Você está lendo...
Motor Fiat Fire sairá de linha no Brasil após quase 40 anos no mercado
História

Motor Fiat Fire sairá de linha no Brasil após quase 40 anos no mercado

Mais longínqua linha de motores do Brasil, unidades Fiat Fire nasceram na Europa em 1985, e atualmente equipam apenas dois modelos da marca

Rodrigo Tavares, especial para o Jornal do Carro

21 de fev, 2024 · 6 minutos de leitura.

Publicidade

Motor Fire moveu veículos da Fiat por anos, e ainda resiste em dois modelos
Crédito:Fiat/Divulgação

Um dos motores mais longevos da história da indústria automotiva está com os dias contados. Trata-se do motor Fiat Fire, que equipou quase toda a sorte de modelos da marca italiana, servindo de propulsão para clássicos como Uno, Palio, Siena e outros, por exemplo. Hoje, o mais antigo motor de ciclo Otto para modelos de passeio do Brasil, equipa poucos modelos da marca, mas isso mudará em breve.

Assim como em outras partes do mundo, o Brasil também precisa cumprir com obrigações relacionadas a emissões de poluentes. Deta forma, e com a iminência do Proconve L8 em 2025, o longínquo motor da Fiat deixará de ser fabricado, dando espaço a uma unidade mais moderna no subcompacto Mobi: o motor Firefly, segundo informou o site Autos Segredos.



(Stellantis/Reprodução)
Conjunto foi trabalho até por uma equipe de design para favorecer seu desenho final (Stellantis/Reprodução)

Publicidade


O motor em linha mais antigo do Brasil nasceu em 1985, na Itália, e ao contrário do que o nome sugere, sua origem não é da palavra “fogo” em inglês, mas sim uma sigla, para "Fully Integrated Robotised Engine", que em português significa Motor Completamente Fabricado por Robôs. Foi o primeiro motor da marca italiana projetado para construção inteiramente eletrônica, feita por mão de obra robótica, economizando tempo e priorizando a produção em massa.

Subcompacto da Autobianchi foi o primeiro a utilizar motores Fire

(Stellantis/Reprodução)
Autobianchi Y10 foi o primeiro a receber os novos motores (Stellantis/Reprodução)

Começou sua jornada equipando um pequeno hatch italiano, chamado Autobianchi Y10 (ou Lancia, dependendo do mercado). Curiosamente, o subcompacto divide muitas peças com o Uno de primeira geração, até mesmo a plataforma. Por lá, usava uma unidade Fire 0.8, com 34 cv, ou 1.0 de 45 cv de potência. 


Por aqui, os primeiros Fire chegaram nos anos 2000, substituindo as robustas unidades Fiasa usadas até então. Coube ao Palio 1.3 16v, em fevereiro de 2000, ser o primeiro a receber a nova motorização, bem como a perua Palio Weekend e o sedã Siena. Em 2001, junto do facelift, chegava a versão 1.0 16v, e em 2002, as versões 8v dos 1.0 e 1.3, significando um cabeçote simples, para modelos de entrada.

(Fiat/Divulgação)
Família Palio foi precursora dos motores Fire no Brasil (Fiat/Divulgação)

Em 2003 o conjunto 1.3 passou a ter sistema bicombustível, e passou posteriormente a se chamar 1.4 (por conta do deslocamento de 1.368 cm³). Era equipado apenas com cabeçote de 8 válvulas, com variação de fases. Já em 2010 chegava ao mercado o Fire Evo, com atualizações como pistões e bielas novos. Assim, reduzia-se o atrito, e chegava o variador de fase contínuo na unidade 1.4. Em 2022, mais atualizações, desta vez para manter o motor conforme o Proconve L7 exige.


Fiat Mobi resiste como último Fire 1.0 em linha

Atualmente, os motores Fire só existem no subcompacto Mobi, em forma 1.0, e nos utilitários Fiorino e Peugeot Partner Rapid, na variante 1.4. No subcompacto, rende 71 cv com gasolina, e 74 cv com etanol, com 9,3 mkgf e 9,7 mkgf de torque, respectivamente. Nos utilitários, o 1.4 entrega 84 cv com gasolina, e 86 cv com etanol, e 11,8 mkgf e 12,2 mkgf de torque, respectivamente.

Fiat/Divulgação
Atualmente, apenas o Mobi utiliza a unidade Fire 1.0 (Fiat/Divulgação)

Contudo, apostando na virada do ano e a chegada do Proconve L8, é seguro dizer que a família de motores Firefly, 1.0 e 1.3, assumirá o posto. O conjunto de 1 litro tem três cilindros e seis válvulas, e rende até 75 cv e 10,7 mkgf de torque, com etanol. Já o 1.3 tem quatro cilindros e oito válvulas, com até 107 cv e 13,7 mkgf de torque, também no etanol.


Assim, é difícil crer em uma sobrevida dos motores Fire, uma vez que emissões e opções mais eficientes no Grupo Stellantis estão disponíveis. Desta forma, as unidades Fire dividem espaço com os motores Chevrolet Família I (1.8 SPE/4 presente na Spin) que remontam aos anos 80, e os PSA 1.6 EC5, vindos dos anos 90, como um dos motores mais antigos do País.

O Jornal do Carro também está no Instagram!

O Jornal do Carro está no Youtube

Inscreva-se
Fiat Strada Ultra Turbo 200: como é a nova versão da picape mais vendida do Brasil


Deixe sua opinião