Você está lendo...
VW começa a construir 'giga fábrica' de baterias para carros elétricos
Mercado

VW começa a construir 'giga fábrica' de baterias para carros elétricos

Com produção prevista para ter início em 2025, nova "giga fábrica" da VW pretende fornecer baterias para cerca de 500 mil carros elétricos

Jady Peroni, especial para o Jornal do Carro

17 de jul, 2022 · 5 minutos de leitura.

Volkswagen
Gigafactory da Volkswagen terá investimento de mais de 20 bilhões de euros
Crédito:Divulgação/Volkswagen

A Volkswagen deu início à construção da sua primeira "giga fábrica" de baterias para carros elétricos na Alemanha. A unidade, que fica em Salzgitter, receberá um investimento maciço de mais de 20 bilhões de euros até 2030 e promete contratar cerca de 20 mil pessoas na Europa. Tal como a Tesla e outras marcas, incluindo a General Motors, a VW chama a nova fábrica de "Gigafactory" por conta do tamanho equivalente a 30 campos de futebol.

Com gestão da PorwerCo, a unidade terá capacidade anual de 40 gWh e vai fornecer baterias para cerca de 500 mil veículos elétricos. Dessa forma, a nova empresa será responsável por gerenciar as operações internacionais, bem como cuidará do desenvolvimento da tecnologia das células. A produção, inclusive, está prevista para começar em meados de 2025.

Volkswagen
Divulgação/Volkswagen

Vale dizer que a PowerCo também estará à frente de toda a cadeia de valor das baterias e do fornecimento de equipamento das fábricas da VW. Assim, a ideia é que, mais para frente, sejam incluídos novos produtos como, por exemplo, sistemas de armazenamento para a rede de energia. De acordo com as informações, já existem projetos de mais três fábricas, sendo que a próxima será em Valência, na Espanha. No entanto, além da Europa, a marca também estuda levar outras unidades para a América do Norte.



Baterias flexíveis

Sendo um passo importante na estratégia de mobilidade da VW, o grupo revelou que pretende trabalhar com células de baterias prismáticas unificadas. Ou seja, segundo a marca, são produtos que apresentam uma química nova, que é flexível e compatível com cerca de 80% dos modelos. Dessa forma, permitirá uma redução de 50% nos custos totais.

Com base nisso, o plano é operar seis fábricas de células na Europa até 2030, e aumentar o volume total de 40 GWh para 240 GWh. De acordo com a própria Volkswagen, alguns protótipos já estão em testes. E, até o momento, esses modelos demonstraram um alto desempenho em relação à autonomia, tempo de recarga e segurança.


Divulgação/Volkswagen

"O negócio de células de bateria é um dos pilares da nossa estratégia 'New Auto', que fará da VW um fornecedor líder da mobilidade sustentável e orientada por software. Estabelecer nossa própria fábrica de células é um megaprojeto em termos técnicos e econômicos", disse o CEO da Volkswagen AG, Herbert Diess.

Padronização e expansão

Embora seja um projeto de longo prazo, a VW diz que irá estabelecer novos padrões de sustentabilidade e inovação. Essa ofensiva será um importante passo para enfrentar outras fabricantes de baterias como, por exemplo, a BYD - que superou a Tesla.


Recentemente, inclusive, um estudo feito pela Bloomberg Intelligence afirmou que a Tesla pode perder posição nas vendas para a Volkswagen. Isso porque a marca alemã, além de ter um portfólio consolidado, traz cada vez mais autonomia e sistemas extras para os seus modelos, sem contar agora com os investimentos na criação de baterias e suprimentos.

Divulgação/Volkswagen

Para continuar crescendo, a VW já confirmou que haverá uma padronização não só nos equipamentos e estruturas, mas também em produtos, processos e serviços. Portanto, as fábricas poderão ser convertidas rapidamente para novas linhas de produção. De acordo com a alemã, cada fábrica vai operar 100% com fontes de energia renovável.


O Jornal do Carro está no Youtube

Inscreva-se
Deixe sua opinião