Você está lendo...
Carros verdadeiramente ruins, que tiveram vida efêmera no Brasil
Mercado

Carros verdadeiramente ruins, que tiveram vida efêmera no Brasil

Alguns carros eram tão ruins que não duraram muito por aqui. Veja alguns exemplos

Redação

02 de fev, 2020 · 11 minutos de leitura.

effa m100
O Effa M100 foi o primeiro carro chinês à venda no Brasil e confirmou todas as suspeitas que na época recaíam sobre produtos do país asiático
Crédito:André Lessa/Estadão

Carros ruins há vários. É comum um veículo ter algumas falhas. Mas tem carro que exagera. São tão ruins que tiram o sossego do dono, viram chacota. Ostentam mais defeitos que qualidades. E, nessas situações, às vezes o que resta é desaparecer do mercado. Sair de cena. Reunimos alguns carros que tiveram vida efêmera no Brasil. E não deixaram saudade.

Effa M100, sinônimo de carro ruim

O Effa M100 chegou em 2007, e foi o primeiro carro de passeio chinês vendido no Brasil. Porém, não convenceu. Na época, veículos chineses tinham fama de baixa qualidade, e o M100 confirmou tudo o que se suspeitava sobre eles. Com motor 1.0 a gasolina de 47 cv, o desempenho era fraco. Sofria em rampas, e a suspensão extremamente macia não passava a menor segurança, especialmente em curvas.

INSCREVA-SE NO CANAL DO JORNAL DO CARRO NO YOUTUBE


 

Em 2010, a Effa Motors fez um recall para substituição do cinto de segurança. A razão era que algumas unidades tinham vindo da China com cinto de segurança lateral traseiro de dois pontos. Na época, a legislação já exigia cintos de três pontos. O chamado envolvia algumas das 900 unidades vendidas entre 2008 e 2010.


Embora custasse apenas R$ 23.480 em 2010 e estivesse entre os modelos zero-quilômetro mais baratos do País, as vendas nunca decolaram. No mesmo ano, foi cogitado que o subcompacto iria ser feito pela Suzuki e ganharia melhorias, como rodas de liga leve, vidros elétricos nas quatro portas e direção também elétrica. Nada disso, no entanto, ocorreu, e o modelo saiu de linha.

Lifan 320

Ainda em 2010, outro chinês, o Lifan 320, foi avaliado pelo Jornal do Carro, e o texto levantava algumas suspeitas logo no começo: "Se o Lifan 320 vai vender bem no Brasil, ainda não se sabe, mas é certo que ele causará polêmica em razão de seu estilo. Cópia barata (além do preço bem em conta, sua qualidade deixa a desejar) do Mini Cooper, o hatch chinês tenta oferecer, ao seu modo, status com tabela de carro nacional 'popular' ? R$ 29.980".


O ?Mini da China? tinha motor 1.3 de 88 cv, e vinha com ar-condicionado, direção hidráulica, vidros e travas elétricos, freios ABS, air bag duplo, painel digital e retrovisores elétricos.

O texto ressaltava o bom desempenho: "Como o Lifan 320 é leve (são 920 quilos), a potência do motor o deixa bem esperto. Sua suspensão trabalha bem, mas não espere a estabilidade de um Peugeot 207, por exemplo".


A fragilidade não demorou a aparecer. Na época, havia queixas relacionadas a falhas no sistema elétrico. Caso de vidros, travas e marcador de combustível que deixavam de funcionar, por exemplo. Houve relatos também de cheiro de combustível invadindo o interior. Em 2014, o modelo deixou de ser vendido.

Uma curiosidade: no ano passado - portanto cinco longos anos depois de o modelo ter saído de linha no País - a Justiça proibiu a marca de vender o 320 no Brasil, por causa da semelhança com o Mini!

Troller Pantanal

A Troller apresentou a picape Pantanal no Salão do Automóvel de 2004. As vendas, no entanto, começaram em 2006. Voltada para o trabalho, tinha exclusivamente tração nas quatro rodas. A mecânica era a mesma do jipe T4. Na época, o modelo vinha com motor MWM 3.0 turbodiesel, de 163 cv.


A expectativa da fábrica cearense era não apenas abastecer o mercado interno, mas também exportar. Em 2005, a fábrica anunciou que enviaria um lote de 12 unidades para Angola, para análise do modelo e posterior montagem em CKD (carros desmontados) no país africano.

+ Veja a avaliação do novo Troller TX4, com câmbio automático


Na época, a Troller informou que havia investido R$ 32 milhões no desenvolvimento da picape, mas pouco tempo depois o pior aconteceu. A Ford, que comprou a empresa cearense em 2007, detectou problemas estruturais na picape. O caso era tão grave que a multinacional decidiu recomprar as 77 unidades vendidas, para recolhimento e destruição. Houve quem se recusasse a fazer o acordo com a montadora, e preferiu manter - por conta e risco - o modelo.

Cross Lander CL-244

O CL-244 chegou a ser produzido em Manaus (AM) em 2002. O modelo era inspirado no Land Rover Defender, mas conseguia ser ainda mais rústico que o jipe inglês.

O jipão era um veículo da romena Aro. Tinha tração 4x4 com sistema de roda livre e câmbio manual de cinco marchas. O motor 2.8 turbodiesel era da International. Gerava 132 cv de potência e 36,2 mkgf de torque.


De acordo com o texto de avaliação do Jornal do Carro, "o acabamento prima pelo despojamento. Algumas soluções são bem adequadas, como o revestimento de borracha no assoalho, mas ainda há muito a ser aprimorado", notou o repórter. "A qualidade dos materiais poderia ser melhor, o que serve para as laterais das portas, painel e console central, todos de material plástico. O volante também merecia um desenho mais moderno e um acabamento melhor. Por outro lado, os bancos são confortáveis e o espaço interno é bom".

Mais adiante, o repórter notou a dificuldade de entrar no modelo pelas portas de trás, "pois o espaço de acesso para o banco traseiro não é dos melhores". Isso se devia ao fato de a coluna central ficar muito recuada. Se era difícil entrar no banco de trás, por outro lado o motorista, ao olhar para o lado, dava de cara com a coluna.




O balanço da avaliação revelou comportamento limitado (leia-se desconfortável) no asfalto, e valente na terra. Isso, no entanto, não foi suficiente para que o modelo tivesse vida longa por aqui, e logo ele desapareceu.

Picape Mahindra

A Mahindra é uma marca indiana, que chegou a montar um modelo de picape e um utilitário-esportivo em Manaus. Em 2014, o Jornal do Carro avaliou a picape e notou algumas falhas graves. A maior delas: "Os pedais ficam muito distantes dos pés do motorista, mesmo com o banco regulado corretamente".

De acordo com a avaliação, a picape pecava "por oferecer baixo nível de conforto ao volante e ergonomia pouco funcional". O texto afirmava que os ajustes da altura do volante, por meio de alavanca, eram duros. "Nele há até botões para comandar o rádio, mas as respostas são pouco precisas ? algumas vezes, simplesmente não funcionam."


O motor 2.2 a diesel de quatro cilindros rendia 120 cv e chamou a atenção por ser "ruidoso". O câmbio de cinco marchas apresentou engates duros e difíceis. O torque de 29,5 mkgf a "baixos" 1.600 rpm foi elogiado, assim como a maciez da suspensão, mesmo com a caçamba vazia.

A direção com assistência hidráulica, que "facilita as manobras de estacionamento", também foi lembrada. Mas a falta do controle de estabilidade foi citada. "Ao trafegar em locais com piso de baixa aderência com a caçamba vazia, o utilitário apresenta tendência a sair de traseira, escapando da trajetória quando se pisa mais firmemente no acelerador."


Apesar desses ?escorregões?, o texto reforçava que a picape tinha cabine "bem construída e poucas rebarbas no acabamento". Mas a Mahindra também não foi adiante no Brasil.