Emily Nery, special para o JC

18/09/2020 - 4 minutos de leitura.

‘Motorista’ de Uber autônomo é indiciada por atropelamento

Vídeo mostra que a motorista, que deveria intervir em caso de risco de acidente, estava assistindo TV e, por isso não evitou o s

uber
Uber encerrou suas operações para testes de direção autônoma no Arizona após acidente Crédito: Uber/Divulgação
Carro

Vai comprar um 0km? Nós te ajudamos a escolher.

A motorista do carro autônomo da Uber que atropelou e matou uma ciclista em 2018 foi indiciada por homicídio. O acidente ocorreu em 2018, na cidade de Tempe, no Estado norte-americano do Arizona. A Justiça a acusa Rafaela Vasquez de homicídio por negligência. Segundo os promotores, a morte poderia ter sido evitada se ela tivesse tomado o controle do carro.

Elaine Herzberg, de 49 anos, atravessava a rua com uma bicicleta quando foi atingida por um Volvo XC90 a 63 km/h. O carro, equipado com sistemas de condução autônoma, estava sendo testado pela Uber.  Imagens de dentro do veículo mostram que a “motorista” olhava constantemente para baixo.

Em todos os testes de carros autônomos deve haver alguém habilitado a bordo. O objetivo é que esse motorista “estepe” intervenha em caso de risco iminente de acidente. Segundo a polícia de Tempe, Rafaela estava assistindo ao programa de TV “The Voice”. O registro de streaming Hulu também identificou que o dispositivo estava transmitindo um programa televisivo.

As investigações da Organização Nacional pela Segurança dos Transportes (sigla NTSB, em inglês) apontaram que o erro humano foi o principal responsável pelo acidente. O vice-presidente da organização notificou no relatório: “Nesta viagem, o motorista de segurança (que se identifica como do gênero feminino) passou 34% do tempo olhando para o celular, que transmitia um programa da TV”.

Apesar do acidente, Uber foi inocentada

A Uber, por sua vez, não foi responsabilizada criminalmente. De acordo com a decisão da promotoria responsável pela investigação, “não há base para responsabilidade criminal”. Logo após o acidente, a companhia encerrou suas operações para testes de direção autônoma no Arizona. O fato resultou na primeira morte registrada envolvendo um veículo autônomo da companhia.



O relatório do NTSB ainda explica por que o carro não identificou a vítima. O documento aponta que o sistema não conseguiu classificar o objeto como um pedestre, já que Elaine não estava transitando em uma faixa de pedestre. A tecnologia a identificou como “veículo, bicicleta e outro”. Por isso, freou apenas 1,3 segundo antes da colisão.

Sistema de segurança foi desativado

A Uber também desativou o sistema de frenagem de emergência, porém o recurso não foi projetado para avisar ao motorista sobre a desativação ou ativação.

A motorista se considerou como não culpada e foi acusada no dia 27 de agosto pelo homicídio. Rafaela compareceu ao tribunal na terça-feira, dia 15, e aguarda o julgamento em liberdade. Ele está marcado para fevereiro de 2021. A Uber não se pronunciou sobre o indiciamento de Rafaela.

Inscreva-se no canal do Jornal do Carro no YouTube

Veja vídeos de testes de carros e motos, lançamentos, panoramas, análises, entrevistas e o que acontece no mundo automotivo em outros países!

Inscrever-se

Notícias relacionadas


Ofertas 0KM

Mais ofertas

Mais ofertas exclusivas

Veja todas as condições especiais