Você está lendo...
Great Wall apresenta sistema híbrido que equipará seus carros no Brasil
Mercado

Great Wall apresenta sistema híbrido que equipará seus carros no Brasil

SUVs da Great Wall terão o sistema DHT com opções que vão do híbrido tradicional ao plug-in; Haval H6 será o primeiro a ter a tecnologia

Vagner Aquino, especial para o Jornal do Carro

21 de jun, 2022 · 6 minutos de leitura.

GWM
Autonomia de até 200 km quer aumentar uso 100% elétrico de híbrido em ambiente urbano
Crédito:Haval/Divulgação

A transição dos carros a combustão para os elétricos passa pela hibridização. E a Great Wall Motors (GWM), que vai lançar SUVs e picapes no Brasil a partir de 2023, pretende atuar com força neste segmento. A marca chinesa apresentou a tecnologia DHT, sigla, em inglês, de Transmissão Híbrida Dedicada. Ela foi criada pela empresa e estará no SUV Haval H6, primeiro a receber o conjunto. O utilitário chega ao País já nos próximos meses.

GWM Great Wall Haval H6
GWM/Divulgação

A gama terá sistema híbrido convencional (HEV), híbrido do tipo plug-in (PHEV) e híbrido plug-in com um motor elétrico no eixo traseiro (PHEV P4). Como destaque, a GWM frisa que a promessa é oferecer a maior autonomia em modo 100% elétrico dentre as fabricantes de veículos híbridos: 200 km. Para se ter ideia, o recém-lançado motor T8 plug-in hybrid dos Volvo XC60 e XC90 oferece até 78 km. Assim, promete eficiência de sobra. A intenção da Great Wall é entregar ao motorista uma experiência real de conduzir um veículo elétrico.


Volvo XC60 e XC90
Volvo/Divulgação

"Enquanto em um veículo híbrido convencional o motor elétrico serve como suporte ao motor a combustão, no sistema DHT GWM é a motorização elétrica que é o personagem principal, deixado o motor a combustão apenas como apoio quando for necessário", explica Oswaldo Ramos, diretor comercial da GWM Brasil.

Dados

O sistema DHT GWM consiste, a princípio, em um motor 1.5 turbo (a gasolina), outros dois motores elétricos (Dual Motor) e um par de engrenagens fixas que conectam o motor a combustão às rodas. Assim, recebeu a denominação 1.5T+DHT130. Nele, a potência vai de 243 cv a 393 cv e a tração é dianteira. Dados apontam para até 58,1 mkgf de torque máximo. Dessa forma, leva entre 6,5 segundos e 8 segundos para arrancar de zero a 100 km/h.


Great Wall GWM
GWM/Divulgação

O PHEV vem com a mesma configuração. Entretanto, adiciona uma bateria maior, que fornece a autonomia elétrica de até 200 km. Já o PHEV P4 usa um motor elétrico extra no eixo traseiro. Assim, tem entre 393 cv e 483 cv de potência, e um torque de 77,7 mkgf. Aqui, a aceleração é digna de esportivo: zero a 100 km/h entre 4,8 segundos e 5 segundos. Mas a autonomia cai para 180 km. Cabe ressaltar que esta versão tem tração nas quatro rodas.

De acordo com os executivos da Great Wall, a motorização elétrica tem três funções nesse sistema. A princípio, transmite o movimento diretamente para as rodas, bem como recarrega a bateria do conjunto híbrido e, quando necessário, auxilia o motor a combustão gerando torque adicional. Mas ele também permite usar o motor a combustão como gerador, que alimenta a bateria enquanto os motores elétricos usam a sua energia para tracionar as rodas.


Em síntese, a ideia da autonomia proposta pela tecnologia DHT consiste em tirar a necessidade de uso do motor a combustão em ambientes urbanos. Neste caso, funciona em velocidades inferiores a 140 km/h. Os modos, entretanto, só serão selecionáveis no PHEV. Nos demais, o sistema alterna os modos de forma automática, conforme a necessidade.



Câmbio

Cabe ressaltar que a transmissão também é diferente. Tem apenas 2 marchas. Uma serve para médias velocidades, outra para altas rotações. O pessoal da GWM frisa que tudo é feito com baixo nível de ruído e vibração. De acordo com os executivos da marca chinesa, a tecnologia DHT é voltada à plataforma LMN, destinada aos SUVs. Dessa forma, as picapes - ainda em desenvolvimento na China - terão outro sistema híbrido no Brasil.

Sobre vendas, Ramos afirmou, durante a apresentação para a imprensa, que a GWM implantará uma nova forma de comercialização de carros. "Nasceremos com cobertura nacional e ofereceremos opções tanto de compra quanto de assinatura para os clientes. O pós-vendas também promete os mais variados serviços, como leva-e-traz, carro reserva, garantia de 8 anos para as baterias e outras soluções", diz o executivo, ainda sem dar muitos detalhes.


O Jornal do Carro está no Youtube

Inscreva-se