Notícias

Harley-Davidson lança marca de bicicletas elétricas Serial 1

Serial 1 será uma empresa a parte da Harley-Davidson; primeiro produto chega em março de 2021

Redação

28 de out, 2020 · 3 minutos de leitura.

harley-davidson" >
CONCEITO DO PRIMEIRO MODELO DA SERIAL 1
Crédito:SERIAL 1

A Harley-Davidson vem passando por um período difícil. A centenária marca de motos tenta melhorar os lucros e as vendas. Agora, para aumentar o alcance com outros públicos, lança a empresa de bicicletas elétricas Serial 1.

O nome da nova empresa vem do apelido da primeira moto da Harley-Davidson: Serial Number One. Dela também herda o visual para inspirar o primeiro modelo com design retrô. Em março de 2021 a primeira bicicleta chega às lojas.

Sem detalhar o produto, é possível ver algumas características da linha H-D. Ela usará correia dentada no lugar de corrente. O motor fica no centro do conjunto com os pedais. Luzes de LEDs vêm integradas na frente e atrás. Toda a fiação está escondida no quadro para dar um visual limpo. A Serial 1 não informou a autonomia.



O Jornal do Carro está no Youtube

Inscreva-se

A Serial 1 surgiu como um projeto dentro do centro de desenvolvimento de produtos. A empresa diz que "um grupo de entusiastas por bicicletas e apaixonados por motocicletas" vem trabalhando em projetar a bicicleta elétrica com DNA da Harley-Davidson.

Harley-Davidson tinha mostrado outros conceitos

A primeira bicicleta da marca é diferente do que se esperava. A Harley-Davidson havia mostrado alguns conceitos em 2018. Eram parte da estratégia "More Roads To Harley-Davidson".

Todos chegariam ao mercado entre 2021 e 2022. Esse plano não funcionou e foi abandonado no início de 2020. Agora, foi substituído por um novo, batizado de "Hardwire". Com isso, não é certo que esses conceitos continuem na prancheta da marca.

Livewire foi primeira aposta em segmento de elétricos

A iniciativa de apostar no segmento de elétricos surgiu com a Livewire. A moto elétrica está á venda nos EUA e na Europa. Ela tem 180 km de autonomia com 100% da carga. Por US$ 29 mil é a moto mais cara da marca atualmente. Na conversão direta, isso equivale a R$ 166 mil.