe de gravação entra na construção e, logo de cara, depara-se com modelos que não são da marca francesa, mas da Mercedes-Brenz. Esses carros estavam no que parecia ser o estacionamento principal.


Assim, a gravação segue para outros espaços e, consequentemente, mais surpresas aparecem. Isso porque, entre os carros encontrados, estão exemplares que tiveram uma participação significativa na história automobilística como, por exemplo, o clássico Citroën 2CV. O modelo teve produção entre os anos de 1948 e 1990, totalizando 42 anos de fabricação, e chegou a fazer muito sucesso no mercado.

Modelos Renault

Em seguida, o destaque vai para os modelos da Renault que, inclusive, são conhecidos próximos dos brasileiros. Entre eles, há nada menos que um Renault 19, que fez parte do mercado europeu entre os anos de 1988 e 1996. No Brasil, ele chegou importado da Argentina por volta do ano 1992 e vinha com algumas opções de motorização como o 1.6, 1.8 e 1.8 16V. Aqui, vale citar que esse modelo marcou o grande regresso da montadora para o país.

Mas, não é só. Outro carro encontrado, em boas condições pelo modo em que estava, foi o sedã médio Laguna. Além disso, também havia uma versão perua do modelo no local. No vídeo, é possível ver que o interior está intacto.


Reprodução

Para encerrar os carros, eles mostram um Renault Clio na primeira geração, que estreou na França em 1990. A versão, que tinha linhas simples e bem quadradas, apareceu pela primeira vez no Salão do Automóvel de Genebra, na Suíça, e oferecia quatro opções de motor. Sendo o primeiro deles um 1.2 a gasolina de 49 cv de potência.

Uma casa na concessionária

Ainda no vídeo, o narrador chega a questionar o que pode ter acontecido para o dono abandonar aquele espaço. Afinal, conforme a gravação avança, vamos identificando muitos objetos pessoais, incluindo itens como fotos de crianças, óculos de grau e diversos materiais. Portanto, parece que essas pessoas abandonaram o espaço às pressas.


Reprodução

Essa teoria fica ainda mais curiosa quando o grupo chega na parte de cima da loja e descobre que existe uma casa lá. Pois é, uma residência completa com banheiro, sala de estar, quarto e até cozinha. Nas imagens, é possível ver que, apesar da bagunça (afinal o local já deve ter sido revirado antes), está tudo lá. Desde louças, até livros e canetas jogados em cima da mesa, bem como camas, armários e brinquedos. Realmente algo muito incomum de se achar.

Abandono em 2007

Por fim, um cômodo esclarece muitas suposições. No andar de cima, existe uma espécie de escritório onde existem documentos de possíveis clientes antigos. Eles vão desde contratos até boletos e informações pessoais. Junto a isso, encontraram catálogos de veículos, revistas, materiais de divulgação, pastas de arquivos e um calendário, que datava o ano de 2007. Ou seja, o provável período no qual o prédio foi completamente abandonado e nunca mais reaberto.


Reprodução

Trancado por mais de 13 anos, o galpão tem peças de automóveis, bombas de combustível, elevadores de manutenção, tintas, massas de polir e ferramentas espalhadas por todos os lados. No entanto, não deixa de ser curioso como um lugar permanece intacto, com tantas coisas dentro sem ninguém, sequer, voltar para buscar.  

O Jornal do Carro está no Youtube

Inscreva-se