Senado discute proibição de carros a combustão para 2060

Projeto de lei pode virar marco legal para a eletromobilidade no Brasil

combustão
Crédito: PIXABAY

O projeto de lei que proíbe a venda de veículos movidos a combustão a partir de 2060 deve virar um marco legal para a eletromobilidade brasileira, defendem representantes do governo e da indústria automobilística em audiência pública ontem, 7, no Senado.

O PLS 454/2017, de autoria do senador Telmário Mota (PTB/RR), prevê mudanças graduais para a venda de carros no Brasil. A partir de 2030, 90% dos veículos vendidos poderiam ter tração automotora por motor a combustão. O percentual passaria para 70% em 2040, 10% em 2050, até a proibição em 2060.

Para o presidente da Associação Brasileira de Veículos Elétricos (Abve), Ricardo Guggisberg, as metas propostas pelo projeto são modestas se comparadas às de outros países. Guggisberg destacou que o Brasil quintuplicou sua frota de carros elétricos e híbridos desde 2016. Um fator que contribui positivamente para a competitividade dos veículos elétricos é a queda do custo da energia armazenada, que deve se equiparar em breve aos preços de combustíveis.

Em 2018 entrou em vigor o Rota 2030, que estabelece um conjunto de diretrizes do governo federal para a indústria automobilística na próxima década. O programa inclui metas de eficiência energética para motores movidos a combustíveis fósseis e estímulo à produção de carros híbridos e elétricos.

O diretor técnico da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Henry Joseph Jr., defende que o projeto de lei deve se integrar ao Rota 2030 e fomentar alternativas em vez de apenas restringir. “É mais produtivo ter fatores indutores, o que pode permitir que a gente vá se acomodando adequadamente”, argumenta Joseph Jr.

A necessidade de mudança para modelos de baixo carbono foi ressaltada por José Mauro Coelho, diretor de Estudos do Petróleo, Gás e Biocombustíveis da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), vinculada ao Ministério de Minas e Energia.

De acordo com Coelho, a mudança será lenta como todas as transições energéticas na história, mas o país precisa se posicionar o quanto antes. A projeção da EPE para o futuro dos veículos leves no País é que, no curto prazo, ocorram melhorias na eficiência energética dos motores a combustão. No médio prazo, o crescimento dos carros flex. E, no longo prazo, o domínio dos biocombustíveis.


Ofertas 0KM

Mais ofertas

Mais ofertas exclusivas

Veja todas as condições especiais


Notícias relacionadas