Tião Oliveira

28.04.2020 | 4:00

Os carros de chefes de Estado

Entre os carros usados pela realeza e por chefes de Estado no mundo todo, há de clássicos, como o Rolls-Royce de 1952 do governo brasileiro a bunkers sobre rodas, como o Cadillac de Donald Trump

CHEFES DE ESTADO
03_PRESIDENTE_RR-MEDICErr_pres14 Crédito: ARQUIVO
Carro

Vai comprar um 0km? Nós te ajudamos a escolher.

A ligação entre carros e chefes de Estado sempre foi muito estreita. Por isso quem está no topo da cadeia de decisão, seja o presidente, o primeiro-ministro de um país ou mesmo um monarca, não pode rodar a bordo de um automóvel qualquer. O cargo exige um veículo que esteja à altura de sua importância, uma vez que marca presença no cotidiano do dirigente e em ocasiões mais formais, como visitas oficiais e recepções a outros chefes de Estado.

Ludovic Marin/Reuters

Por isso os veículos destinados a essa função devem ter muitos predicados. De um lado, têm de oferecer luxo e conforto para o mandatário do cargo de maior pompa. De outro, um reforço na segurança. Afinal, esses modelos têm de ser capazes de garantir a integridade física dos ocupantes em caso de um eventual atentado.

Trump usa bunker sobre rodas

O modelo que ilustra perfeitamente essa dualidade é o Cadillac One. Trata-se do carro utilizado pela presidência dos Estados Unidos desde 2009. A versão atual, batizada de “The Beast” (A Besta) é de 2018. A limusine tem carroceria feita pela General Motors sobre o chassi de um caminhão GMC Topkick. Isso porque um monobloco convencional não suportaria o peso da blindagem e dos itens de segurança.

A carroceria, composta por uma sobreposição de camadas de aço, cerâmica e titânio, tem 20 cm de espessura e as janelas, 13 cm. É o suficiente para proteger os ocupantes de disparos de fuzis, metralhadoras e até alguns tipos de mísseis.

No caso de um eventual ataque químico, tanques de oxigênio estão à mão. Há até bolsas com sangue do mesmo tipo do presidente.

Chefes de Estado
Mike Segar/Reuters

Escolha pela Cadillac

Mas o risco de o chefe de Estado ser atingido é remoto. Uma grossa parede de vidro separa o presidente do motorista. Há ainda telefone via satélite com linha direta com o Pentágono, o vice-presidente e o Departamento de Defesa dos EUA.

E, obviamente, armas. Como fuzis e bombas de gás lacrimogêneo. Um sistema que libera óleo na pista atrás do carro, fumaça na dianteira e um lançador de granadas estão entre os artefatos disponíveis.

A Cadillac, que pertence à GM, já havia sido a marca de vários veículos presidenciais dos EUA. É o caso do Majestic Series de Woodrow Wilson, do V8 de 1928 utilizado por Franklin Roosevelt, do Eldoradoconversível de 1953 de Dwight Eisenhower e do Fleetwood de 1993 que serviu Bill Clinton.

Stoyan Nenov/Reuters

Putin chegou primeiro

O atual carro do presidente norte-americano foi incorporado à frota logo após o governo russo apresentar a nova limusine utilizada por Vladimir Putin. O carro do mandatário russo estreou na cerimônia de posse para o quarto mandato.

O modelo, desenvolvido pela fabricante local Nami, é bastante parecido com o Rolls-Royce Phantom, principalmente na dianteira. A grade retangular tem tiras verticais e o emblema da Auros no topo. Abaixo dos faróis de LEDs, há grandes entradas de ar com aros cromados.

Batizado de Aurus Senat, o modelo tem 6,62 metros de comprimento e pesa mais de seis toneladas por causa da blindagem, feita para proteger os ocupantes de explosivos e disparos de armas pesadas. O motor é um Porsche V8 de 4,4 litros com turbo que gera 600 cv.

Inscreva-se no canal do Jornal do Carro no YouTube

Veja vídeos de testes de carros e motos, lançamentos, panoramas, análises, entrevistas e o que acontece no mundo automotivo em outros países!

Inscrever-se
Charles Platiau/Reuters

Chefes de Estado valorizam ‘prata da casa’

Em comum, os chefes de grandes potências costumam priorizar a “prata da casa”. Na França, por exemplo, todos os 30 modelos utilizados pelos presidentes desde 1906 foram construídos por marcas do país. Desse total, dez eram Citroën, nove da Renault e cinco da Peugeot.

O mais emblemático deles certamente foi o Citroën DS 19 de 1962 utilizado por Charles de Gaulle e Georges Pompidou. O atual presidente francês Emmanuel Macron tem à sua disposição dois modelos feitos sob medida: um DS 7 Crossback e um Peugeot 5008.

Na Itália, os carros de chefes de Estado são o Lancia Thesis e o Maserati Quattroporte. Para solenidades, há dois exemplares da limusine Lancia Flaminia Presidenziale construídas em 1960.

Bentley/Divulgação

Rainha Elizabeth usa Bentley

A família real britânica tem uma grande frota à disposição. O Bentley State Limousine é o carro oficial da rainha Elizabeth II. O primeiro-ministro Boris Johnson, por sua vez, tem à disposição um sedão Jaguar XJ Sentinel. Trata-se do mesmo carro que foi utilizado por sua antecessora, Theresa May.

No Brasil, assim como no Chile e na Austrália, há dois veículos presidenciais bem diferentes um do outro. Um é um clássico, utilizado apenas em solenidades e comemorações. O outro é um carro mais atual, para as tarefas do dia a dia dos chefes de Estado.

Em datas especiais como o feriado de 7 de setembro (Dia da Independência), é o Rolls-Royce Silver Wraith de 1952 que sai às ruas. Foi a bordo dele que o atual mandatário Jair Bolsonaro desfilou no dia de sua posse.

Por ora os carros de trabalho da presidência são os Ford Fusion Hybrid e Edge. Os modelos atuais são de 2018.

Shamil Zhumatov/Reuters

Mercedes é a queridinha dos poderosos

A Mercedes-Benz fornece os sedãs Classe S para os presidentes de países como Bélgica, Camboja, Finlândia, Índia, Vietnã e Coreia do Sul – além, evidentemente, da Alemanha. A chanceler Angela Merkel também utiliza um sedã Audi A8.

Até o ditador norte-coreano Kim Jong-Un conta com dois modelos Mercedes-Maybach. Como o país sofre sanções internacionais, os carros foram contrabandeados ao país.

A Mercedes, aliás, é a marca preferida dos mandatários no mundo todo. Levantamento feito pelo site TitleMax, da área financeira, apontou que de 45 Estados listados, incluindo o Vaticano, 15 têm modelos da marca alemã a serviço de seus líderes.

Natasha Pisarenko/AP

Mujica recebeu oferta de US$ 1 milhão por Fusca

Em 2014, um xeque árabe ofereceu US$ 1 milhão (equivalentes a R$ 2,4 milhões na época) pelo Fusca azul de 1987 do então presidente do Uruguai, José “Pepe” Mujica. A oferta inusitada teria sido feita em junho daquele ano, durante a cúpula de G77+China, em Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia – o nome do interessado não foi revelado.

Mujica, que ficou conhecido por ser o chefe de Estado mais abnegado do mundo, disse que jamais venderá seu Volkswagen. Três meses depois, o embaixador do México, Felipe Enríquez, ofereceu, sem sucesso, dez carros novos em troca do famoso Fusca.

Notícias relacionadas


Ofertas 0KM

Mais ofertas

Mais ofertas exclusivas

Veja todas as condições especiais


OFERTA EXCLUSIVA

Citroën C4 CACTUS 1.6 16V FEEL AUTO