Blog do Boris Boris Feldman

06/04/2021 - 8 minutos de leitura.

Bandalha em postos: nossos bandidos são fichinha ao lado dos mexicanos

caminhao tanque transita pela regiao de puebla no mexico onde ocorre pratica conhecida como huachicol roubo de combustiveis Crédito:

No México, roubo de combustíveis tem até nome: “huachicol”; máfia brasileira, entretanto, não fica muito atrás

Encontrei um amigo que passou alguns meses no México. Ele comentou que me ouviu no AutoPapo (rádio), falando de uma operação de fiscalização da ANP na capital paulista. Eram fiscais (acompanhados da polícia) que encontraram uma das maiores lambanças ao chegar num posto que estava sendo abastecido de gasolina por um caminhão-tanque.

Para começo de conversa, o posto tinha sua licença revogada e operava ilegalmente. Além disso, a gasolina do caminhão não continha uma gota sequer de etanol, necessariamente adicionado (em 27%) para uma octanagem mínima. Pura, ela prejudica o desempenho e pode até provocar a quebra do motor. E a “cereja do bolo”: o caminhão era roubado!

O amigo me contou, a propósito, ser inimaginável a audácia da máfia mexicana que controla a adulteração de gasolina e seu roubo em caminhões-tanques e até em oleodutos. É tão marcante no país que até ganhou nome: Huachicol.

“Huachicol”

Os mafiosos foram agora ainda mais ousados ao idealizarem uma variação sobre o Huachicol nos postos: tomar de assalto as cabines de pedágio nas principais rodovias federais.

Chegam armados, obrigam o operador da cabine a deixar a cancela aberta e sumir do mapa. Postam-se então encapuzados na pista de acesso para cada cabine com uma mochila na cintura e param os veículos, exigindo um valor para liberá-los.

O motorista deve colocar sua “contribuição” pelo zíper aberto da mochila e o mafioso decide se o valor é coerente a partir de critérios subjetivos: o tipo de veículo, o jeitão do motorista, número de passageiros, etc. O motorista se vê forçado a aceitar a extorsão até por não saber (mas imaginar…) o que mais contem aquela mochila. A operação é chamada “Huachicol dos pedágios” e assim noticiada pela imprensa local e internacional.

A polícia? Às vezes a “Guardia Nacional” prende um ou outro mafioso para simular combate ao crime organizado. Mas há quem diga que a polícia tem o seu quinhão para deixar em paz os “huachicualeros”.

ocal onde ocorreu o “huachicol”, nos arredores de Puebla, no México: ladrões cavam e roubam combustível diretamente dos oleodutos (foto: Shutterstock)

O governo mexicano? Só falta declarar expressamente ser incapaz de combater o crime. O presidente do país chegou a sugerir “Abrazos en lugar de balazos” (“Abraços ao invés de tiros”).

Máfia brasileira

A máfia brasileira não é tão afrontosa, mas também cuida muito bem de seu “modelo de negócios”. Em relação aos combustíveis, comete os mais variados crimes:

Sonegação de impostos – O imposto estadual (ICMS) difere em cada estado. O combustível então é adquirido com nota fiscal (irregular) em outro estado para reduzir os tributos estaduais. Só este crime representa dezenas de bilhões de reais sonegados anualmente. Já se tentou uniformizar o imposto estadual em todo o país para evitar este desvio, mas há todo tipo de obstáculos.

Adulteração do combustível – O posto desonesto aumenta a proporção de etanol (que é mais barato) na gasolina. Ou acrescenta nafta. E entrega gato por lebre. O etanol não escapa e recebe maior volume de água. O diesel é fornecido sem o obrigatório biodiesel. Adulteram até o Arla 32, um líquido que reduz as emissões dos motores diesel. Sofrem o motor e a atmosfera.

“Bomba baixa” – Por controle remoto, o posto altera o volume de combustível entregue ao dono do carro. Se chega um fiscal, o controle remoto corrige a fraude.

Roubos em oleodutos – A placa “Cuidado ao escavar: oleoduto a uma profundidade de x metros” é um convite às perfurações. São centenas destes perigosos roubos que provocam vazamentos com riscos de incêndios.

Postos honestos e consumidores sofrem

Todas essas atividades criminosas representam centenas de bilhões de reais desviados anualmente das empresas, cofres públicos e consumidor. A maioria destes postos pertence a quadrilhas organizadas (tipo PCC) que também os utilizam na lavagem de dinheiro do tráfico de drogas.

E quase inviabilizam a operação dos empresários honestos, incapazes de competir por ter custos obviamente maiores, pois recolhem tributos e fornecem combustível de qualidade e quantidade corretas.

As grandes distribuidoras de combustíveis no Brasil estão descredenciando postos flagrados em operações fraudulentas. Só a BR cortou recentemente o contrato de cerca de 700 deles, 10% do total de sua rede. Também a Ipiranga, Raízen e Ale enfrentam o mesmo problema e procuram eliminar empresários mafiosos (ou seus “laranjas”) de suas redes de distribuição.

Uma das tristes conclusões de tudo isso é a dificuldade de o motorista brasileiro confiar num posto, pois tanto alguns franqueados por grandes marcas, como outros que não pertencem às suas redes (“bandeira branca”), prejudicam governo e consumidor.

Mais artigos
GLA
 Mercedes nasceu há 120 anos, numa derrapada de Herr Daimler
 Mais 10 trapalhadas: leitores (e Camus) enriqueceram a lista

Ofertas 0KM

Mais ofertas

Mais ofertas exclusivas

Veja todas as condições especiais