Mercado

Carros novos nunca mais serão baratos e básicos no Brasil

Para especialistas consultados pelo Estadão, os consumidores decretaram a morte dos carros de entrada; todos querem as últimas tecnologias do mercado

Diogo de Oliveira, special para o Estado

10 de nov, 2020 · 8 minutos de leitura.

Carros" >
Painel da atual versão topo de linha do Hyundai HB20
Crédito:Hyundai/Divulgação

Os carros de entrada são um produto em extinção. O avanço tecnológico dos veículos na última década decretou essa mudança. Independentemente do preço e da marca, os compradores de hoje, segundo especialistas, não querem mais modelos novos sem as últimas tecnologias.

O mais recente item da lista de desejos dos brasileiros é o câmbio automático. Porém há muitos outros equipamentos quase ?obrigatórios?. Como ar-condicionado e central multimídia.

?O mercado está pedindo os carros cada vez mais completos. Não é a montadora que decidiu vender os veículos mais equipados. É o consumidor que está exigindo esses conteúdos. Câmbio automático tem a demanda crescente porque é um conforto no trânsito?, explica o consultor da ADK Automotive, Paulo Garbossa.

Para Cassio Pagliarini, especialista da Bright Consulting, os carros pequenos são muito mais sensíveis ao acréscimo de tecnologia e custo. ?Existe uma lógica inexorável que se repete. O cliente é o rei. E chega uma hora em que não vale a pena comprar um veículo de plataforma antiga. Quando eu estava na Hyundai, a chegada do HB20 transformou vários veículos em obsoletos?, recorda Pagliarini, que foi diretor de marketing da Hyundai Motor Brasil.

Painel da versão “pelada” do Renault Logan produzido entre 2013 e 2019

O novo básico

Até uma década atrás, o mercado brasileiro oferecia os chamados carros pelados. Eram as versões de entrada dos compactos sem ar-condicionado, direção hidráulica, som ou vidros e travas elétricos. Muitos eram vendidos em carrocerias de duas portas. ABS e airbags eram opcionais. Isso acabou.

?Nem para locadora estão conseguindo vender só o básico?, aponta Garbossa. ?No meu tempo, bastava ter uma caneta para a puxar a fita cassete. Atualmente, as pessoas entram no carro e o streaming começa a tocar. É outra tecnologia e outro preço?, explica (com bom humor) o especialista da ADK.

Os novos carros de entrada já saem de fábrica com ABS e airbags frontais, direção elétrica, cintos de três pontos e ancoragem Isofix para cadeirinhas infantis. Porém, as versões mais vendidas são sempre as mais equipadas. ?Há itens que é difícil não ter, como multimídia?, complementa Pagliarini.

Fiat Strada-multim
Central multimídia virou item obrigatório nos carros (Fiat/Divulgação)

Aumento de custos

Paralelamente aos desejos dos consumidores, houve a modernização dos projetos. A cada troca de geração, os carros precisam ser mais seguros e menos poluentes. Seja pela acirrada disputa entre as marcas, seja por força das novas exigências legais em vários países no mundo.

Isso explica um pouco a migração dos modelos de entrada para compactos modernos. Carros feitos sobre as novas plataformas modulares diluem custos e permitem oferecer mais recursos. Alguns sedãs e SUVs pequenos já trazem dispositivos como frenagem automática de emergência.

O Jornal do Carro está no Youtube

Inscreva-se

?Na VW, buscam desenvolver o novo carro de entrada a partir da plataforma do Polo. PSA e FCA se uniram e terão a nova plataforma da PSA para pequenos. A Chevrolet passou a uma nova plataforma. Na Toyota, o cliente vai preferir um Yaris de conteúdo reduzido a comprar um Etios?, analisa Pagliarini.

O saldo também precisa ser positivo para os cofres, ressalta Garbossa. Segundo o consultor da ADK, cada fabricante tem um custo fixo da operação que precisa ser pago no fim do mês.

Continua depois do anúncio

?As montadoras hoje em dia estão partindo para o seguinte: todos os veículos têm de dar lucro. É preciso ter lucratividade. Com a pandemia, isso intensificou. A própria Ford tirou todos os sedãs de linha para focar em picapes e SUVs. Só mantiveram o Ka porque dá volume?, aponta.

Sucesso do decano Gol nascerá da plataforma do atual Polo (VW/Divulgação)

Índia, o berço dos BRICS

As montadoras vêm desenvolvendo novas plataformas de baixo custo para atender aos requisitos globais de segurança e emissões. No caso da Índia, carros com menos de 4 metros pagam tarifa menor. É uma regra local que acabou por dar ao país o know-how para criar compactos baratos.

Na visão de Cassio Pagliarini, da Bright, é de lá que virão muitos dos próximos lançamentos do Brasil. Um desses modelos é o Nissan Magnite, um inédito SUV compacto feito sobre plataforma derivada do Renault Kwid. O ?mini Kicks? deve ser fabricado em Resende (RJ) até 2022.

?A Índia é a melhor fonte de desenvolvimento para veículos acessíveis. De lá saíram os modelos da Ford (linha Ka), da Renault (Kwid) e deverão sair da PSA (Peugeot Citroën). Conseguem criar arquiteturas mais eficientes com a aplicação dos novos requisitos de emissões, segurança e eficiência energética. Mesmo assim, serão veículos mais caros?, conclui Pagliarini.

Imposto é vilão no preço segundo as marcas

Com mais tecnologia, é natural que o preço se eleve. Porém, em outros mercados os carros também são modernos e não custam tanto. Os clientes reclamam dos preços às montadoras, que se defendem sempre com o argumento do “Custo Brasil”, que inclui impostos de mais de 50% sobre os veículos. Enquanto que a mesma tarifa é de 7% nos Estados Unidos, 14% na Europa e 16% no México. “Nosso sistema tributário, que foi construído nos últimos 50 anos, é caótico e muito alto. É preciso simplificar e reformar para nos deixar mais competitivos com o resto do mundo”, afirma o presidente da Anfavea, que reúne os fabricantes de veículos do País, Luiz Carlos Moraes.