ID.Buzz
Vagner Aquino/Especial para o Estadão

Aceleramos: VW ID.Buzz, a Kombi elétrica, tem 204 cv e espaço de sedã de luxo

Disponível apenas por assinatura com preços a partir de R$ 12.990, VW ID.Buzz desperta saudosismo e reúne diversos atributos; veja como anda

Por Vagner Aquino 13 de dez, 2023 · 10m de leitura.

Embora já tenham circulado ofertas pela internet, a ID.Buzz não é vendida oficialmente no Brasil. Por estratégia, a Volkswagen prefere manter a van elétrica – carinhosamente chamada de Kombi – apenas na modalidade de assinatura. Os planos partem de R$ 12.990, com duração de 48 meses e 1.500 km mensais. Isso, porém, não significa que a compra seria um mau negócio. Mas, no mercado brasileiro, poderia fracassar. Afinal, a fabricante cujo nome significa “carro do povo” vender uma van por mais de meio milhão de reais seria, no mínimo, controverso.

Até então, esse seleto público que vem adquirindo a ID.Buzz por assinatura ainda não foi contabilizado pela VW. O que se sabe, por ora, é que serão 70 unidades disponíveis. E esses modelos estão chegando gradativamente ao País.

ID.Buzz
Serão 70 unidades disponível para locação nos próximos meses (Vagner Aquino/Especial para o Estadão)

O que tem e o que faltou?

Embora seja basicamente o mesmo carro vendido na Europa (salvo a calibração de suspensões), a ID.Buzz é diferente de qualquer outro veículo presente no mercado nacional. Portanto, não tem concorrentes diretos. E isso não se dá apenas pelo saudosismo provocado no visual. Até porque, nesta releitura, só sobrou a pintura saia-e-blusa (a cor da metade de cima difere da parte de baixo) usada em meados do século passado.

Aqui, a exclusividade fica por conta de alguns pontos como formato da carroceria, proposta e, principalmente, espaço interno. Com quase 3 metros de entre-eixos, a van oferece aos cinco ocupantes (ainda não existe o modelo com sete bancos) conforto de sedã de luxo. Para se ter ideia, o BMW i7 tem apenas 20 cm a mais de espaço.

Claro que, mesmo com todo esse vasto ambiente (de piso plano), a ID.Buzz deixa a desejar em alguns aspectos. Por exemplo, não tem saídas traseiras de ar-condicionado (que é dual-zone). E, embora tenha se preocupado em espalhar sete entradas USB por todo o carro – inclusive, têm em todas as portas dos passageiros -, a marca preferiu não oferecer carregador de smartphone por indução. Uma gafe nos tempos de hoje, onde até modelos populares possuem a tecnologia.

ID.Buzz
ID.Buzz perde em apenas 20 cm para o BMW i7 em tamanho de entre-eixos (Volkswagen/Divulgação)

Tecnologia de ponta

Apesar desses pequenos percalços, a plataforma modular elétrica (MEB) do Grupo Volkswagen traz para a van várias tecnologias de última geração, como sistemas de condução e de estacionamento semiautônomos, por exemplo. Na lista, há controle de cruzeiro adaptativo, frenagem automática de emergência com detecção de pedestres e ciclistas, sensores de obstáculos na dianteira e traseira e assistente de mudança de faixa de rolagem, entre outros. A lista ainda dispõe de motor com acionamento por botão, bancos com função massagem e câmera 360º.


Interior vem cheio de soluções e materiais reciclados (Vagner Aquino/Especial para o Estadão)

A iluminação, a princípio, é feita totalmente por luzes de LEDs. Nos faróis, a tecnologia LED Matrix. Tem quadro de instrumentos com tela de 5,3 polegadas e central multimídia com 12″ e espelhamento de celulares com Android Auto e Apple Carplay sem uso de fio. Tem, por fim, vidros com isolamento térmico e acústico (menos ruído e raios solares dentro da cabine), luz ambiente com 30 opções de cores e volante multifuncional. Entretanto, as teclas do volante são sensíveis ao toque. Talvez não caia no gosto do brasileiro. Aliás, tem montadora que precisou repensar tal solução.

ID.Buzz
Porta de recarga fica logo acima da caixa de rodas traseira da ID.Buzz (Volkswagen/Divulgação)

Motor, baterias e test-drive

A ID.Buzz tem um motor elétrico capaz de gerar 204 cv de potência e 31,6 mkgf de torque. A tração é traseira e a velocidade máxima é de 145 km/h, limitada eletronicamente. Ademais, a Kombi elétrica tem bateria de 77 kWh capaz de recarregar em estações de até 170 kW. Com carga completa, alcança até 337 km de autonomia, de acordo com o Inmetro.


ID.Buzz
Lanterna traseira é 100% de LEDs (Vagner Aquino/Especial para o Estadão)

Baterias carregadas e lá vai o Jornal do Carro botar o pé na estrada. As primeiras impressões foram bem breves, 15 minutos, aproximadamente. Mas tempo suficiente para entender o quanto o modelo chama a atenção nas ruas. O centro de Itu (cidade do interior paulista onde aconteceu o teste) praticamente parou. Olhares fixos e pescoços retorcidos surgiam a cada esquina. Sem contar que, além de se tratar de uma releitura moderna da saudosa Kombi, a van tem a cor de lançamento, o Lime Yellow.

ID.Buzz (Volkswagen/Divulgação)

Dirigindo, o comportamento das suspensões (recalibradas para o Brasil), em síntese, agrada bastante. Na dianteira, a van adota o sistema independente, McPherson com mola helicoidal. Já na parte de trás, o sistema independente Multilink dá conta do recado. Apesar de alto (1,91 m de altura), e consequentemente de ser um veículo bem vertical, nada de inclinações excessivas para as laterais, por exemplo. Graças, também, ao centro de gravidade baixo e ao peso de quase 2,5 toneladas.


Como é a aceleração da VW ID.Buzz

O desempenho é outro ponto importante na ID.Buzz. Com a premissa de contar com o torque instantâneo (como em todo carro elétrico), a van acelera rápido, tem boas ultrapassagens e retomadas e fôlego de sobra. No breve contato que tivemos, além de vigor, chamou a atenção o silêncio a bordo. A visibilidade também merece elogios. A enorme área envidraçada e a posição alta de dirigir lembram bastante os carros mais antigos e até algumas minivans de décadas passadas (como Renault Scenic e Citroën Xsara Picasso, por exemplo), que também tinham foco no espaço e conforto a bordo.

A posição de dirigir, dessa forma, é perfeita para a proposta. Nada daquela folga no volante da antiga Kombi. Seja como for, na ID.Buzz, o componente (com raio de giro amplo, o que facilita as manobras) tem empunhadura excelente e regulagem de altura e profundidade – quando se move, o quadro de instrumentos de 5,3″ vai junto. Afinal, trata-se da mesma peça do SUV ID.4, com quem divide plataforma. A alavanca de marchas, por fim, também fica na coluna de direção. Simples de operar, por meio de um seletor giratório. Há apenas as posições D (Drive), N (Neutro) e R (Ré). Como no restante da família, para ampliar o espaço no console central.

Siga o Jornal do Carro no Instagram!


O Jornal do Carro está no Youtube

Inscreva-se
Toyota Hilux SRX Plus une luxo com esportividade da GR-Sport e custa menos
Newsletter Jornal do Carro

Complete seu cadastro para receber as últimas notícias do Jornal do Carro diretamente no seu e-mail.

Campo obrigatório
Campo obrigatório
Cep inválido
CPF/CNPJ inválido
Telefone inválido
Tudo certo!

Seu cadastro foi enviado. Em breve você receberá as últimas notícias do Jornal do Carro diretamente no seu e-mail.