Diogo de Oliveira, especial para o JC

15/09/2020 - 4 minutos de leitura.

Renault vai desenvolver e produzir próxima geração do Nissan March

Nova estratégia da Aliança Renault-Nissan-Mitsubishi terá maior integração entre as marcas e fábricas para reduzir custos

march
NISSAN MARCH QUE NÃO CHEGOU A SER VENDIDO NO BRASIL Crédito: NISSAN
Carro

Vai comprar um 0km? Nós te ajudamos a escolher.

A Aliança Renault-Nissan-Mitsubishi está revendo toda a estratégia após o longo período de incertezas causado pelo escândalo envolvendo o ex-CEO do grupo, Carlos Ghosn. A síntese desse plano é a integração total entre as empresas. Será quase uma fusão, em que as montadoras vão unir fábricas e produzir carros umas para as outras, sobre plataformas compartilhadas, para reduzir custos. Um dos primeiros modelos nesse molde será o Micra, o Nissan March.

“Para a próxima geração do March, nós vamos seguir a Renault, e pedir a eles que desenvolvam e produzam o novo March para nós”, disse o diretor de operações da Nissan, Ashwani Gupta, em entrevista ao diário francês Le Monde. A renovação do compacto está prevista para 2024. Vale lembrar que na Europa o March é chamado de Micra.



Isso já acontece parcialmente com o atual (das fotos), que é produzido pela francesa no subúrbio de Paris. O que vai mudar é que a Renault vai projetar o próximo Nissan Micra, sendo responsável por cada parafuso. A ordem dentro da aliança é de redução de custos. Por isso, cada empresa vai se dedicar a certos tipos de carros.

No Brasil, o resultado dessa reaproximação entre as marcas talvez não demore muito a chegar às ruas. Após encerrar a produção do compacto March na fábrica de Resende (RJ), a Nissan já planeja o seu sucessor. A empresa abriu mão do hatch por um novo SUV, o Magnite, futuro primo-irmão do Renault Kwid.

Inscreva-se no canal do Jornal do Carro no YouTube

Veja vídeos de testes de carros e motos, lançamentos, panoramas, análises, entrevistas e o que acontece no mundo automotivo em outros países!

Inscrever-se

Mudanças são para ‘esquecer’ o caso Ghosn

O último um ano e meio foi bastante conturbado para as empresas após o ex-CEO, Carlos Ghosn, ser preso em novembro de 2018. Acusado de fraude fiscal e irregularidades em sua gestão, o executivo foi levado pela polícia ao desembarcar a negócios no Japão. Sem provas concretas, os japoneses o mantiveram preso na cadeia e, posteriormente, em prisão domiciliar.

Para a surpresa das autoridades japonesas, Ghosn conseguiu fugir do país no dia 30 de dezembro de 2019, às vésperas do réveillon. Com tripla nacionalidade (brasileira, francesa e libanesa), o executivo voou clandestinamente até Beirute, no Líbano, onde aguarda, em liberdade, os desdobramentos judiciais. Após escapar, Ghosn disse que fugiu da “injustiça do sistema jurídico japonês”.

march
NISSAN

Notícias relacionadas


Ofertas 0KM

Mais ofertas

Mais ofertas exclusivas

Veja todas as condições especiais