Blog do Boris Boris Feldman

12/04/2021 - 8 minutos de leitura.

Quem precisa de toda essa tecnologia no automóvel?

interior do mercedes classe e detalhe do joystick Crédito:

Por enquanto, você paga para levar dispositivos que não lhe interessam; em breve, você vai pagar sem levá-los…

No início dos anos 2000, os mais sofisticados Mercedes-Benz tinham no console um comando do tipo joystick com cerca de 600 funções. Pesquisa entre usuários revelou que desconheciam 90% delas…

Não há que discutir: palmas para a tecnologia que substituiu o execrável distribuidor e seu chiliquento platinado, que viviam pregando peça no motorista. Desregulava, “colava” ou queimava. E a solução era parar no acostamento, se a lixinha de unha não resolvesse. Tanto ele como carburador foram – em boa hora – para o museu.

Motor, câmbio, freios, suspensão e direção de um automóvel moderno funcionam – em termos mecânicos – exatamente como há 50 anos. A notável evolução é que todos eles são agora gerenciados eletronicamente.

A eletrônica foi chegando aos poucos. Começou resolvendo problemas que atormentavam os motoristas (platinado, por exemplo…) e tornou o carro mais confiável e eficiente. Passo seguinte foi também valioso ao incorporar dispositivos essenciais para a segurança ativa e passiva. Restrita, durante anos, aos cintos de segurança.

Festival de informatização

Daí para frente foi um verdadeiro festival de informatização capaz desde regular os amortecedores de acordo com o piso até chamar socorro no caso de um acidente. Informar o horário do avião ou reservar hotel.

Sem mencionar que volante e pedais estão também a caminho do mesmo museu onde já está reservado também um espaço nobre para o motor a combustão, exemplo de ineficiência e desperdício de recursos que resiste bravamente há mais de um século. Sem sinais de se aposentar tão cedo, apesar das dezenas de vantagens do elétrico.

Mesmo sem a eletrificação, o carro vai se sofisticando rápida e continuamente, incorporando novos dispositivos de segurança, conforto, eficiência, conectividade, informação e lazer. Por demanda do mercado, exigência da legislação ou… por imposição do fabricante.

Fato é que, seja lá como for, a eletrônica, restrita inicialmente a modelos mais sofisticados, vai tomando conta de toda a gama, desde o compacto até a limusine. E, paralelamente, a inevitável escalada das tabelas de preços.

Não bastassem as exigências da legislação que encarecem e tornam mais distante o acesso ao carro, as fábricas também “colaboram” e vão pressionando os clientes a levarem até equipamentos pelos quais não se interessam.

Quando as tecnologias atrapalham

Outro dia eu dirigia um Volvo com todas estas novidades eletrônicas. Entre elas, um dispositivo que não deixa o carro sair de sua faixa sem que a seta direcional tenha sido acionada. Eu vinha pela esquerda, numa rua de mão única e, de repente, alguém decide descer do passeio (calçada…) e faz menção de atravessar pelo asfalto, mesmo sem faixa de pedestre.

Dispositivo previne acidentes ao impedir que o motorista mude de faixas involuntariamente, mas pode causar problemas na necessidade de um desvio repentino (foto: Volvo | Divulgação)

Eu dei um golpe no volante para a direita quando pressenti o perigo. Mas o carro se aproximou da pintura no asfalto que divide as faixas e o sensor acionou o dispositivo que assume a direção e jogou-o de volta para a esquerda. Por um triz eu (ou o carro?) não o atropelei.

Este dispositivo previne acidentes ao impedir que o carro mude de faixas caso o motorista esteja desatento. Eu estava atento até demais, mas impossível, naquela situação, acionar a seta…

É paradoxal, porém os modelos mais modernos são dotados de tecnologia que compensa a desatenção do motorista, provocada pela própria tecnologia: smartphone acoplado à tela, sistemas automáticos de prevenção de acidentes, GPS, Waze e outras amenidades.

Pagar sem levar

Um dos problemas da eletrônica é que a fábrica vende “pacotes” de vários dispositivos e nem sempre permite que o freguês pague só o que lhe interessa. Mas pelo menos ainda leva o que paga. Porque brevemente, vai pagar sem levar. Como assim?

A Volkswagen acaba de pôr a cereja neste bolo tecnológico e anunciar um “revolucionário” sistema em que o dono do carro, depois de adquiri-lo, terá que pagar pela ativação de softwares adormecidos. Ou seja, o freguês paga pelo hardware instalado no carro, mas só terá direito a utilizá-lo mediante módica “contribuição” adicional à fábrica. Pode?

Tenho muitos amigos entre apaixonados pelo automóvel e outros que apenas o utilizam no dia-dia. A maioria deles, assim como eu, considera essenciais os dispositivos de segurança ativa (ABS, ESP…) ou passiva (cintos, air bags…). Mas não concordam em pagar para lidar com a “revolucionária” tecnologia que lhes complica a vida.

Outro dia eu comentei da saudade que tenho dos rádios com dois botões redondinhos, um para volume, outro para sintonizar as emissoras. E da antipatia pelos carros que insistem em se apoderar das funções do motorista. Meus amigos confessam exatamente o mesmo: também abominam a maioria dessas complexas modernidades…

Mais artigos
carro elétrico
GLA
 Mercedes nasceu há 120 anos, numa derrapada de Herr Daimler

Ofertas 0KM

Mais ofertas

Mais ofertas exclusivas

Veja todas as condições especiais