Mercado

Os novos SUVs de 7 lugares de Honda, Hyundai e Renault cotados para o Brasil

Honda BR-V, Hyundai Alcazar e Renault Bigster vão criar nicho de SUVs compactos de 7 lugares no Brasil; novos modelos chegam a partir de 2023

Vagner Aquino, especial para o Jornal do Carro

06 de out, 2021 · 8 minutos de leitura.

Honda BR-V SUVs de 7 lugares" >
Lançado na Indonésia em setembro, o novo Honda BR-V usa a mesma base da nova geração do City, que será feita no Brasil
Crédito:Honda/Divulgação

O que era uma tendência de mercado, tornou-se uma realidade avassaladora. Os SUVs já respondem por 41% das vendas de automóveis e comerciais leves no Brasil. Por isso, o mercado começa a receber novos utilitários de vários tamanhos. E, dentre as novidades, um segmento promete ganhar força nos próximos dois anos: SUVs de 7 lugares.

Atualmente, há poucas opções de utilitários para sete pessoas. O modelo mais vendido é o Toyota SW4, derivado da picape média Hilux. Além dele, há o Caoa Chery Tiggo 8 e o recém-lançado Jeep Commander, novo SUV feito em Pernambuco. Porém, os três têm preços na faixa dos R$ 200 mil. Assim, as marcas preparam SUVs compactos de 7 lugares.

SUVs de 7 lugares Hyundai Alcazar
Hyundai/Divulgação

Nesse sentido, inevitável não citar o Hyundai Alcazar. O SUV lançado em junho desse ano na Índia é a versão alongada do novo Creta. O modelo tem até opção de 6 lugares no formato 2+2+2, com um console entre os bancos da fileira do meio.

Alcazar

Embora a Hyundai negue, o Alcazar pode chegar ao Brasil. Afinal, além de usar a mesma base do novo Creta, o SUV de 7 lugares foi feito para mercados emergentes. Na Índia, tem preço inicial equivalente a R$ 110 mil. A cabine maior é o seu principal trunfo. São 150 milímetros a mais de entre-eixos em relação ao Creta, com 2,76 metros no total.

SUVs
Hyundai/Divulgação

Visualmente, o Alcazar tem mudanças visuais importantes. A dianteira é praticamente igual, salvo os contornos da grade, dos faróis e do para-choques. Já traseira tem estilo próprio e é bem diferente em relação ao Creta. As lanternas, por exemplo, são maiores e com estilo mais tradicional. A tampa do porta-malas também muda, assim como o para-choques.

O acabamento mantém o padrão visto no novo Creta, que aposta em uma cabine mais requintada. Já a lista de equipamentos tem itens que vão do sistema multimídia com tela de 10,25" (com Apple CarPlay e Android Auto) e do painel de instrumentos digital, ao ar-condicionado automático, câmera 360 graus e teto solar panorâmico.

SUVs
Hyundai/Divulgação

Na Índia, o Hyundai Alcazar tem duas opções de motorização. Estão disponíveis o motor 1.5 turbo diesel de 115 cv, e o 2.0 aspirado a gasolina de 159 cv. Os indianos podem escolher ainda entre câmbios manual ou automático, ambos com 6 marchas. A tração é sempre dianteira.

Renault Bigster

Ao contrário da Hyundai, a Renault já deixou bem claro que sua estratégia no Brasil é ampliar o número de SUVs. Para isso, mandou até abortar as novas gerações de Logan e Sandero. A decisão veio da matriz da marca, na França.

Dacia/Divulgação

O fato é que, no começo deste ano, a Renault revelou (ainda como protótipo) o inédito Bigster. E o SUV promete sacudir a marca por aqui, seguindo as orientações do CEO da marca, Luca de Meo. Maior que o Duster, o novo SUV da marca francesa será lançado até 2023 na Europa (primeiro por meio da romena Dacia).

Mesmo com visual parrudão, dá para notar que o veículo segue as linhas do Duster. Entretanto, é claramente maior e mais moderno. O Bigster usa a nova arquitetura modular CMF-B, já confirmada para a América do Sul. É com essa arquitetura que o SUV terá o entre-eixos e o balanço traseiro alongados para, então, oferecer a terceira fileira de bancos.

Dacia/Divulgação
Continua depois do anúncio

Até o momento, a Renault não detalhou muito o Bigster. Mas, é certo que o utilitário será produzido no Brasil, na fábrica de São José dos Pinhais, no Paraná. Aqui, o novo SUV da marca francesa terá o motor 1.3 turbo flex de 170 cv, que estreou no Captur.



Honda BR-V

Em setembro, a Honda apresentou o novo BR-V na Indonésia. O modelo era um misto de crossover e minivan. Porém, agora, surge sobre a plataforma do novo City e virou oficialmente um SUV. No Brasil, o Honda BR-V está cotado para ocupar a lacuna do HR-V atual. Isso porque a nova geração do HR-V será lançada no Brasil no início de 2022 e vai subir de patamar.

Na Ásia, o novo BR-V chegou com preço inicial equivalente a R$ 90 mil e opções de 5 e 7 lugares. Entretanto, no Brasil, a estimativa é que custe entre R$ 100 mil e R$ 140 mil. A produção será na fábrica da marca em Itirapina (SP) a partir de 2023.

Honda BR-V
Honda/Divulgação

Na mecânica, o Honda BR-V tem as mesmas opções da nova geração do City. Ou seja, caso venha para o mercado brasileiro, o novo SUV será equipado com motor 1.5 16V flexível e naturalmente aspirado de 121 cv e 14,5 mkgf de torque, e câmbio automático CVT.

Com o lançamento do novo Honda City, a marca japonesa vai encerrar a produção nacional do Fit e Civic. Assim, o SUV compacto deverá também substituir o atual WR-V.

Honda BR-V SUVs de 7 lugares
Honda/Divulgação

Feito a partir do conceito N7X, o Honda BR-V ainda não teve detalhes técnicos revelados. Mas já sabemos que a lista de itens será robusta, com detector de ponto cego, partida remota, controle de cruzeiro adaptativo, assistente de permanência em faixa, bem como farol alto automático. Não é por acaso que a nova Chevrolet Spin será um crossover.

O Jornal do Carro está no Youtube

Inscreva-se